Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Raio-x da corte

Profissionais do Direito celebram lançamento do Anuário da Justiça SP 2015

Na noite desta terça-feira (24/2) aconteceu o lançamento da sétima edição do Anuário da Justiça São Paulo. A publicação que faz uma radiografia do maior tribunal do país foi apresentada a cerca de 400 convidados em uma solenidade no Salão dos Passos Perdidos, no Tribunal de Justiça, na capital. Estiveram presentes José Renato Nalini, presidente do TJ-SP, Eros Piceli, vice-presidente do TJ-SP, Hamilton Elliot Akel, corregedor-geral da Justiça, César Asfor Rocha, ex-ministro do STJ, Fábio Prieto, presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, dentre diversas representantes do meio jurídico, do governo e da imprensa.

 

 

 

Leia abaixo os depoimentos sobre o Anuário da Justiça 2015:

“Publicação extremamente relevante, que serve de termômetro do que acontece no meio jurídico. Influencia também no setor empresarial, sendo possível dar um panorama geral aos escritórios de advocacia”
Vinicius Cosso, advogado do Cosso Advogados

“Sempre usado para consulta, para conhecer o entendimento do juiz e do tribunal. Muito importante para quem milita nos tribunais superiores”
Maurício Carvalho, advogado do Bradesco

“O anuário é bastante relevante para quem necessita fazer consultas e despachos, além informar como um determinado jurista despacha”
Araken Oliveira da Silva, procurador federal

“É de grande valia, já que constam os perfis de todas as câmaras e o posicionamento dos juízes”
Antonio Fulco Junior, advogado

“Acompanho o anuário desde a primeira edição, já se tornou uma tradição para os advogados. É uma ferramenta de trabalho devido à possibilidade de conhecer os juízes, aos dados que traz – incluindo endereços e telefones dos gabinetes –, por abordar os principais casos julgados e a forma como os juízes atendem os advogados para que nos preparemos”
Francisco de Paula Bernardes Júnior, advogado criminalista

“É um instrumento facilitador dos advogados, contribuindo no dia a dia por aproximá-los do judiciário. Tem grande caráter informativo, além de ser importante para o acesso da população aos desembargadores”
Fernando Awensztern Pavlovsky, juiz

“Há alguns anos acompanho o anuário, publicação útil no dia a dia não apenas dos advogados, mas também dos magistrados, uma vez que já foi consolidado no universo jurídico.Traz informações precisas, incluindo a produtividade, as competências e a estrutura do tribunal, que muitas vezes os advogados ou até mesmo os juízes de primeiro grau desconhecem”
Afonso de Barros Faro Junior, juiz assessor

“O anuário segue uma dinâmica diferente de outras publicações de consulta, como os livros, e se mantém sempre atual”
Felipe Barreto Veiga, advogado

“O anuário é uma ferramenta de trabalho muito importante para todos os profissionais de Direito e mais do que isso, é um instrumento de cidadania porque traz transparência ao funcionamento do judiciário”
Leonardo Sica, presidente da Associação dos Advogados de São Paulo

“É um instrumento extremamente democrático e útil para que a sociedade e, principalmente, os advogados conhecem o perfil dos julgadores, porque já passou a época em que os desembargadores ficavam encastelados e não terem sua forma de julgar conhecida. Através do perfil traçado, pelo anuário, de cada julgador, é possível ter uma ideia da forma como ele pensa e atua como operador do direito”
Otávio de Almeida Toledo, desembargador do TJ-SP

“O TJ-SP é o maior e mais importante do mundo e é muito importante contar as histórias de dentro dele. O ConJur faz isso com muita competência. É o site com maior repercussão na área e foi um casamento feliz entre o TJ-SP e esta instituição”
Fábio Prieto, presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região

“Conheço o Anuário da Justiça desde as primeiras edições e é uma iniciativa que a cada ano vem melhorando por uma razão muito simples. Há um empenho grande do Consultor Jurídico em aperfeiçoar esta publicação. O Conjur é uma instituição que se consolidou no cenário jurídico brasileiro e todos acompanham: advogados, juízes, promotores, procuradores... É de consulta obrigatória, uma referência. Seu trabalho possibilita algo que considero muito importante, que é o intercâmbio de informações entre jornalista e profissional do direito”
Décio Notarangeli, desembargador na seção de direito público do TJ-SP

“Tenho o privilégio de presenciar estes eventos já há alguns anos e o anuário simplesmente representa uma fotografia muito fidedigna de cada poder, de cada judiciário. É uma ferramenta extremamente útil para todos os operadores do direito, advogados, próprios juízes, magistrados e diria mais para os jurisdicionados, que por meio do anuário, conseguem ver o rosto, a expressão, a linha de pensamento de cada magistrado que vai julgar seu processo”
Marcelo Knopfelmacher, presidente do Movimento de Defesa da Advocacia (MDA)

“Conheço o anuário do tribunal de justiça de São Paulo, que estou lendo, e é interessante porque se conhece um pouco mais do perfil dos juízes e desembargadores, do número de processos, tem informações muito importantes”
Fábio Ramacciotti, diretor da Ramacciotti e Paula Eduardo Sociedade de Advogados

"O lançamento do Anuário da Justiça de São Paulo é uma extraordinária contribuição da revista eletrônica Consultor Jurídico para os profissionais de todas as carreiras jurídicas que bem retrata a dimensão do Tribunal de Justiça."
José Horácio Halfeld Rezende Ribeiro, Presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo

“O Anuário da Justiça é uma iniciativa fantástica. Antes de ele existir, nós advogados não conhecíamos os desembargadores. Agora, antes de fazer uma sustentação oral no TJ-SP, eu estudo os desembargadores, suas linhas de pensamento e suas decisões, para ir melhor preparado”
Aparecido Inácio, sócio do Aparecido Inácio e Pereira Advogados Associados

“O Anuário da Justiça é importantíssimo para se conhecer o Judiciário. E não apenas para profissionais do Direito, mas para a população em geral. É o verdadeiro cumprimento do princípio da transparência”
Marcelo Nobre, advogado e ex-conselheiro do CNJ

“Quando não existia o Anuário da Justiça, os tribunais viviam encastelados. E isso agora mudou. Estava faltando uma iniciativa assim”
Maurício Canto, advogado do PSOL

“O Anuário da Justiça serve como fonte de pesquisa para os advogados. Se eu ainda fosse advogado, o usaria para conhecer a mente dos desembargadores”
Luiz Edmundo Marrey Uint, desembargador do TJ-SP

“O Anuário da Justiça é o manual do dia a dia dos advogados, e suas informações sobre o TJ-SP e seus desembargadores favorecem a sociedade como um todo”
Cibele Toldo, sócia do Leite, Tosto e Barros Advogados

“O Anuário da Justiça é muito útil para a comunidade jurídica. Para os desembargadores, porque divulga suas decisões e linhas de pensamento. Para os advogados, porque informa sobre o perfil dos julgadores”
Paulo Lucon, advogado e professor da Faculdade de Direito da USP

“O Anuário da Justiça pauta o debate jurídico no Brasil”
Livio Enescu, presidente da Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo

Revista Consultor Jurídico, 25 de fevereiro de 2015, 10h53

Comentários de leitores

1 comentário

No limiar

Palpiteiro da web (Investigador)

No limiar dos estudos da materia denominada Introducao ao Estudo do Direito (IED) o academico de Direito aprende que, para bem se conhecer o Direito que efetivamente rege as relacoes sociais, nao basta o estudo das leis, eh indispensavel tambem a consulta aos repertorios de decisoes judiciais.

Comentários encerrados em 05/03/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.