Consultor Jurídico

Notícias

Comparação injusta

Responsabilidade de advogado da União justifica salário maior, diz AGU

Comentários de leitores

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

45 comentários

Coerencia?

HRDS (Administrador)

"Me causa espécie" um advogado da união exigir coerência e me interpretar tão ao pé da letra: realmente! a União que vocês tanto defendem é tão coerente! A Uniao nunca se contradiz (ironia). Independente se a Uniao age conforme ou contrariamente ao sistema harmonico da lei, ali está a AGU para defende-la. Pra um advogado publico como você, só a contradição quando condiz aos seus interesses vendidos (advogado público ou advogado vendido?) - as leis devem ser interpretadas de forma harmônica e coerentes (cabe ao judiciário, poder independente que preza pela justiça e pela harmonia do sistema juridico). E o que cabe aos advogados públicos? Convencimento, aparencias, manipulações. Nao espere coerencia e imparcialidade de um advogado publico, espere "dançar conforme a música" e espere "sair bem na fita". Ainda quer comparar AGU com Judiciário? É como comparar a realidade com photoshop.

rsrsrs

HRDS (Administrador)

e fico contente em saber que proporcionei momentos de risos para um advogado publico em um momento tao critico - fim do mes ($$).

Ao ksnv de riso facil

HRDS (Administrador)

Respondendo as perguntas - parte fraca ou parte forte? em relacao a quem? Soldadinhos ou tem status? bem, nem preciso responder, pois colocou status entre aspas e isso responde a pergunta. Ganhamos muito ou pouco? depende, o que voce considera muito?
Percebo um vicio em querer encontrar contradicoes e exigir coerencia - levando palavras ao pé da letra. Mas tenho uma surpresa - nenhum juiz ira ler os seus argumentos aqui.

Agora a mistura de ideias ficou hilariante

KSNV (Advogado da União)

Olá de novo HRDS,
Você agora me causou risos, muitos risos.
Apesar dos absurdos ditos anteriormente, pelo menos as ideias estavam concatenadas, agora o "discurso" desandou de vez...
Não sei se você é médico ou administrador, ou seria um analista que não se identifica como tal para a fala não ficar, digamos, suspeita?
Acho que nenhum leitor alcançou o seu "nível" profundo de argumentação.
Mas afinal :
A AGU é a parte forte ou a fraca da história?? rs
Somos soldadinhos ou temos "status"?rs
Ganhamos muito ou pouco? rs
Mas nota-se que pelo menos sua "convicções" anteriores não são mais tão sólidas, se bem que a a confusão mental aumentou...
Repito, seja você médico, administrador ou analista, estude a Carta Magna, converse com um constitucionalista, de repente até com um colega analista formado em direito( e lúcido), ele pode abrir sua mente.
Cordialmente.

KSNV

HRDS (Administrador)

não vou conseguir dialogar nesse nivel - estude isso, faça isso e aquilo. Sinto em suas palavras um ar de frustração e soberba. Mero status de carreira nao é criterio pra remuneracao. O critério é a importancia do trabalho. Ambas as carreiras contribuem para sociedade - direta ou indiretamente. E nao me venha falar em responsabilidades. Dentre as carreiras do funcionalismo, o trabalho da AGU me parece o mais frustrante - defender a Uniao (a parte mais forte de qualquer litigio, com sua supremacia e prerrogativas). É serio que sente prazer nisso? Prazeroso deve ser defender a parte fraca, fazer a diferença... Acho que essa nota da AGU é fruto do orgulho ferido da categoria que visivelmente nao quer se "misturar ao povão" e perder status, que é a unica coisa que lhe resta (sim, ganham mal). E me mostre um dispositivo da constituicao que coloque AGU (soldadinhos juridicos da uniao) em pé de igualdade com judiciario ou outro poder independente - faz-me rir comparar agu com judiciario.

