Consultor Jurídico

Proteção ao empregado

Câmara de arbitragem é proibida de tentar resolver conflitos trabalhistas

Retornar ao texto

Comentários de leitores

9 comentários

Corporativismo

MPJ (Procurador de Justiça de 2ª. Instância)

Spirits of corps

Nada mais que evitar perda de arrecadação

Rafael Diniz (Advogado Autônomo)

Tolos aqueles que reputam ser a JT órgão protetivo dos trabalhadores! Visa referida "Justiça" a tão-somente arrecadar tributos (o que só é possível quando os reclamantes têm êxito em seus processos - daí 99% dos casos serem julgados em prol dos empregados). É por isso que a arbitragem, que impede tal sanha arrecadatória, é fortemente combatida, sobretudo pelos publicanos do TST.

Execelente

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

O principio é mais forte que a norma.

Decisão a favor da parte mais fraca, o trabalhador, em país onde o capital trabalho que produz bens e serviços paga mais impostos do que o capital financeiro especulativo que só produz desigualdades e miséria.

Quando o bom senso e a razão devem prevalecer!

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Estou completamente de acordo com o eg. Tst. Já tenho me manifestado sobre a arbitragem, quando as partes têm equilíbrio e os direitos são disponíveis. Todavia, nas relações trabalhistas não há este equilíbrio e sempre prevalece, até psicologicamente, no empregado, a superioridade, inclusive financeira, do empregador. O empregado, assim, e bem conheço o assunto por ter militado nesta área desde o quarto ano universitário (solicitador que era), como estagiário, considerado padrão, da procuradoria do trabalho. E, hoje, já se vão 54 anos de advocacia! __ nem no exterior as relações trabalhistas, resolvidas por arbitragem, são equilibradas e já vivi esta experiência, também. Portanto, parabéns ao eg. Tst por refutar este tipo de solução de litígio. Eu diria, pela experiência com a advocacia empresarial exercida tendo o empregado a assistência de um sindicato, que nem assim a solução satisfaz, pela dependência estranha que o lider sindical parece ter em relação à empresa e ao empresário. Poucos são aqueles que se tornam independentes e têm condições de dialogar e negociar com serenidade e equilíbrio. Vamos continuar com a arbitragem para direitos disponíveis, porque nem as relações de família, por enquanto, podem, pela arbitragem, ser resolvidas. Vamos deixar nosso país crescer e amadurecer.

Grande jabuticaba

Prætor (Outros)

Eu considero que a Justiça do trabalho é um entrave importante ao desenvolvimento do Brasil.

o Judiciário Trabalhista tenta impedir meios extrajudiciais

analucia (Bacharel - Família)

o Judiciário Trabalhista tenta impedir meios extrajudiciais. Querem conciliação apenas judicial para manterem o mercado de trabalho dos juizes que recebem altíssimos salários para fazerem acordinhos.

E assim determinou o Cabidão-Clube...

Mig77 (Publicitário)

Srs do TST...procurem um trabalho honesto.
Sempre haverá tempo de se redimir.
Larguem o osso.
Deixem o Brasil fluir.

Contradição

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Que palhaçada a Justiça brasileira! Quando não há interesse do Estado ou do poder econômico, a conciliação "é a melhor solução". Quando o Estado precisa arrecadar, como no caso das contribuições sociais e imposto de renda cobrado por sobre a relação de trabalho, aí a conciliação, arbitragem, etc., "não serve". Só se pensa no Estado e no poder econômico. O trabalhador, os cidadãos e os jurisdicionados são exatamente o mesmo que NADA para todo esse pessoal.

câmara arbitral

Daniel (Outros)

Como a Caixa Econômica Federal faz pagamento de FGTS de rescisões "homologadas " nas câmaras ????

Comentar

Comentários encerrados em 12/05/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.