Consultor Jurídico

Colunas

Consultor tributário

Retomada da credibilidade fiscal passa pelo fim das autuações para punir e arrecadar

Comentários de leitores

3 comentários

Brasil é uma pátria de burros!

Marcos Philippe Cruvinel Goulart (Advogado Autônomo - Tributária)

Esperança aqui já morreu há muito, desde a entrada desse PT (perda total) no poder executivo. Exigir de um partido que tem como espelho Cuba é pedir demais. Pois bem, o texto foi muito claro a respeito da legalidade dos atos e negócios jurídicos geralmente praticados. Mormente relembrando que as estatais fazem o mesmo. Argumentar que o empresário "cava" brechas na lei é proclamar que todo empresário é sonegador. Não existe argumento logico-jurídico a embasar a tal da falta de propósito negocial. Em sendo assim, consoante as recentes descobertas, devemos requerer judicialmente a suspensão da exigibilidade dos Créditos tributários tendo em vista a absoluta ocorrência de propósito corruptivo na arrecadação de impostos. Já que vai ser desviado não podemos pagar. Olho por olho, dente por dente.

Responder

Mais ou menos

George Rumiatto Santos (Procurador Federal)

"Outras autuações puniram contribuintes que constituíram empresas no Brasil para servirem de instrumento para a aquisição. Nesse caso são acoimadas de empresas-veículo, desprovidas de propósito negocial, constituídas unicamente para adquirir as participações societárias e serem extintas por incorporação em um curto espaço de tempo".
-
Esse trecho dá, na verdade, um exemplo de que o problema não se resume à dicotomia Fisco mau x contribuinte bom.
-
Se há excessos nas autuações do Fisco, há também empresários que cavam brechas na legislação para se desobrigarem de seu dever de recolher tributos.
-
Sob o simplório argumento de que o dinheiro público é mal gasto (e é mesmo), procura-se justificar a evasão e a elusão fiscal. Um erro não justifica o outro.

Responder

A órgia diuturna

wilhmann (Advogado Assalariado - Criminal)

É taciturno como involui esta republiqueta brasil, quando se trata de assegurar a participação do contribuinte na polis, seja na área fiscal, saúde, educacional, diante da energia cinética dos rolos compressores dos governantes aumentando diariamente. Precisamos " ir lá fora" para perceber as "burras publicas" aumentando à custa dos homínideos nacionais sem retorno. A culpa é só nossa que aparelhamos instituições fajutas, como CN, PJ, PE., que não se preocupam e lançar o pais nos píncaros do progresso, mas sim atomizá-lo na estreiteza das relações poder publico-contribuinte; este sendo dominado por aquele. Toda essa força politica origina-se da capenga estrutura cultura do pais, onde cada um olha pro seu umbigo, o resto foda-se! Um país que é controlado via de párias que não se importam com a verdadeira cidadania não pode fazer parte do mapa-mundi. Enquanto laços de sangue povoarem órgãos públicos nada acontecerá de bom, já que as leis elaboradas pelas trupes visam atender os interesses daquele que detém o poder. Muitos supõe que é para o bem de todos, mas estar se criando no pais um nova aristocracia, não a elite que pt combate, mas a que ele edifica sofismaticamente com seus psístratos, jagunços da mentira que se escondem sob uma arcada de mentirinha. Só leis não bastam, pois são flexíveis se recaem sobre poderosos, diante da corrupção, aliás disse Montesquieu "
a corrupção aumentará no seio dos corruptores e aumentará entre os que já são corrompidos".

Responder



Comentar

Comentários encerrados em 8/07/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.