Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Irregularidade processual

CNA deixa de ter recurso examinado pelo TST por falta de procuração judicial

A 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho não conheceu recurso da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil por irregularidade na representação processual. O advogado tinha mandato outorgado pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), mas não pela CNA, o que levou a turma a concluir que ele não poderia representar a entidade em juízo. A decisão foi unânime.

A CNA ajuizou ação de constituição de crédito tributário para cobrar de um empregador débitos relativos à contribuição sindical rural, cuja cobrança é disciplinada pelo artigo 606 da Consolidação das Leis do Trabalho. A Vara do Trabalho de Itu (SP) extinguiu o processo sem resolução do mérito devido a ausência de documentos necessários, decisão mantida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP).

A confederação mais uma vez recorreu, mas a 4ª Turma do TST constatou a irregularidade na representação processual. Para a Turma, apesar de existir nos autos procuração da Confederação conferindo à Faesp poderes para fazer as cobranças extrajudiciais e judiciais de contribuição sindical rural, não foi satisfeito o requisito da regularidade de representação.

Segundo o relator, ministro João Oreste Dalazen, incumbia à CNA, diretamente, outorgar procuração a advogado a fim de que este pudesse atuar em seu nome. "Advogado procurador de federação que não dispõe de mandato outorgado pela confederação demandante não ostenta representação válida para atuar em juízo em nome desta", afirmou.

Após a publicação do acórdão, a CNA opôs embargos de declaração da decisão, os quais ainda não foram examinados. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Clique aqui para ler a íntegra da decisão do TST.

Recurso de Revista 2779-46.2011.5.15.0018

Revista Consultor Jurídico, 23 de fevereiro de 2015, 13h53

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/03/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.