Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Jubileu de Prata

STF abre exposição sobre 25 anos do ministro Marco Aurélio na corte

Um valioso acervo que reúne documentos, fotografias, obras de arte, objetos históricos e artigos pessoais compõe a exposição Ministro Marco Aurélio — 25 Anos no STF, que o Supremo Tribunal Federal faz para celebrar o jubileu de prata do ministro na corte.

A mostra será aberta nesta quarta-feira (17/6), às 18h, pelo presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, e poderá ser conferida pelo público até o dia 4 de setembro. A seleção ocupa o Hall dos Bustos, no edifício sede do STF, e a galeria do Espaço Cultural Ministro Menezes Direito.

Na abertura da exposição, serão lançados também um livro-homenagem, editado pelo STF, e um documentário produzido pela TV Justiça, sobre a vida e a atuação jurídica dE Marco Aurélio. Ele tomou posse como ministro do STF em 13 de junho de 1990.

O acervo reúne preciosidades que remontam aos anos 40: as primeiras fotografias do magistrado, o registro de seu batizado, retratos da infância e lembranças como correspondências trocadas com o Papai Noel. A coletânea avança pelo tempo e chega até 2015, reunindo decisões, documentos históricos, obras de arte e objetos institucionais e pessoais que traçam um perfil do homenageado, sua trajetória como magistrado e a influência de suas decisões sobre o país. A exposição está dividida em quatro núcleos:

O homem — Congrega as informações mais curiosas da mostra, pois traz um acervo pessoal exposto pela primeira vez. Além de fotos e documentos, reunirá objetos como o anel de formatura, a coleção de canetas que herdou do pai, Plínio de Mello, a coleção de motos em miniatura, objetos ligados ao Flamengo (time de seu coração), livros de cabeceira, entre outras peças. Reúne esculturas e bustos de vultos históricos, admirados pelo ministro Marco Aurélio, e materiais que remontam a hábitos da vida cotidiana do magistrado.

O magistrado — Esse núcleo é dedicado à trajetória profissional do ministro Marco Aurélio, que começa como magistrado do Tribunal Superior do Trabalho, antes de ser empossado no STF em 1990. Além de condecorações, decisões, notícias de destaque sobre o ministro, capas de revistas, haverá uma amostra de togas, seleção de caricaturas e informações históricas, entre elas a criação da TV Justiça, idealizada por ele.

Justiça Eleitoral — O ministro Marco Aurélio é o único brasileiro a ter presidido por três vezes o Tribunal Superior Eleitoral. Por isso, um dos núcleos da exposição será dedicado à Justiça Eleitoral e à atuação do magistrado naquela corte. Além da urna eletrônica, usada pela primeira vez quando ele presidiu as eleições em 1996, haverá fotos de posses presidenciais, o título de eleitor do ministro, as campanhas de cidadania que ele promoveu e uma curiosidade: uma camisa da campanha #vempraurna, de 2014, dedicada a Marco Aurélio pelo cantor baiano Bell Marques, que foi uma das personalidades a ceder, no ano passado, sua imagem gratuitamente, a convite do ministro, para conclamar os brasileiros a votarem nas eleições ocorridas em outubro.

Linha do tempo — Montada na Galeria do Espaço Cultural Ministro Menezes Direito, traz um apanhado de imagens e objetos vinculados aos fatos mais relevantes da trajetória do ministro, desde 12 de julho de 1946, quando ele nasceu, até os dias de hoje. Além dessas informações, há frases em destaque que marcam o pensamento e a atuação do magistrado. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Revista Consultor Jurídico, 17 de junho de 2015, 13h14

Comentários de leitores

5 comentários

É o mais lento da corte.

Vladimir de Amorim silveira (Advogado Autônomo - Criminal)

É o melhor ministro da corte, mas também é o mais lento da corte, pois demora quase um ano para decidir uma simples liminar em habeas corpus.

Um ministro icônico

Eduardo Elias (Advogado Associado a Escritório - Criminal)

Lamento posicionamentos sem qualquer tipo de reflexão, que impede reconhecer neste homem, de inegável saber jurídico, como um Ministro que "ouve" os advogados; lê as peças e reflete a respeito das teses. O Ministro MARCO AURÉLIO, enfim, respeita o advogado e honra a advocacia. Por diversas vezes, em sustentação oral, pude, sempre, denotar o olhar do Ministro para a figura do advogado e a atenção aos objetivos científicos do causídico. O jaez de seus posicionamentos, sua postura respeitosa e solene atendem exatamente tudo aquilo que o advogado espera de um ministro da mais alta Corte. Emblemático e erudito, ainda que não se nutra simpatia por homenagens, é virtude do advogado respeitar a liturgia do cargo e agradecer quando um ministro tem essa receptividade para com os advogados. Como brasileiro me sinto honrado com a figura ímpar do Ministro MARCO AURÉLIO. Como advogado sinto-me gratificado por ser, indiscutivelmente, ouvido quando tento, desesperadamente, enviar uma mensagem ao julgador que vai além de sua própria e zelosa assessoria. Obrigado, Ministro.

O falso quixote

Al Azar (Outros - Civil)

Livro sobre o Ministro: "o papel do voto vencido na formação de jurisprudência"

Agora falemos sério. Marco Aurélio está longe de poder ser aureolado como esse Quixote solitário. Seus votos na verdade envergonham a toga há muito.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/06/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.