Consultor Jurídico

Colunas

Segunda Leitura

"Petrolão", o mais importante caso criminal da história do Brasil

Comentários de leitores

6 comentários

Tudo deve ser apurado, no presente e no passado...

Carlos Bevilacqua (Advogado Autônomo)

Realmente muito há a apurar ainda - e devolver! Afinal, o erário público não pertence ao governo. É de impressionar a dilapidação do patrimônio público com "investimentos" e "doações" feitas em outros países, como se aqui não fosse mais preciso...

Talvez seja um dos mais importantes, mas teremos outros.

Jose Antenor Nogueira da Rocha (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Imagino que quando investigarem o BNDES e a obra da Usina Belo Monte teremos muitas surpresas.

Petrolão é o maior caso criminal da história do Brasil (?)

Sidnei Santos (Advogado Autônomo)

Primeiramente, o articulista coloca esse como o "maior" caso, mas sequer cita os casos da "privataria tucana", relatados e documentados em livro e enviados para o procurador geral à época...
Interessante o último parágrafo em que exalta a discrição da PF, do MPF e do juiz do caso...até parece que não lê os grandes jornais paulistas e carioca...

O MP

Bellbird (Funcionário público)

Qualquer um sabe que o MP exerce atividade de segundo plano nas investigações, mas segundo plano mesmo. Olha o desespero para mostrar que é autor nas investigações. Risível.

O rótulo e o conteúdo

Voluntária (Administrador)

O artigo disse que o Ministro atua como Juiz deferindo as diligências e o verbo supervisionar se encaixa nesta atividade. Com referência à investigação ela é feita pela Polícia e certamente por um Delegado. Leve ou não o nome de Inquérito isto não altera o conteúdo.

Não é inquérito policial

Helio Telho (Procurador da República de 1ª. Instância)

O inquérito, no caso, não é policial e nem é conduzido pelo delegado.
O inquérito criminal nos casos de competência do STF é supervisionado pelo ministro relator, que autoriza as diligências requisitadas pelo PGR e que serão executadas pelo próprio MPF ou pela PF

Comentar

Comentários encerrados em 16/03/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.