Consultor Jurídico

Comentários de leitores

14 comentários

Absurdo

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Triste ver que fomos à lua e ainda confundem a figura do advogado com a do assistido. Vejo certo preconceito contra advogados bem sucedidos, bem preparados, a OAB em minha humilde opinião fez bem em reagir, o direito à defesa é tão importante quanto o direito à liberdade de expressão. Já está na hora de a imprensa brasileira ser chamada a responsabilidade e ser mais isenta e profissional em suas reportagens.

A OAB é da Classe como um todo.

carlinhos (Defensor Público Estadual)

Se esses advogados referidos na reportagem de Veja em defesa de seus clientes se contentassem com os meios jurídicos e legais postos à sua disposição pela legislação específica vigente e não partissem para a equivocada estratégia de desconstrução do trabalho levado a efeito pelo Juiz Moro e pelo Ministério Público, através da Mídia e de redes sociais como assim o fizeram, dando azo
a que outros usassem o mesmo meio para rebatê-los, inclusive, a mídia profissional, nada disto estaria acontecendo e nem estaria em jogo ante a opinião pública a seriedade dos órgãos de classe, que acorreram para defendê-los de pronto, como se a advocacia se restringisse a eles, os grandes, tão somente. A bem da verdade, o que temos visto é a perda de credibilidade da OAB e de outros órgãos representativos da classe, em face da postura francamente partidária assumidas. Muitos perguntam onde está aquela OAB que, na vanguarda de todo
movimento patriótico, pingava pelos interesses noite e do Brasil e do povo brasileiro.

Não penso assim

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Não acho que a "pecha" deva servir e "magoar" a todos os advogados, nem mesmo aqueles que atuam nesse caso da Lava Jato. Evidentemente que na nossa profissão vivemos, por vezes, da desgraça dos outros e isso tmbém se aplica a tantas outras áreas de atividade humana, em especial os médicos (cujo patrimônio envolvido é o bem mais caro; a vida). Ganhar muito dinheiro defendendo bandidos não é pecado nem crime, de sorte que, para os que militam em favor das empresas "propineiras" o momento é agora mesmo e a tese do "quanto pior melhor" é absolutamente verdadeira. A única situação que abomino é a postura anti-ética, a (mal) exemplo do "então" ministro/advogado, Bastos, que acabara de cumprir quarentena depois de deixar o Ministério da Justiça (onde, por obvio, teve amplo conhecimento de questões sigilosas do Mensalão) mas passou para o outro lado do balcão rapidinho, quando tentado a fazê-lo por pura questão de "vaidade" como chegou a declarar (apelido por ele dado ao dinheiro). Os mesmos passos, que, ao que parece, vem ensaiando o seu sucessor, Min. Cardozo. Sobre isso, só o tempo dirá, já que teremos alguns anos de processo pela frente e a oportunidade certamente se apresentará. Agora se a própria C. de Ética da OAB não viu, á época e sobre aquele fato do então ministro Bastos, nada demais, então acho que, agora, está sendo hipócrita nessa defesa ferrenha de uns poucos colegas (que na verdade nem precisariam dela, posto que não têm qualquer impedimento para atuarem) usando, para isso, toda a classe, muito distante dessa "ofensa" e glamour midiático.

Sobre lucro e "lama"

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O que é mais contraditório nessa história toda é que a Veja e outras empresas sobrevivem exclusivamente da "lama". Vejam as capas da Revista citada que encontrarão semanalmente um novo "escândalo". É com isso que a empresa dona da Revista paga seus funcionários e aufere um bom lucro. Assim, porque a Veja sobreviver da "lama" e os outros não? Será que o "jornalismo" desenvolvido pela Veja é mais importante do que o exercício da advocacia?

defesa do direito de defesa

Luiza Oliver (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

O mais triste (e assustador) é ver colegas, advogados, que não entendem e não respeitam a importância do direito de defesa e engrossam o discurso superficial e preconceituoso retratado na reportagem. Tempos tristes para a advocacia...

