Consultor Jurídico

Alta taxa de depressão

ABA e seccionais tomam medidas para conter suicídios de advogados

Retornar ao texto

Comentários de leitores

4 comentários

Não é só Deus que mata...

Riobaldo (Advogado Autônomo - Civil)

Os advogados brasileiros não precisam se matar.Existem alternativas a depender da natureza psíquica e neurológica de cada um.A famosa TPM - tensão perante o magistrado - durante as audiências; morosidade processual; custas exorbitantes; decisões conflitantes; ingratidão da clientela; concorrência desleal e por fim, falta de ética profissional, são ingredientes mais do que suficientes para a superveniência do IAM - infarto agudo do miocardio - que mata mais do a polícia ´pacificadora` de favelas...

Sem tempo

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Creio que aqui no Brasil os advogados são tão ocupados diante da situação do Judiciário que não possuem tempo nem de se matar. Não conheço um único caso de suicídio.

Surpresa

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Há um mês não pude ser atendido pelo meu dentista. Havia se suicidado. Duas semanas atrás, procurei o farmacêutico no prédio ao lado e deixei de comprar os remédios. Suicídio, me informou atendente. Meu escritório não pode ser finalizado: uma ligação telefônica da secretária do engenheiro, gravada pela minha secretária eletrônica, registrava a triste notícia: O engenheiro se suicidou. Diante de tantas mortes intencionais, causadas pelas próprias vítimas e na escala mencionada na notícia, comunico aos meus clientes e amigos que "CONTINUO e CONTINUAREI" atendendo no mesmo local ainda por muitos anos. Minha esperança é uma audiência de logo mais a tarde onde, "EM TESE" estarão presentes o Juiz e o Promotor. Como acredito em estatísticas, quem sabe, com um pouco de sorte, não haverá a sessão !

Equilibrio emocional

PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Não sei se há pesquisa no Brasil. Mas, de certa forma o conteúdo da matéria mostra que o advogado brasileiro vive o mesmo drama no exercício da profissão e é muito comum o stress. Não tenho idéia, se há pesquisa a respeito de suícidio, mas os casos de depressão são muitos. Tornou-se uma profissão proletária, empobrecida e burocrática o que está retirando do exercício profissional o encantamento que existiu no passado. Talvez seja o caso da OAB fazer um levantamento a respeito do assunto.

Comentar

Comentários encerrados em 8/04/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.