Consultor Jurídico

Entrevistas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Política de Ordem

Valorização da advocacia é a base de todas as demandas, diz Fábio Canton

Por 

Atual presidente da Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo (Caasp), Fábio Romeu Canton Filho é candidato a vice da seccional da OAB ao lado de Marcos da Costa, que busca a reeleição. Os dois lideram a chapa Trabalho pela Advocacia.

Para Canton, todos as demandas da classe podem ser resumidas em apenas um tema: a valorização da advocacia. "Nela estão contidos todos os temas relevantes para a classe, tais como defesa do mercado de trabalho, respeito às prerrogativas profissionais, valorização dos honorários advocatícios, melhores condições para a assistência judiciária, dentre tantos outros."

O advogado afirma ser contra o segundo turno nas eleições da OAB pelo caráter específico do pleito. De acordo com o advogado, a ausência de uma nova rodada de votos ajuda a baratear as campanhas. Por outro lado, ele defende a reeleição, por considerar o tempo de mandato muito curto.

"Temos na história exemplos de líderes que ficaram à frente da entidade por mais de dois mandatos e que em grande escala dignificaram a advocacia, como José Manoel de Azevedo Marques, Noé Azevedo, Cid Vieira de Souza e Luiz Flávio Borges D’Urso", conta.

Leia a entrevista:

ConJur — Qual o papel do conselho seccional, da diretoria e da vice-presidência, em especial, tem na estrutura da OAB-SP?
Fábio Romeu Canton Filho —  O conselho seccional é o órgão máximo da entidade que tem, por força de lei, o papel fundamental de defender a Constituição, a ordem jurídica do Estado Democrático de Direito, os direitos humanos, a justiça social, e pugnar pela boa aplicação das leis, pela rápida administração da Justiça e pelo aperfeiçoamento da cultura e das instituições jurídicas, além de promover, com exclusividade, a representação, a defesa, a seleção e a disciplina dos advogados em toda a República Federativa do Brasil. Para tanto, tem atribuições definidas no Estatuto da OAB, no Regulamento Geral e no Regimento Interno da Seccional.

A diretoria tem o papel de representação da entidade, o que ocorre na figura de seu presidente, e de administração da entidade do âmbito do estado, competindo, em especial ao vice-presidente, substituir o presidente, exercer as atribuições que por este lhe forem cometidas, presidir a Primeira Câmara e o 1º Grupo de Câmaras, superintender a Ouvidoria e aqueles serviços e departamentos da Ordem que lhe forem expressamente delegados pelo Presidente do Conselho. A diretoria da OAB-SP, funciona de forma participativa, de modo que, não obstante as atribuições pré-estabelecidas nas normas próprias, as questões de interesse da entidade e da advocacia são amplamente debatidas entre os diretores.

ConJur — O que qualifica o candidato a presidente da sua chapa para dirigir a OAB-SP?
Fábio Romeu Canton Filho O Marcos da Costa tem uma conhecida e reconhecida folha de serviços prestados para a entidade. Tem experiência na administração da entidade e no trato das questões da advocacia. Ocupou diversos cargos na entidade, sempre com brilhantismo, inclusive a presidência, cargo que ocupa atualmente. É, sem dúvida o mais preparado e qualificado candidato para exercer a presidência da OAB no próximo triênio.

ConJur — Quais são hoje, em sua opinião, as principais demandas da advocacia?
Fábio Romeu Canton Filho Poderia resumir as demandas todas numa única: valorização da advocacia. Nela estão contidos todos os temas relevantes para a classe, tais como defesa do mercado de trabalho, respeito às prerrogativas profissionais, valorização dos honorários advocatícios, melhores condições para a assistência judiciária, dentre tantos outros.  

ConJur O que diferencia o seu grupo em relação aos demais?
Fábio Romeu Canton Filho Sem dúvida nenhuma a união do grupo, a experiência que tem e o efetivo trabalho realizado em prol da advocacia.

ConJur — O que acha das regras eleitorais da OAB?
Fábio Romeu Canton Filho
A moralização do pleito diz respeito às pessoas e não às regras. De qualquer modo, um período mais curto de campanha parece salutar para todos. O eleitorado é qualificado e não precisa de tempo excessivo para conhecer os candidatos, entender as propostas e escolher.

ConJur — O senhor é favorável ao segundo turno nas eleições para a seccional?
Fábio Romeu Canton Filho Diferentemente da política partidária, onde ocorrem debates e embates ideológicos, na seccional os advogados se agrupam em torno daqueles que entendem mais preparados para a administração da entidade, me parecendo dispensável, inclusive, considerados os enormes gastos que a estrutura de uma eleição acarreta, a realização de segundo turno.

ConJur — O senhor é favorável à reeleição na OAB?
Fábio Romeu Canton Filho A lei que rege a OAB não limita a reeleição. Penso, contudo, considerando o tempo do mandato (3 anos), que uma reeleição é oportuna e suficiente para a realização e consolidação de projetos que demandam mais tempo. Temos na história, entretanto, exemplos de líderes que ficaram à frente da entidade por mais de dois mandatos e que em grande escala dignificaram a advocacia, como José Manoel de Azevedo Marques, Noé Azevedo, Cid Vieira de Souza e Luiz Flávio Borges D’Urso.

ConJur — Qual a primeira medida que o senhor vai tomar quando assumir?
Fábio Romeu Canton Filho Sendo a nossa chapa vitoriosa, mesmo antes de assumirmos já estaremos trabalhando em prol da advocacia em todas as suas frentes.

ConJur — Qual é a proposta mais importante, segundo sua análise, do plano de gestão de seu candidato?
Fábio Romeu Canton Filho —  Sem dúvida, a valorização permanente da advocacia.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 17 de novembro de 2015, 19h00

Comentários de leitores

1 comentário

E em 2018?

Eduardo.Oliveira (Advogado Autônomo)

Certamente este senhor será candidato.
Melhor resolver o problema em 2015: tchau Marcos da Costa & Cia. D´Urso Ltda.!

Comentários encerrados em 25/11/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.