Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Liminar cumprida

Ministro Marco Aurélio dá andamento a investigação de José Roberto Arruda

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, tornou sem efeito decisão em que havia determinado, em setembro, a suspensão de todas as audiências de instrução relativas aos processos resultantes da operação caixa de pandora, deflagrada em 2009 para investigar suposto esquema de corrupção no governo do Distrito Federal.

Os processos tramitam na 7ª Vara Criminal da Circunscrição Judiciária de Brasília. A suspensão das audiências de instrução havia sido determinada após petição em que a defesa do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda noticiava que a liminar, na qual o ministro Marco Aurélio lhe garantiu acesso irrestrito aos termos da delação premiada de Durval Barbosa, não estaria sendo cumprida.

O ministro pediu então informações ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público do Distrito Federal, que juntaram documentação para demonstrar que a liminar foi cumprida. “Está atendida a providência”, verificou o relator.

Marco Aurélio afirmou que, de acordo com a Súmula Vinculante 14 do STF, deve ser garantido ao advogado o conhecimento amplo dos elementos de convicção documentados em procedimento investigatório. No entanto, o ministro afirmou que não cabe discutir, em reclamação, o conteúdo dos procedimentos disponibilizados. “O debate sobre a ocorrência de eventual nulidade deve ser travado no juízo criminal respectivo, arcando-se com as consequências processuais que daí podem advir.”

A decisão de afastar a suspensão das audiências na 7ª Vara Criminal de Brasília foi tomada pelo ministro Marco Aurélio no julgamento de mérito da Reclamação 21.861. O relator julgou a reclamação procedente e confirmou a liminar na qual assegurou ao ex-deputado distrital Leonardo Prudente e a José Roberto Arruda o acesso aos termos da delação premiada de Durval Barbosa. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Reclamação 21.861

Revista Consultor Jurídico, 11 de novembro de 2015, 21h19

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 19/11/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.