Consultor Jurídico

Comentários de leitores

10 comentários

Vamos humanizar colenda oab

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista
JÁ NÃO ESCRAVOS, MAS IRMÃOS. (Papa Francisco). É triste deparar que os plantonistas da OAB, são muitos fracos, pensam como ditadores. Por serem portadores da carteira da OAB, deveriam defender tal excrescência com decência e argumentos jurídicos e jamais com ofensas e/ou golpes rasteiros .Eu afirmo que não é da alçada da OAB e de nenhum sindicato avaliar ninguém. Isso é um abuso. Art. 209 CF: compete ao poder público avaliar o ensino. OAB é uma entidade privada. Mas uma mentira repetida várias vezes acaba virando verdade. Vamos humanizar OAB. Creio que existem alternativas humanitárias e inteligentes , tipo estágio supervisionado e/ou residência jurídica.Segundo dicionário Aurélio, Advogado é o “Bacharel em direito legalmente habilitado a advogar, i. e., a prestar assistência profissional a terceiros em assunto jurídico, defendendo-lhes os interesses, ou como consultor, ou como procurador em juízo. Art. 29 § 1º do Código de Ética Disciplina da OAB diz: Títulos ou qualificações profissionais são os relativos à profissão de ADVOGADO, conferidos por universidades ou instituições de ensino superior, reconhecidas. Se o STF soubesse disso não teria DESPROVIDO o RE 603.583.O erro faz parte da natureza humana.Infelizmente as revoltas dos pobres quase nunca resultam em melhorias para a população. Depois de uma guerra há sempre um curto período de progresso, mas logo surge outra elite predatória que assume o controle do país.” Alvin Toffler. Exigimos um mundo onde as pessoas vivam em paz, com liberdade de trabalho, liberdade de expressão enfim sem opressão ou tirania. A privação do emprego é um ataque frontal aos direitos humanos. “Assistir os desassistidos e integrar na sociedade os excluídos.V.V

A empulhação...

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Não está na ciência jurídica, que oferece solução teórica para todos esses males citados por você, Gerson. O problema é o aplicador (quem decide ou executa) os homens que legislam ou executam ou julgam...
Sabe que ontem ouvi um comentário sobre as implicações do ato de mentir perante as autoridades (executivas ou judiciais) e lembrei-me de testemunhas em um processo trabalhista (nem ligadas a assuntos legais eram) e mentiam gostosamente....
Agora também tem, não entenda mal, a"Lei de Gerson"....Como é que ficam todos os que passaram no Exame?

Ao Sr O.E.O (Outros)

Gerson Caicó (Estudante de Direito)

Meu/minha Car@, não é o curso que me passa essa impressão, não. É minha obstinação em ler tudo que diz respeito ao universo do Direito. O embuste começa na CF/1988, onde há diversos dispositivos desrespeitados (Salário-Mínimo dos sonhos, EC 41/03 não anulada, em que pese ter fundamentado decisões da AP-470, etc). Há leis mal-elaboradas (Lei 12.089/09, o CTN) leis ineficazes (precatórios), Decretos inovadores (Dec 3048/99, art 181-B), decisões judiciais imorais (Caso Pinheirinho/SP), sem contar os esdrúxulos e incorrigíveis comportamentos de advogados (inumeráveis os casos de associados ao crime organizado), promotores (mensalão do DEM/Brasília) e juízes (prendendo funcionários da TAM, facilitando adoções suspeitas, dirigindo carro de Eike Batista, pra não mencionar casos mais antigos: TJ-MT e a maçonaria, TJ-RN e a farra dos precatórios), etc, etc, etc...
Se, por ventura, não tenha se convencido, pergunte ao douto Lênio Streck o que ele acha do "pan-principialismo pindamoramense".
Abraço e 'escuse-me' a petulância sertaneja.

