Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Em casa

Após delação, vice-presidente da Camargo Corrêa vai a prisão domiciliar

O vice-presidente da Camargo Corrêa, Eduardo Leite, deixou, nesta terça-feira (24/3), a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, depois de firmar acordo de delação premiada. Ele deve ficar no mínimo um ano em prisão domiciliar, em São Paulo, usando uma tornozeleira eletrônica. Segundo seu advogado, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, Leite não poderá se afastar mais do que 50 metros da casa.

Ele estava na carceragem da PF desde novembro, quando uma nova fase da operação “lava jato” colocou como alvos executivos de uma série de grandes empreiteiras. Segundo o Ministério Público Federal, Leite integrou o que seria um “clube” de empresas que para fraudar contratos com a Petrobras.

Outros dez presos na operação “lava jato” foram transferidos nesta terça-feira (24/3) para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. A mudança foi autorizada pelo juiz federal Sérgio Moro, depois que a PF disse não ter espaço suficiente para manter todos os detidos. Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Paraná, eles ficarão em uma ala reservada, em celas que variam de 12m² a 16m².

Revista Consultor Jurídico, 24 de março de 2015, 22h10

Comentários de leitores

1 comentário

prisão para forçar delação

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Está mais do que claro que as medidas coercitivas que estão sendo adotados têm como objetivo forçar o suspeito a denunciar. Os que foram transferidos e que não delataram, agora, com os vexames do novo cárcere e fim das mordomias, serão obrigados a delatar. É o fim das garantias constitucionais, lançando a escanteio o devido processo legal.

Comentários encerrados em 01/04/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.