Consultor Jurídico

Infestação de prolixidade

Juiz dos EUA manda advogados refazerem suas petições longas e prolixas

Retornar ao texto

Comentários de leitores

10 comentários

Falar a verdade é sinal de honestidade

Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

O penúltimo comentário deu fontes de sua afirmação, e o último a depreciou sem nenhum embasamento, salvo a opinião pessoal de quem escreveu o comentário.
Fico no aguardo de um só exemplo de caso em que, numa demanda de R$5.000.000,00 (em que o benefício do cliente tenha sido esse), os honorários tenham sido arbitrados em R$200,00.
Já tem décadas a tática de repetir uma mentira muitas vezes a fim de que seja tida como verdade.

Falar pouco na verdade é sinal de falta de conhecimento

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Se o comentário do PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil) tivesse algum fundamento todas as fundamentações do tipo "fixo os honorários devidos ao potrono da parte vencedora em R$200,00" em ações de 5 milhões estariam corretas. Vamos deixar os princípio de botequim de lado.

Quem tem razão....

PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

"Quem tem razão fala pouco e fala claro".
Este é um trecho de um parecer elaborado pelo saudoso prof. Barros Monteiro, na década de 70, frase esta que ele atribuía a Machado Guimarães um notável processualista. Creio que isto resume tudo. Vemos hoje, em inúmeros processos, longas, tenebrosas e inúteis manifestações, que se perdem na prolixidade. Não creio que este Juiz americano tenha se equivocado.

In terra brasilis...

Galo Furioso (Investigador)

Já aqui na Terra das Bananeiras, sabemos quem é o responsável: os clãs que domina o Poder Judiciário e eliminam os honorários de sucumbência na tentativa de acabar com o trabalho honesto dos causídicos, que ficam sem outra opção, que não oferecer petições mulambas.

Pois é

Prætor (Outros)

A regra de experiência mostra que, quase sempre, quem fala muito é porque não tem razão.

Digo

Manente (Advogado Autônomo)

Ação declaratória de inexistência de débitos cumulada com indenização por danos morais.

Só 39 laudas!!! Ô castigo!!!

Manente (Advogado Autônomo)

Pasmem, esta semana vi e não tive paciência para ler as 39 (trinta e nove) laudas de uma inicial que tratava-se de uma ação declaratória de inexistência.
Imaginem só a réplica e um eventual recurso.
Haja assunto para 39 laudas!!!

Compreendo o Juiz

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

Na minha opinião o melhor advogado é aquele que tem um grande poder de síntese, consegue focar no que realmente é importante e passar de maneira clara e simples a sua mensagem.

Aqui o mal está no Judiciário

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Aqui essa praga infesta as decisões dos juízes. Em uma decisão de 20 páginas, você encontra 2 ou 3 palavras específicas sobre o caso versado nos autos. Tudo o mais é "recorta e cola" feito pelos assessores.

Brasil na contramão do sucesso

Prætor (Outros)

A praga combatida por este Juiz americano também grassa em território brasileiro e aqui foi enormemente estimulada pelo "novo" CPC.

Comentar

Comentários encerrados em 4/04/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.