Desqualificação

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

As "teorias" que vem sendo criadas por bacharéis desqualificados para resolver o "problema" das reprovações mostra que a Ordem precisa tornar o exame mais rigoroso. Uma vez um primo meu me disse que é necessário que o estudante estude muito para descobrir que não sabe nada. Creio que é isso o que vem acontecendo com muitos. O contato que travaram com a ciência do direito foi tão superficial que eles não descobriram ainda que são inapto, que pouco sabem. Acreditam que basta se articular algumas frases para que algo "jurídico" esteja sendo feito. Esses "profissionais", certamente, estão muito longe de serem um dia advogado, entendida essa profissão em sua correta qualificação. Tornarão seus clientes vítimas fáceis do abuso estatal, e só envergonharão a classe.

Acha que é nossa obrigação bancar despreparados

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O comentário do VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador) é de dar pena. Ao acreditar que todos os advogados são bandidos, ele acredita que é nossa obrigação pagar anuidades para que os bacharéis desqualificados permaneçam eternamente prestando a prova e sendo reprovados. A Ordem dos Advogados do Brasil é uma Entidade privada, que não recebe recursos públicos. A realização da prova é uma atividade cara, que se não bancada integralmente pelos candidatos vai cair no nosso bolso. Andaria melhor esse pessoal contrário ao exame se ao invés de ficarem construindo teorias mirabolantes visando justificar a falta de preparo técnico e incapacidade de passar na prova começassem a estudar.

Ao Sr. Gerson Caicó (Estudante de Direito)

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Engraçado... Ainda estudante e você classifica o Direito como "... A ARTE DA EMPULHAÇÃO..."?
Se ainda estudante o curso te transmite essa forma de compreensão, posso dizer que há algo de errado. Enquanto estamos no banco da escola nutrimos a esperança de que tudo há de ser baseado nas regras, nas normas, na Constituição; nutrimos a esperança no "dever ser". E depois, são as leis, as normas e a Constituição (o "dever ser") o objeto de avaliação pelo Exame de Ordem.
O sentimento de que o Direito serve de "empulhação" vem somente com alguns meses de exercício da profissão e o contato com algumas diversas interpretações em decisões e pareceres...
Se na faculdade você está tendo essa impressão (o que é, em vez daquilo que deve ser), algo está errado e o Exame de Ordem será um grande obstáculo...

Ao vasco vasconcelos -analista,escritor e jurista (administr

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Caro, você parte de uma premissa equivocada...
Para ser Jornalista, existe uma área de formação específica: os cursos de Jornalismo.
Para ser Juiz, Delegado, Promotor ou Procurador do Estado exige-se, após regular concurso público, a formação em Direito. Não existe faculdade de Advocacia...
Bom, mas aí você fica diante de uma situação em que o Promotor, o Juiz, o Delegado ou o Procurador de Estado são todos "testados" para exercer seu poder sobre os cidadãos, mas o cidadão contará apenas com um "despachante graduado"?
Não existe faculdade de Advocacia. Então, não existe proibição de acesso a emprego algum, porque o diploma não é diploma de Advogado.

Os problemas da advocacia vão muito além

Leandro Melo (Advogado Autônomo)

O problema do exame de ordem não é a sua existência e sim a forma como são cobradas as questões, assim como os concursos públicos, as perguntas são voltadas sempre ao decoreba de exceções das exceções, não se cobra o básico, que é o principal, tem concurso fazendo pegunta sobre casos únicos no país.
Tem sido cada vez mais comum recém aprovados, com grandes notas, que tem recursos inadmitidos por ofensa a dialeticidade. É bizarro, tosco! Só esta semana peguei dois recursos assim e uma defesa que não impugnava os fatos, olha que só tenho acompanhado uns 30 processos no máximo.
Se você perguntar ao sujeito todas as discussões a respeito do seguinte caso: radialista, com jornada de 10 horas diárias, que começou trabalhando no Zaire, foi para a indonésia, passou cinco anos no Chile, sendo demitido após fraudar a previdência, voltou ao Brasil atuando como office boy, virou transexual, passando a pleitear o intervalo de 15 minutos antes das horas extras, conseguiu engravidar, recebendo salário maternidade, em licença gestante, virou membro da CIPA e sindicalista ao mesmo tempo, sendo demitido sem inquérito para apuração de falta grave em 1 mês, virou advogado e em dois meses foi indicado ao quinto do TST, posteriormente foi ajuizada ação buscando anular a escolha da lista da OAB, discutindo de quem seria a competência, isso, o infeliz responde em cinco segundos.