De onde vem?

MACUNAÍMA 001 (Outros)

De onde vem o dinheiro que paga esse turma de causídicos? Será fruto do honesto trabalho desse notórios ladrões que dilapidaram o patrimônio público? Uma atenta leitura de Kai Ambos vem a calhar.

Passarinho que come pedra sabe ...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Tenho muitos amigos patrocinando a causa desses milionários; De há tempos vejo matérias pagas a respeito de honorários, os interessados supervalorizando seus astronômicos custos, com objetivos claramente identificados. Em assim sendo, agora não podem reclamar! Quem tem de reclamar são os advogados atingidos com a pecha de mercenários, a maioria, que advoga modestamente. Também acho que as associações citadas não deveriam comprar essa briga, quando se sabe que os modestos advogados é que dignificam a profissão.

Não me representam

Luciano Alves Nascimento (Advogado Autônomo - Administrativa)

Muitos desses "adevogados" ficaram milionários defendendo ladrões notórios através de jeitinhos jurídicos e nulidades combinadas. Não adianta essas entidades emitirem notas de repúdio contra aquilo que a sociedade inteira acredita. Melhor seria ficarem caladas, pois a sociedade não é idiota e sabe que todo esse mar de lama é ótimo para quem defende essa corja, pois se trata de uma excelente oportunidade para ganhar mais dinheiro.

Prepotentes

JB (Outros)

Já cantei essa pedra por várias vezes, que a revista Veja e a TV Globo se acham donas da razão ao ponto de querer alterar, manipular todos os interesses que lhe são imputadas. Agora acha que os advogados da lava-jato são culpados da situação em que se encontram o país, por isso e outras sempre vou votar contra esses canais da parcialidade e visão distorcida.

Viva a liberdade de expressão

Leopoldo Luz (Advogado Autônomo - Civil)

Como advogado, entendo que:
a) Deve ser respeitada a liberdade de imprensa, inclusive a de exprimir opiniões contrárias aos interesses meus ou das categorias profissionais a que pertenço;
b) O fato de formarmos uma categoria profissional - advogados, não implica solidariedade, nem aval recíproco presumido às condutas individuais;
c) As notícias, em particular, inclusive favorecem os noticiados, expondo suas qualidades como eficazes defensores de notórios (melhor não adjetivar).
d) Deve também ser respeitado o direito - e inclusive exigido seu exercício- das associações e conselho que nos representam desabafar em sentido de "defender a categoria", mesmo que sua posição não represente exatamente a opinião de muitos dos representados e mesmo que isso possa soar, para os, digamos leigos, como corporativismo.

baixa credibilidade

Vander (Outros)

Já faz algum tempo que a Veja não é uma boa fonte de informação.

pimenta nos olhos dos outros e refresco ...

Ricardo (Outros)

Alguns aí falam tanto de promotor flash, holofote, mas não agüentam ver uma câmera e um microfone na frente. Em toda atividade tem gente que gosta de aparecer e na advocacia não seria diferente! Pau que bate em Chico bate em Francisco. No mais concordo com o MAP: para os pequenos nenhum apoio enquanto que para os medalhões ...

boca fechada!

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Se não quisessem aparecer tanto estariam livres de qualquer crítica. A palavra é de prata e o silêncio é de ouro!

Entidades que representam apenas alguns poucos advogados

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Muito pior foi a reportagem comprada divulgada pelo Fantástico achincalhando toda a advocacia previdenciária nacional, e a OAB/SP e as Entidades mencionadas não deram um pio. Agora, como a reportagem atingiu alguns advogados "grandãos", como se diz em linguagem popular, começam a choraminguentas. A defesa da advocacia só existirá realmente, e será efetiva, quando for para todos os advogados.

Comentar

Comentários encerrados em 20/03/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.