Consultor Jurídico

Notícias

Conforto do lar

Justiça de Santa Catarina decide implantar home office​

Comentários de leitores

11 comentários

problemas de nomenklatura

paulão (Advogado Autônomo)

É preciso regulamentar melhor o assunto, pois os conceitos de trabalho, terceirização (como fazem os oficiais de justiça, que tem seus auxiliares levando bilhetinhos às partes para que vão ao forum e lá sejam citadas ou intimadas, por exemplo), principalmente o de produtividade (o que de fato essa gente que puseram no caminho de quem verdadeiramente trabalha e produz traz de útil ao planeta?). Caminho aberto para a velhacaria...
(mais uma)

Praticidade e Economia

Thiago Souza (Advogado Associado a Escritório - Civil)

É muito arcaico o entendimento de que o trabalhador precisa estar presente, literalmente sob os olhos do chefe para trabalhar. Existem pessoas que têm responsabilidade o suficiente para exercer o seu mister seja em casa, seja na rua, seja no escritório ou em qualquer outro lugar.
O pensamento de que em casa o trabalhador não produz, de fato é antiquado e se aplica a indivíduos que têm de estar de corpo presente em seu respectivo local de trabalho, são pessoas que pensam que "ah, se fosse comigo eu iria acordar meio dia, iria fazer minhas coisas, iria enrolar mais um tantinho e aí trabalharia umas 2 horinhas". Pessoas que pensam assim, realmente não servem para desempenhar esse tipo de teletrabalho. Porém, outras pessoas, mais compromissadas talvez, funcionem melhor em casa, seja por motivos econômicos como dito em diversos comentários, seja por motivos de saúde e tempo. O funcionário, quando quer enrolar, ele o faz, tanto no trabalho quanto em casa. Porém, como o foco é produtividade, se o indivíduo não estiver produzindo em casa, faça com que o mesmo perca esse "benefício" e volte ao modelo padrão (na esfera pública), e na esfera privada, nem é preciso dizer qual seria o desfecho do funcionário improdutivo. Moro em Curitiba, só de tempo ganharia cerca de 2hs por dia e economizaria cerca de R$350,00 de combustível por mês, portanto, neste sentido não há como falar que não é vantajoso para o trabalhador o emprego desse tal de "home office".

O componente econômico grita.

Radar (Bacharel)

O local de trabalho é também espaço de socialização, já tão virtual e frívola. O contraponto é que muitos se sentem oprimidos no local de trabalho. Quando se fala, por exemplo, em ensinar os filhos em casa, chovem críticas dos 'educadores', muitos ciosos em manter sua clientela, e sob o argumento de que impede a socialização. É como se as crianças tivessem direito adquirido a sofrer bullying na escola. Mas só que, quando o assunto é o mercado de trabalho, prevalece o aspecto econômico. Necessidade de menos estrutura para o empregador. Menos gastos de locomoção para os empregados. Nessa perspectiva, a socialização que se exploda. Se há alguma preocupação relevante, é com a falta de transparência. O servidor pode ir para a praia na sexta. Ainda que o volume de trabalho esteja em dia, isso pode gerar em muitos um certo incômodo e alguma dor de cotovelo.

Vai ficar fácil terceirizar

Vladimir de Amorim silveira (Advogado Autônomo - Criminal)

Quem vai fiscalizar a terceirização nesse caso porque pode muito bem o servidor terceirizar o seu serviço, sim ou não?

Mundo virtual

Le Roy Soleil (Outros)

Já vivemos em uma sociedade virtual. O processo eletrônico é realidade e os autos físicos estão com os dias contados. Em extinção. No crime juízes já fazem interrogatório do réu por teleconferência. Uns dois meses atrás, participei de uma audiência na Justiça Federal de SC, cujo ato era para inquirição de uma testemunha por carta precatória. A testemunha compareceu no juízo deprecado, e ficou apenas ela defronte ao equipamento (microfone e câmera), e o juiz do juízo deprecante é que a interrogou. Tanto no deprecante como no deprecado, havia "telão", onde lá a testemunha podia ver e ouvir o juiz e os advogados, e aqui nós podíamos ver e ouvir a testemunha. Em um futuro próximo, tudo, absolutamente tudo, será virtual. E isso é ótimo, pois o tempo que todos os operadores do direito perdem em locomoção, trânsito, etc, podem ocupar produzindo de suas casas. E mais, deslocamentos não só em grandes centros, mas em cidades pequenas também, gera estresse, ansiedade e problemas de toda ordem. Servidores mais saudáveis e felizes produzem mais, e melhor !

