Consultor Jurídico

Notícias

Reforma política

Para maioria da população, financiamento privado estimula corrupção

Comentários de leitores

4 comentários

Nem um, nem outro, apenas o "povo" Plebiscito

Weslei Estudante (Estagiário - Criminal)

Neste caso poderia fazer um plebiscito, com 3(três) opções, pois diferentemente da posição majoritária do congresso na caso da maioridade, que foi cogitado o referendo para validar a vontade democrática. Neste caso o congresso esta indo contra o "povo" ( minha opinião). Pelo menos, assim acredito, mas:
Nem um, nem outro, nem eu, nem você, apenas a maioria:

Plebiscito:

- Financiamento exclusivamente público.
- Proibição de financiamento por empresas, porém permitido por pessoas físicas e público (como ocorre hoje).
- Proposta atual pré-aprovada na Câmara.

Entidade esfacelada

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O fato da OAB ficar fazendo politicagem barata para o autointitulado "Partido dos Trabalhadores" é lamentável. A Entidade deveria ter usado os recursos que gastou (que são na verdade recursos de nós advogados) para pesquisar qual a opinião dos advogados brasileiros sobre a reforma política. Como o grupo que domina a OAB são IMPOSTORES, que não foram eleitos pelos advogados brasileiros, eles pouco se importam com o que pensa a classe. Para eles é profissional e economicamente mais favorável apoiar o PT, e assim o fazem.

Sou brasileiro, advogado, e a favor do financiamento PRIVADO

Gabriel B.D. Falcão (Advogado Sócio de Escritório - Comercial)

Se o financiamento é somente público, o dinheiro gasto é público, e toda a população paga. Eu não quero pagar propaganda do PSOL, por exemplo, mas pago através de impostos. O financiamento público é extremamente violador da liberdade.

Povo desludido, democracia fragilizada

Flávio Souza (Outros)

Doutor, o povo não é ouvido pelo Congresso Nacional, aliás um parlamentar com 15 mil votos ou até menos chega ao Parlamento e pode propor projetos de lei, inclusive trilhar por caminhos tortuosos como temos visto, e muitas das vezes são cassados e presos, mas a prisão dura pouco, ou seja, a Justiça solta. Os malefícios que essa gente deixa para o país e sua população é ruim. Enquanto isso, para a população que é cerne da democracia é colocado dificuldade quanto a apresentação de um projeto de lei. Sobre percentuais, lembremos que o Estatuto do Desarmamento tb tem o apoio da população para derrubá-lo na integra, mas infelizmente nada acontece. A maioridade penal tem o apoio maciço da população para derrubá-lo, mas o que vimos na semana passada foi um tapa na cara do POVO. A reforma política é ignorada, haja vista que as mudanças realizadas não farão mudar o quadro visto, pois não sepultaram a figura de suplente de senador para as próximas eleições, ao contrário, derrubaram a reeleição para cargos no Poder Executivo (federal, municipal e estadual) e no caso do Legislativo também não é necessário acabar com a reeleição ? claro que sim, afinal mandato não é emprego. Hoje temos parlamentares no âmbito federal com 3, 5, 7 e até mais mandatos consecutivos. O parlamento precisa de outras vozes e ideais, pois democracia é pluralidade de ideias, renovação, mudança etc. O povo tem que exigir mudanças imediatas na legislação eleitoral, e a aprovação dessa lei será por referendo e/ou plebiscito e a mudança somente pela mesma via, caso contrário em menos de seis meses vira uma colcha de retalhos. As mudanças na previdencia social, na CLT, no PIS, etc em regra só atinge os pequenos. O Brasil tem jeito, basta o povo querer. Abs

Comentar

Comentários encerrados em 14/07/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.