Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Resposta a políticos

Janot diz que "vozes do Parlamento" atiram-se contra o Ministério Público

Por 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta sexta-feira (13/2) que “causa espécie” constatar que “vozes do Parlamento (...) tenham-se atirado contra a instituição que começa a desvelar a trama urdida contra a sociedade” em contratos da Petrobras. A declaração foi dada durante encontro com chefes dos Ministérios Públicos estaduais e do Ministério Público da União, em Brasília.

Em encontro com chefes do MP, Janot discursou contra ataques de políticos.
Fellipe Sampaio/SCO/STF

A fala de Janot é uma resposta a membros do Congresso que criticaram os pedidos de inquérito enviados pela PGR ao Supremo Tribunal Federal. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), considerou a inclusão de seu nome “irresponsável e leviana”, enquanto o deputado Paulinho da Força (SD-SP) pediu que a CPI da Petrobras quebre o sigilo telefônico do procurador-geral e do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

Para o chefe da PGR, os ataques surgiram depois que foi revelado “o maior esquema de corrupção” do Brasil, com a operação "lava jato". “Pelos esforços do Ministério Público, esse esquema foi exposto ao país e será também pela nossa atuação que os verdadeiros culpados irão responder judicialmente e sofrerão as penas cabíveis”.

Ele apontou que os primeiros frutos desse trabalho ocorrem com a repatriação de R$ 182 milhões que pertenciam a Pedro Barusco, ex-diretor da Petrobras, e estavam no exterior. O valor deverá ser transferido à 13ª Vara Federal de Curitiba e depois à estatal.

Janot disse que enfrenta desafios semelhantes aos que ocorrem com os representantes do MPF e do MP estadual. “Não por acaso citei o princípio da unidade. A força da capilaridade da atuação do Ministério Público depende de nós. Aqui, nesta sala, há um só Ministério Público, o brasileiro”, declarou em seu discurso.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 13 de março de 2015, 20h28

Comentários de leitores

5 comentários

Nem falam sobre a PF.

Bellbird (Funcionário público)

O MPF quer que a sociedade acredite que foram eles que investigaram. A sociedade vai saber que foram eles que estragaram uma das investigações mais importante de corrupção já conhecida no mundo inteiro..

Salvador da pátria.

Bellbird (Funcionário público)

O MP continua a se arvorar de salvador da pátria. Enquanto a investigação estava somente entre a polícia federal e o judiciário, estava andando muito bem. Foi só o MPF se meter. Olha o que ocorreu. Ficam se apresentando como pai da criança. Mas se esta criança se mostrar feia e burra, logo tentarão mostrar que a polícia é o pai.

usurpando mérito alheio

TFSC 79 (Outros)

“Pelos esforços do Ministério Público, esse esquema foi exposto ao país e será também pela nossa atuação que os verdadeiros culpados irão responder judicialmente e sofrerão as penas cabíveis”.

Ora, a.operação lava jato tem esse nome em razao das investigações da.POLÍCIA FEDERAL.

O MPF recebeu mastigado e aparece Janot para dizer que foi tudo pelos esforços do MP!?
Fosse permitido aos delegados federais oferecer denúncia, nem se ouviria falar em Ministério Público.
Só holofotes... esse pessoal do MP adora...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/03/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.