A privação do emprego é um ataque frontal aos dhs.

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista
OAB deve-se limitar a fiscalizar os seus inscritos e puni-los exemplarmente, fato que não está acontecendo veja o que relatou a reportagem de capa da Revista Veja Edição nº 297 de 26/01/2004 “O crime organizado já tem diploma e anel de doutor. Com livre acesso às prisões, advogados viram braço executivo das maiores quadrilhas do país. O texto faz referência aos advogados que se encantaram com o dinheiro farto e fácil de criminosos e resolveram usar a carteira da OAB para misturar a advocacia com os negócios criminosos de seus clientes.Assegura o art. 5º inciso XIII da Constituição diz: "É livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer. E o que diz a lei sobre qualificações profissionais? A resposta censurada pela imprensa marrom, está no art. 29 § 1º do Código de Ética Disciplina da OAB (Das regras deontológicas fundamentais) "Títulos ou qualificações profissionais são os relativos à profissão de advogado conferidos por universidades ou instituições de ensino superior, reconhecidas.Isso é fato, OAB não tem interesse em melhorar o ensino jurídico. Se tivesse bastaria qualificar os professores inscritos em seus quadros. Recursos financeiros não faltam. São R$ 72,6 milhões, tosquiados e/ou extorquidos por ano, com altas taxas: enquanto taxas do ENEM são apenas R$ 35, taxas do caça-níqueis da OAB, foram aumentadas na calada da noite para R$ 220, (um assalto ao bolso), haja vista que as taxas médias dos concursos de nível superior (NS), giram em torno de R$ 80, taxas do último concurso da OAB/DF, apenas R$ 75,00 FIM DO CAÇA-NÍQUEIS EXAME DA OAB, UMA CHAGA SOCIAL QUE ENVERGONHA O PAÍS.

Direito, a arte da empulhação...

Gerson Caicó (Estudante de Direito)

Como se depreende do texto, a preocupação maior é com o elevado número de advogados no 'mercado', o que configura uma querela tipicamente ELITISTA, pois se a discussão fosse séria, não usariam argumentos contraditórios (o enxame de advogados X o baixo índice de aprovação no exame da OAB). Como podem propor melhorias nas escolas de Direito visando ao crescimento do índice de aprovação no exame da Ordem? Isso tornaria o problema pior, já que iria aumentar, ainda mais, o já inflacionado tal mercado.
Por isso que digo que essa celeuma tem caráter apenas ELITISTA e só. Não há qualquer preocupação com a qualidade do ensino em si, mas apenas com a quantidade (que desejam reduzir drástica e urgentemente).
Sou estudante de Direito há 1 ano, em universidade federal, e ainda não entendi o que pretendem os críticos do "ensino jurídico" quando falam de qualidade e, invariavelmente, ressentem-se do elevado número de advogados e do baixo índice de aprovação no exame da Ordem. Como diria o FHC: "assim, não dá! assim, não dá!"
Por tudo isso, e por todos os contrassensos jurídicos conhecidos (Salário-Mínimo constitucional, AP-470/STF e a não anulação da Emenda 41/2003, o pan-principialismo do Lênio Streck, dentre outros) não vejo outra definição melhor para o Direito: A ARTE DA EMPULHAÇÃO!
Grato e desculpem-me a petulância sertaneja.

Comentar

Comentários encerrados em 13/03/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.