Economia E produtividade

Luciano Godoi (Outros)

o teletrabalho, Home Office ou equivalentes, traz economia e produtividade à máquina estatal...
Os críticos talvez desconheçam a rotina dos órgãos públicos...

modismos que beneficiam servidores públicos.

analucia (Bacharel - Família)

Ora, então mostrem os nomes dos servidores e as varas que trabalham para comprovarmos se trabalham mais mesmo. Ou seja, é tudo manipulado, dizem sem dado algum.

modismos que beneficiam servidores públicos.

O Judiciário que já é conhecido por ser lentíssimo, agora é que não funcionará mesmo... existe muita gente que não trabalha e agora nem precisa ir mais ao trabalho. E depóis vão alegar que falta pessoal e verba, como sempre, enquanto fingem que trabalham à distância.

Excelente iniciativa

LeandroRoth (Oficial de Justiça)

Antes que alguém me acuse de parcialidade, essa novidade não me beneficiará em nada, já que como OJA não tenho como trabalhar à distância.
.
Quem critica não leu direito a reportagem. A produtividade dos servidores em home office tem que ser de 15 a 20% MAIOR do que a dos servidores tradicionais.
.
O que importa é que o trabalho seja feito. Que diferença faz, para o contribuinte e jurisdicionado, se é feito de casa ou do Fórum? O que interessa ao contribuinte é que a máquina funcione, que seu processo ande.
.
Em vez de gastar horas no trânsito o servidor pode trabalhar na paz de sua casa, onde certamente renderá mais.
.
Ganha o jurisdicionado, porque o servidor em home office tem que atingir metas mais ambiciosas (repito, 15 a 20% a mais de produtividade), ganha o meio ambiente, pois é um carro a menos poluindo as ruas (ou um passageiro a menos lotando metrôs e ônibus), ganha a economia (pois o dinheiro que o servidor ia gastar em gasolina ele vai gastar em outra coisa, aquecendo outros setores do mercado).
.
Não entendo quem acha que trabalhar é ser torturado. Pra algumas pessoas "trabalho" tem ainda a conotação antiga, de tortura: o sujeito TEM que acordar cedo, TEM que ficar enfiado horas no trânsito, TEM que conviver com colegas debochados e chefes opressores... A tecnologia mudou tudo isso. Trabalhar em casa também é trabalho. E rende muito mais.
.
Tomara que a moda pegue. Se pegar, no futuro os processos andarão mais rápido, o trânsito será menos infernal, o meio ambiente mais limpo e os trabalhadores menos estressados. Só precisamos vencer o preconceito bobo contra a tecnologia.

Sem medo do futuro

Prætor (Outros)

Com a consolidação do processo eletrônico, a implantação do "home office" é inexorável, pois o funcionário continuará responsável por seu trabalho (e normalmente fixando-se uma carga maior de trabalho), sem o dispêndio de tempo para se deslocar ao fórum. Em lugares como Sã Paulo isto pode significar HORAS de ganho com o deslocamento. Não se deve ter medo do futuro. Os processos eletrônicos deram maior agilidade ao trâmite processual e quem nega isto ou não sabe de nada ou está imbuído da mais abjeta má-fé.

P Ana Lucia

Agora sei direito (Arquiteto)

Inveja é pouca em minha filha. Olha , talvez se você sair deste ambiente virtual e for estudar, talvez , talvez você quem sabe seja aprovada em algum concurso público de ensino medio. Olha, mas precisa estudar . bjs me liga. Patético todos os seus comentários neste espaço.

modismos que beneficiam servidores públicos

analucia (Bacharel - Família)

modismos que beneficiam servidores públicos.

O Judiciário que já é conhecido por ser lentíssimo, agora é que não funcionará mesmo... existe muita gente que não trabalha e agora nem precisa ir mais ao trabalho.

Comentar

Comentários encerrados em 22/06/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.