Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novas orientações

STJ publica nove súmulas e o cancelamento da Súmula 470

Por 

Foram publicadas no Diário da Justiça Eletrônico do Superior Tribunal de Justiça desta segunda-feira (15/6) nove súmulas aprovadas no dia 10 de junho, sendo cinco na área de Direito Privado e quatro na área penal.

Elas são o resumo de entendimentos consolidados nos julgamentos do tribunal e, embora não tenham efeito vinculante, servem de orientação a toda a comunidade jurídica sobre a jurisprudência firmada pelo STJ.

Também foi proclamado o cancelamento da Súmula 470, após o julgamento do REsp 858.056 na sessão do dia 27 de maio. O texto estabelecia que o Ministério Público não tinha legitimidade para ajuizar ação coletiva em defesa de direitos individuais homogêneos no caso do seguro obrigatório, o DPVAT.

Os ministros da 2ª Seção do STJ decidiram cancelar a súmula após o Supremo Tribunal Federal julgar que o Ministério Público detém legitimidade para ajuizar ação coletiva em defesa dos direitos individuais homogêneos dos beneficiários do seguro DPVAT, dado o
interesse social qualificado presente na tutela dos referidos
direitos subjetivos.

Veja as súmulas publicadas: 

Súmula 533
“Para o reconhecimento da prática de falta disciplinar no âmbito da execução penal, é imprescindível a instauração de procedimento administrativo pelo diretor do estabelecimento prisional, assegurado o direito de defesa, a ser realizado por advogado constituído ou defensor público nomeado” (REsp 1.378.557).
Súmula 534
“A prática de falta grave interrompe a contagem do prazo para a progressão de regime de cumprimento de pena, o qual se reinicia a partir do cometimento dessa infração” (REsp 1.364.192).
Súmula 535
“A prática de falta grave não interrompe o prazo para fim de comutação de pena ou indulto” (REsp 1.364.192).
Súmula 536
“A suspensão condicional do processo e a transação penal não se aplicam na hipótese de delitos sujeitos ao rito da Lei Maria da Penha” (HC 173.426).
Súmula 537
“Em ação de reparação de danos, a seguradora denunciada, se aceitar a denunciação ou contestar o pedido do autor, pode ser condenada, direta e solidariamente junto com o segurado, ao pagamento da indenização devida à vítima, nos limites contratados na apólice” (REsp 925.130).
Súmula 538
“As administradoras de consórcio têm liberdade para estabelecer a respectiva taxa de administração, ainda que fixada em percentual superior a dez por cento” (REsp 1.114.604 e REsp 1.114.606).
Súmula 539
“É permitida a capitalização de juros com periodicidade inferior à anual em contratos celebrados com instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional a partir de 31/3/2000 (MP 1.963-17/00, reeditada como MP 2.170-36/01), desde que expressamente pactuada” (REsp 1.112.879, REsp 1.112.880 e REsp 973.827).
Súmula 540
“Na ação de cobrança do seguro DPVAT, constitui faculdade do autor escolher entre os foros do seu domicílio, do local do acidente ou ainda do domicílio do réu” (REsp 1.357.813).
Súmula 541
“A previsão no contrato bancário de taxa de juros anual superior ao duodécuplo da mensal é suficiente para permitir a cobrança da taxa efetiva anual contratada” (REsp 973.827 e REsp 1.251.331).

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 15 de junho de 2015, 12h36

Comentários de leitores

13 comentários

Súmula 539 do STJ e a Súmula 121 do STF

Eduardo Terovydes Junior - Perito Contábil (Contabilista)

Como Perito Contábil Judicial há 24 anos no TJSP, algum advogado poderia me explicar qual das Súmulas (539 do STJ e 121 do STF), deve ser obedecida pelos Tribunais inferiores ou isto está no Poder discricionário dos Juízes?

Duodécuplo da Taxa?!!!

Mauro S. Rodrigues (Advogado Autônomo - Empresarial)

(continuação 4)
A pessoa comum do povo, leigo por excelência em matemática financeira, jamais conseguirá entender o real significado do anatocismo; segundo, trata-se de cobrança minimamente imoral, pois se exige juros dos juros que pago em cada prestação. Quanto maior o período (prestações), maior a espoliação econômica, maior o rombo para os dependentes do crédito.
(a) Mauro Sérgio Rodrigues
Advogado, Pós-graduado em Direito Empresarial, autor do livro Processo Civil do Consumidor Bancário (Millennium Editora, 2011)

Duodécuplo da Taxa?!!!

Mauro S. Rodrigues (Advogado Autônomo - Empresarial)

(continuação 3) "Destacamos que os valores de $300,00 acima da linha diagonal tracejada representam os juros calculados em regime de juros simples, ou seja, o valor do capital multiplicado pela taxa de juros. Enquanto, os abaixo da linha tracejada, representam os valores dos juros produzidos sobre os juros de cada uma das parcelas de juros:
Figura 2: Tomografia dos cálculos de juros capitalizados
(infelizmente o quadro em forma de imagem não pôde ser colado)
Observe que no primeiro período há somente $ 300,00 de juros; já no segundo período há $ 300,00 de juros (calculado sobre o capital) e há ainda $ 9,00 (calculado sobre os juros do primeiro período). Quando analisamos o terceiro período identificamos novamente a parcela de $ 300,00 (juros calculado sobre o capital), dois valores de $ 9,00 (um correspondente aos juros dos juros do primeiro período e outro correspondente aos juros do segundo período) e uma parcela de $ 0,27 correspondente aos juros dos juros ($ 9,00) determinados no segundo período.
Basta proceder de forma análoga que você irá identificar os juros dos juros dos juros dos juros no quarto período no valor de $ 0,0081. Talvez você até ache que o valor de $ 0,0081 acaba não impactando nos cálculos, mas o processo de cálculo efetuado através da equação de juros capitalizados (equação 7) considerada todos os valores, mesmo que insignificantes. Isso quer dizer que o sistema de juros compostos além de calcular juros sobre juros não deixa escapar nenhuma quirela, nenhuma parte, quer seja ela, décimos, centésimos, milésimos, ou qualquer outra fração de centavos."
Este trabalho do Profº Rovina nos permite extrair duas conclusões." (continua 4)

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/06/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.