Para o médico que se apresenta como administrador

KSNV (Advogado da União)

Olá HRDS,
Meu "ego" não ficou nada abalado....rs
Apenas notei que você parece meio confuso ao "opinar" sobre carreiras jurídicas , concursos, salários, etc.
E pelo visto continua confuso...
A AGU não presta "auxílio Jurídico" aos três Poderes, ela representa a União em juízo e fora dele, e os três Poderes, assim como o TCU, a DPU e o próprio MPU , são órgãos ( no caso Instituições) despersonalizados, ou seja são órgãos da União, por isso a AGU os representa a todos em juízo e, claro, com 100% de autonomia, pois a responsabilidade é dela e tão somente dela , através de seus membros, por essa difícil missão mas muito prazerosa missão.
Estude a Constituição!!!
Abraços,

Para KSNV - 2 parte

HRDS (Administrador)

Resumindo em poucas palavras o que comentei logo abaixo: enquanto analistas do PJU exercem atividade secundaria em um poder autonomo, os Advogados publicos exercem atividades centrais em um orgao secundário. Entao, no final das contas, se equivalem em importancia.
E, só para esclarecer, tenho na familia uma juiza federal, uma procuradora federal e um analista. Sou formado em medicina mas sempre gostei de filosofia, inclusive filosofia do direito. Espero que nao o seu ego de advogado publico nao tenha sido abalado com a minha visao. Abracos.

Para KSNV - perdoe falta de acentos - teclado americano

HRDS (Administrador)

De fato o Ministerio Publico nao pertence a nenhum dos 3 poderes, existe por si só, mas a AGU jamais existiria por si só, pois sua natureza é de apoio e é atrelada sim ao poder executivo (mesmo tendo o papel também de defender interesses dos outros poderes, esta longe de ter a autonomia do ministerio publico, que defende interesses da sociedade em geral). E qual o papel, no geral, da AGU? Prestar auxilio juridico aos 3 poderes. Auxilio juridico é apoio. Processo é meio. Processo é instrumento. Consulta jurídica é apoio. O ministerio publico existe por si só, mas a AGU nao. Sua funcao é de apoio. Sua natureza é de apoio. . Sendo assim, tanto os analistas da PJU (que precisam da formacao em direito ) quanto Advogados publicos, sejam de prefeitura, estadual, federais, todos sao atividades de apoio, para que juizes, presidentes, governadores, ministros possam trabalhar e alcancar seus objetivos finais.

HRDS , se quer ser analsita do TRE estude mais

KSNV (Advogado da União)

HRDS,
Suas "impressões" impressionam pelo desconhecimento.
A AGU não pertence ao Executivo, e nem poderia, pois representa os três poderes em juízo, consequentemente, não é carreira meio de Poder nenhum, e sim uma Função Essencial à Justiça( por favor, Justiça, e não Judiciário, aquela vai muito além deste, as atividades extrajudiciais do MP, da Defensoria e da Advocacia Pública e Privada, são até mais intensas do que as ligadas ao Poder jurisdicional) , apartada dos 3 Poderes e prevista na CF/88 em Capítulo dentro do Título " Da Organização do Poderes", ou seja, mesmo não sendo um Poder, possui a mesma envergadura constitucional destes.
O concurso da AGU possui 4 fases, sendo uma delas uma dificílima prova oral, e como você deve saber, o de analista do TRE se resume a uma prova de múltipla escolha.
Se bem que pela identificação e desconhecimento jurídico, tudo indica que você não é advogado , portanto, só lhe resta mesmo o concurso de analista do TRE, que nem exige o bacharelado em Direto não é ?
Contudo, não é um concurso fácil, a concorrência é enorme, afinal, paga-se muito bem para pouca responsabilidade, você precisa se preparar mais se quiser passar...
Mas dou outra dica, a AGU faz ordinariamente concursos para administrador, os aprovados têm um ótimo nível e nos auxiliam muito no exercício das nossas missões constitucionais, por que você não tenta? O salario ainda é menor do que de um analista do TRE , mas é só uma questão de tempo, essa distorção salarial que privilegia auxiliares do Judiciário em detrimento de outros servidores auxiliares dos outros Poderes e das FEJs vai ser consertada em breve, afinal equívocos existem para serem corrigidos, em especial quando afeta o interesse público e o erário.
Cordialmente.,

AGU também é atividade-meio

HRDS (Administrador)

