Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Atividade incompatível

Juiz pode mudar pena substitutiva se há dificuldade em cumprimento, diz TRF-4

Por 

É possível alterar a pena substitutiva de prisão em situações excepcionais na execução criminal, desde que comprovada a real impossibilidade de seu cumprimento. Com a prevalência desse entendimento, a maioria da 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região acolheu recurso que permite a um caminhoneiro condenado cumprir pena diferente daquela fixada originalmente na sentença criminal — de prestação de serviços à comunidade.

O relator do agravo em execução no colegiado, juiz federal convocado Marcelo Malucelli, afirmou que não cabe ao juízo da execução alterar a modalidade da pena fixada na condenação transitada em julgado. Destacou ainda que a fixação da prestação de serviços à comunidade é a mais indicada na maioria dos casos, pelo seu caráter não somente punitivo, mas também pedagógico e ressocializador. Por isso, manteve o despacho que negou o pedido de conversão na origem. Entretanto, Malucelli ficou em posição isolada.

O desembargador Márcio Rocha, que proferiu o voto-vista vencedor, disse que, já que é cabível a substituição da pena de prisão, é tarefa do juiz ajustar a forma de seu cumprimento às condições pessoais do condenado. Rocha fez questão de registrar que o homem comprovou o trabalho de caminhoneiro autônomo e que viaja semanalmente para todo o Brasil. ‘‘Neste mister, é necessário fixar a forma de cumprimento das penas, de modo a não prejudicar o trabalho do condenado, que exerce atividade profissional lícita, nem exigir-lhe sacrifício excessivo em contrapartida à eventual dificuldade de cumprir jornada rotineira na prestação de serviços, por força da natureza específica do seu trabalho’’, complementou.

O desembargador também não considerou razoável que o homem concentrasse todas as horas de cumprimento da pena de prestação serviços apenas nos fins de semana, o que o privaria da convivência familiar. Afinal, ‘‘tal sacrifício não contribuiria para a ressocialização do condenado’’. Com  a decisão, o juízo de origem vai decidir uma nova pena substitutiva, mais compatível com a situação. O acórdão foi lavrado na sessão do dia 25 de agosto.

O caso
Condenado a três anos e seis meses de reclusão, em regime aberto, pelo crime de receptação qualificada — artigo 180, parágrafos 1º e 6º, do Código Penal —, o caminhoneiro teve a pena restritiva de liberdade substituída por duas restritivas de direito: prestação de serviços à comunidade e pagamento de dois salários mínimos. No entanto, como vive em constantes viagens, pediu que a pena de prestação de serviços fosse convertida em prestação pecuniária. Afinal, como está sempre na estrada, não tem como cumprir as horas necessárias de serviço em instituição social.

O juízo da 2ª Vara Federal de Santa Maria (RS) indeferiu o pedido de substituição de pena por entender que eventual transtorno na vida pessoal ou profissional do condenado é inerente ao cumprimento de qualquer tipo de sanção, sendo esse, justamente, o ônus da condenação criminal.

‘‘Desse modo, a prestação de serviço à comunidade aplicada deve ser cumprida de acordo com a disponibilidade de horário do apenado, devendo o mesmo organizar-se para que efetivamente cumpra a reprimenda substitutiva, pois, mesmo que seja uma pena substitutiva, continua sendo pena que pode ser convertida em pena privativa de liberdade acaso inadimplida’’, advertiu o juiz substituto Lademiro Dors Filho.

Clique aqui para ler a íntegra do despacho.
Clique aqui para ler o acórdão.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 8 de novembro de 2015, 7h39

Comentários de leitores

3 comentários

Retrato do Brasil

Olho clínico (Outros)

É o poste urinando no cachorro. O réu manda no juiz. Não posso cumprir esta pena. Mude-a! Reflete nossa cultura de passar mão na cabeça de quem infringe a lei. O réu, condenado, por ter feito algo de errado (muitas vezes grave), chega para o Juiz e diz: Esta pena não posso cumprir. O juiz aceita, e muda. É isso!! Este é só um dos sintomas de nossa autofagia sócioestatal. A pena é uma barganha, e não uma imposição. Quem cumpre a lei, faz as coisas certa, só é arrochado, de todos os lados.

em breve irão cumprir a pena do jeito que o réu exigir...

daniel (Outros - Administrativa)

é o país da impunidade.....

Casa da mãe Joana

Professor Edson (Professor)

Aqui bandido manda na lei, no judiciário, na cadeia, é uma flexibilização sem fim, é muita moleza pra quem desrespeita a constituição do país, não que o rapaz deveria ser preso, mas muita flexibilidade acaba sendo um incentivo ao crime, todo caminhoneiro na mesma situação já sabe que se cometer o mesmo crime acontecerá a mesma coisa, daqui a pouco não vão poder pagar pena com serviço comunitário nos fins de semana pois precisam passar com a família e nem meio de semana porque trabalham, mas se esquecem que antes de tudo eles cometeram crimes e precisam de uma certa punição e reeducação.

Comentários encerrados em 16/11/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.