Consultor Jurídico

Direito na Europa

Por Aline Pinheiro

Pátria do Direito

Primeiro-ministro italiano diz ser ridículo juiz reclamar de corte das férias

Antes de ser a pátria das férias, a Itália é a pátria do Direito e merece um sistema melhor. As palavras fazem parte de um desabafo publicado pelo primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, em sua página no Facebook. Renzi se disse descontente com o fato de alguns juízes terem aproveitado da cerimônia de abertura do ano judiciário, na semana passada, para reclamar do corte no número de dias de descanso.

A partir deste ano, os juízes não terão mais 45 dias de férias no meio do ano, verão europeu. O descanso foi reduzido a 30 dias e, como esperado, não agradou à magistratura. Para Renzi (foto), as reclamações são ridículas. “Acho ridículo — e digo isso sem meias palavras — que você tenha um mês e meio de férias e, quando te pedem para renunciar a alguns dias, a reação seja: ‘o premier quer matar a gente de trabalhar’”, escreveu no Facebook.

A Associação Nacional dos Magistrados respondeu a Renzi pela própria rede social. Para a entidade, o problema crônico do Judiciário italiano não são os juízes, mas sim as promessas de reforma que até hoje não foram cumpridas, como a despenalização da evasão fiscal até 3% e o uso de instrumentos previstos para combater à máfia também no combate à corrupção. A associação ainda convocou Renzi a buscar a aprovação do projeto que prevê redução da pena para o corrupto que decide colaborar com a Justiça e a suspensão da prescrição depois da sentença de primeiro grau.

A redução das férias dos juízes foi anunciada em setembro do ano passado pelo governo, que culpou o fechamento dos tribunais de 1 de agosto até 15 de setembro pela lentidão judicial. O corte no descanso da Magistratura ganhou até um toque publicitário, com o slogan: “Menos férias aos magistrados: Justiça mais veloz”.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 26 de janeiro de 2015, 15h28

Comentários de leitores

3 comentários

Um só pontinho

Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Não conheço suficientemente as normas que regem a Magistratura na Itália. A notícia só relata essa da diminuição do recesso (que corresponde a férias para os Magistrados). Não diz, por exemplo, se, além das férias coletivas, os Magistrados têm direito a férias individuais noutra parte do ano.
Não sei se, lá, há limite diário máximo de trabalho para os Magistrados, o qual, se ultrapassado, gera o pagamento por horas-extras, nem como funciona o plantão.
Certo é que, no Brasil, não importa quantas horas o Magistrado trabalhe além de 8h/dia e 44h/semana (seja por atividades que se prolongam, seja por plantões), ele não ganhará um só centavo por esse trabalho a mais. Daí é que, aqui, há uma compensação de um segundo período de 30 dias de férias.
Isso vale para os Membros do Ministério Público também.

Responder

aqui no Brasil são 60 dias de férias, mais recesso e férias

daniel (Outros - Administrativa)

aqui no Brasil são 60 dias de férias, mais recesso de 20 dias e férias prêmio de três meses a cada cinco anos.

Uma farra total....

Responder

Estão no céu, e nem sabem

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Se eles soubessem que na terra da bananeira juiz tem 60 dias de férias, e nem há controle de ponto no resto do ano....

Responder

Comentários encerrados em 03/02/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.