Assim como analistas do PJU são atividades de apoio do Judiciário, a advocacia pública federal também é atividade-meio do poder Executivo. Hoje um advogado público se aposenta ganhando 16 mil liquidos, e entra ganhando 11.500. Já analista do PJU se aposentam ganhando 12 mil em média, e entram ganhando 7500. Ou seja, a diferença é de 4 mil reais - sendo que ambas são atividade-meio dentro do seu respectivo poder. Se considerarmos que o nível de dificuldade do concurso para AGU e por exemplo Analista do TRE se assemelham, creio que a diferença de 4 mil seja exagero. É claro que Advogados públicos começam em capitais, onde o custo de vida é maior e vivem no máximo uma vida de classe média, enquanto analistas começam no interior, ou seja, qualidade de vida dos últimos é maior. Entre AGU e Analista do TRE, optaria pelo TRE sem dúvidas, mesmo ganhando 4 mil a menos, mas pelo que parece essa diferença vai diminuir. É o mais justo.

Diferença Remuneratória

Otaci Martins (Administrador)

Concordo plenamente que a responsabilidade dos membros da advocacia pública é bem maior que a dos servidores do judiciário, por isso merecem mesmo ganhar mais. Entretanto, isso não justifica tamanha discrepância entre o que recebem os analistas (R$ 7 mil) e os membros de poder (acima de R$ 20 mil). Os analistas são também profissionais de nível superior e que integram as suas respectivas instituições, desempenhando importantíssimo papel para o atingimento da missão institucional. Sem essa de querer distanciá-los da área-fim. Nem o MP, nem o Judiciário e nem a AGU são feitas apenas por seus membros. Essa enorme diferença de remuneração não se sustenta.

Estagiários de Luxo

BrunoBahia (Procurador Federal)

Os estagiários de luxo dos juízes ficaram revoltados. Relaxem, a atividade mais importante do mundo é juntar papel, bater carimbo e ouvir esporro de juízes. Prometo não ignorar mais vocês em audiência.

Analistas já ganham demais

Masterblaster (Advogado da União)

Esses analistas do judiciário já ganham muito mais que as carreiras verdadeiramente análogas do Executivo. Muitos já ganham até mais Advogados da Uniao, já que recebem uma montanha de penduricalhos que eles escondem nessas notas e informações ao público e ao MPOG.
Até os servidores administrativos do Executivo têm muito mais responsabilidade que um analista do judiciário, um analista do Ibama, por exemplo ,assina seus autos de infração.
Esse pessoal de Judiciário tem que cair na real, os outros poderes são tão importantes quanto à Justiça.
Analistas da justiça têm que procurar se comparar com os estagiários dos juízes, pois assim como os estagiários, eles fazem as peças e entregam para os juízes assinarem.
Aliás, pela lógica deles, creio que poderiam entrar na Justiça e pedir equiparação com os juízes ou pagamento retroativo por desvio de função, até pq não são eles que fazem as peças? Provavelmente ganhariam com facilidade essas ações... Rsrsrsrsr

Já leram a Carta Magna?

KSNV (Advogado da União)

A Nota do STF é um espanto, é difícil acreditar que Sua Excelência o Presidente de nossa Corte Maior tenha dito algo tão esdrúxulo( ou teria sido o analista/assessor que escreveu e sua Excelência assinou sem ler? como cidadã contribuinte, sinceramente, prefiro acreditar que foi isso o que aconteceu, até porque seria menos grave do que assinar sem ler um ato judicante feito pelo analista/assessor...).
Senhores, em especial os que escrevem asneiras que somente se adequam às suas mentes confusas, com pérolas do tipo " MP e magistratura são mais importantes que a Advocacia (pública e privada) e Defensoria", temos uma Constituição em vigor, que em seu Título IV, quando trata "da Organização dos Poderes", o qual se subdivide em 4 capítulos. O primeiro trata do Poder Legislativo; o segundo do Poder Executivo; o terceiro do Poder Judiciário e, finalmente, o quarto capítulo trata DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA.
Portanto, foi o constituinte que assim o quis, elencou a Advocacia Pública, que em nível federal corresponde às carreiras de membros da AGU, assim como as outras FEJs, no mesmo Título dos Poderes da República, ou seja, deu a tais Instituições , a mesma envergadura e importância dos 3 Poderes constituídos, simples assim.
E vem o STF dizer que tal carreira se assemelham à carreira de seus auxilares?
Meu Deus... nenhum problema que o STF queira pagar bem aos analistas do PJU ( embora me pareça que já ganham muito bem, na medida em que sequer carreira de Estado são, como o são por exemplo os auditores fiscais da Receita e os Delegados de Polícia Federal, também equivocadamente citados na Nota em baila), mas por favor, da próxima vez, que pelo menso se busque argumentos menos absurdos...

