Consultor Jurídico

Catarse coletiva

"Temor de enfrentar opinião pública não pode ser maior que obediência a leis"

Retornar ao texto

Comentários de leitores

24 comentários

Covardia institucional

olhovivo (Outros)

O Min. Gilmar Mendes é um dos poucos a ter a coragem de expor a realidade do Judiciário brasileiro: são raros os magistrados cujo sentimento de poder/dever de aplicar a lei é maior que a covardia de contrariar o espetáculo persecutório-midiático estimulado por policiais e procuradores.

o Stf não é maior

afixa (Administrador)

que a lei... portanto, de pouca relevância as opiniões que, oxalá, são temporárias.

Que bom!

Helio Telho (Procurador da República de 1ª. Instância)

Que bom que o STF está acordando e percebendo que monstro criou ao estimular o uso infinito dos recursos e inviabilizar a efetividade da ação penal.
Podemos ter esperanças de que essa jabuticaba venha a ser definitivamente erradicada.

Abusos continuam, sr. Ministro!

mfontam (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

Atualmente, promotores e juízes de 1a. instância torcem para que alguma ação envolvendo alguma personalidade lhe seja distribuída, pois de um dia para o outro se transformam em personalidadem midiáticam. Aliás, há vários casos de promotores e juízes de 1ª instância que se tornaram nacionalmente conhecidos porque processam e julgam figurões do Poder Público. Aliás, o próprio entrevistado, ministro do STF, foi por duas vezes acionado em 1a. instância e nada lhe garante que não seja novamente acionado futuramente, pois atualmente nem o STF está conseguindo impor limites aos eventuais abusos cometidos pela 1a. instância contra outras autoridades. Por exemplo, tudo indica que em breve o próprio Presidente da Câmara deverá ser acionado em primeira instância, sem deixar de mencionar que o próprio Presidente da Câmara pediu respeito às suas prerrogativas e nada foi feito até agora! Ou seja, não estão respeitando nem as prerrogativas dos parlamentares e nem da do Presidente da Câmara! Imaginem em relação aos demais brasileiros! Além disso, é fácil contornar essas prerrogativas, pois é suficiente ajuizar uma ação de improbidade administrativa que tem quase o mesmo efeito que uma condenação criminal e liquida com a carreira política de um parlamentar ou outra autoridade. Realmente, se o STF não impor limites à 1a. instância, mais cabeças vão rolar, pois a tentação para sair nos jornais como um herói nacional é grande. Por isso, Sr. Ministro, deveria o STF impor interpretação para impedir que eventuais linchamentos morais ocorram e de fato garantir as prerrogativas das autoridades públicas, muitas vezes incompreendidas e fáceis vítimas de sensacionalismos jornalísticos e demagogias incompatíveis com a justiça.

Comentar

Comentários encerrados em 8/08/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.