Mais uma coisa

Antônio dos Anjos (Procurador Autárquico)

Gostaria que me explicassem:
Se o MP é tão função essencial à justiça, como a AGU, a Defensoria e a OAB, por que é mais importante que as outras?
Quem disse que a Lei 8112 é estatuto dos servidores do judiciário? Não seria o regime geral? A AGU é regida por lei complementar, cuja atual LC remete a 8112... Será que os senhores capachos e detratores da advocacia sabem a diferença entre lei complementar e ordinária...

Show de asneiras que assola o país

Antônio dos Anjos (Procurador Autárquico)

A Advocacia-Geral da União é uma instituição de Estado, prevista na Constituição (art. 131, CRFB). Seus membros exercem função típica de Estado, nos termos do art. 247 da CRFB.
Os analistas são carreira de apoio, que tem como função atender partes, juntar petições e demais atribuições administrativas.
A jurisdição é indelegável, nos termos do art. 164 do CPC que determina que os atos dos magistrados tem que ser, OBRIGATORIAMENTE, redigidos por eles.
Agora, quem é que faz mesmo os atos e quem se limita a assinar.
Salvo engano, isso não é desvio de função? Em alguns países tal fato é crime de renuncia de competência jurisdicional.
Como sempre, OS CAPACHOS DA MAGISTRATURA que frequentam o Conjur somente sabem hipertrofriar as carreiras de juiz e MP, menosprezando as demais funções essenciais a justiça.
Dentre estas, a advocacia privada, em meu ver, é a mais importante, por ser a única verdadeiramente autônoma.
Outra coisa, se o MP e a magistratura são essa maravilha, como se explica o caos do judiciário, especialmente em matéria penal, cuja titularidade da AP pública é exclusiva do MP? Baixos salários?
E aí, capachos, comentem...

Mais fácil

P. R. (Procurador Federal)

Na verdade, Sr. Gustavo P., para um membro da AGU hoje, é mais fácil passar em concurso do MP ou da Magistratura do que lutar para colocar a advocacia no patamar que lhe é devido. Estamos lutando para reequilibrar o sistema de justiça do país, apenas isso. Queremos que os juristas possam escolher suas profissões por vocação e não apenas por dinheiro, considerando que umas carreiras pagam bem mais que outras para realização de trabalho de complexidade jurídica praticamente idêntica.

Gustavo P (Outros)

Masterblaster (Advogado da União)

A esmagadora maioria dos membros da AGU gosta do que faz , tem vocação para ser advogado público e apenas quer melhores salários e condições de trabalho.
Pela seu linguajar vai ser difícil você entender, mas vou tentar.
Advocacia Pública é Função Essencial à Justiça, visto que os Advogados Públicos defendem em juízo as decisões políticas do Poder Legislativo, bem como defendem e orientam juridicamente as políticas públicas formuladas pelo Poder Executivo. Pq o advogado da sociedade civil (MP) deve ganhar mais que o advogado da sociedade política (Estado)?
Lembro ainda que o art. 6º do EOAB diz que " Não há hierarquia nem subordinação entre advogados, magistrados e membros do Ministério Público."
Na grande maioria dos Estados, os procuradores dos estados já estão equiparados, até Municípios estão pagando melhor seus advogados, apenas queremos o que é nosso por direito e por justiça.
Procure estudar e se educar um pouco mais...

inveja

Gustavo P (Outros)

E, por favor, deixem de invejar MPF e magistratura!
Os respectivos concursos estão sempre ai, dando sopa!
VÃO ESTUDAR E PASSAR!

fanfarrões!

Gustavo P (Outros)

Esse pessoal da AGU é um bando de fanfarrões!

Função essencial à justiça significa só isso: função essencial, que não pode faltar. Só isso, como não podem faltar lixeiros, por exemplo.

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

Comentar

Comentários encerrados em 29/05/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.