Consultor Jurídico

Notícias

Detalhes tóxicos

Elio Gaspari diagnostica vírus da satiagraha na "lava jato"

Comentários de leitores

12 comentários

ISABEL (advogada autônoma)

Observadordejuris (Defensor Público Estadual)

A advogada Isabel me surpreende com sua atitude iracunda quando se refere ao Juiz Moro e aossipostos desacertos que ele, supostamente, vem cometendo em face das ordens de prisão prevetivas decretadas. Pergunto a I. Advogada: Você teve acesso a essas decisões para ter tanta certeza de que elas carecem dos requisitos, pressupostos e fundamentos requeridos? Ou tudo não passa de pura especulação de sua parte? Ou, pior, você assim age representando interesse de quem não quer que a Operação Lava-Jato não prospere e os agentes da corrupção saiam desta impunes? Decida, pois já me cansei de ler tanta sandice vinda de sua parte.

Não adianta nunca haverá provas

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Para os engravatados políticos de Brasília e seus apadrinhados da "Petropina", NUNCA, JAMAIS, haverá prova suficiente para incriminá-los. Não há confissão que se sustente; não há delação aceitável, mesmo que voluntária; não há desproporção entre o ganho e o patrimônio ostentado pelos increpados; não existem contas no exterior (paraísos fiscais); não houve licitação fraudulenta; não há clube de empreiteiras; não se registrou qualquer prejuízo na Estatal; Pasadena foi um grande negócio e se não foi, tudo se justifica na medida em que a ora presidente da República e então presidente do conselho deliberativo da "CASA DE IRENE" disse ter assinado o relatório sem ler. Nada, absolutamente nada é aceito sequer como indício, quanto mais como prova. Nesse contexto (bem brasileiro) não haverá, sem dúvida, argumentos sérios em prol da punição desses "lesa-pátria". Impossível, pois quando não se quer enxergar, nem com binóculo se irá conseguir. Libertem todos os "inocentes" desse esquema; encerrem o processo e arquivem. Pronto,aí sim voltaremos a ser o Brasil de sempre! O mais incrível é que neste site, como opinantes e missivistas, não há INGÊNUOS DE PLANTÃO, pelo menos não na quantidade que aqui se apresentam. Que os colegas defensores, diretamente ligados ao processo, e comprometidos com a defesa dos seus clientes expressem esse 'inconformismo' é absolutamente aceitável, agora os demais ? É muita hipocrisia.

a pretensiosa "República do Paraná"...

isabel (Advogado Assalariado)

já está mostrando sua face de republiqueta|:ditadores ignorando a lei. Ou talvez sejam dos que acreditam que juiz não deve obediência à lei.

Cadê suas provas, Gaspari?

Cesar Chagas (Corretor de Seguros)

Todo teatro que tenho acompanhado é de uma parte da mídia, inclusive a revista Conjur, repleta de bancas de advogados interessados no caso. Implantam notícias e comentários para conseguir uma nulidade.
Que credibilidade Elio Gaspari tem para falar sobre nulidade processual? Ele reclama da falta de provas, mas que provas ele trouxe para sustentar sua tese? O fato do agente pular o muro porque o procurado recusava-se abrir o portão? Esperava-se o que a Polícia Federal ficasse cordialmente apertando a campainha? Deixe de esquerdismos, homê!

O pior é o passivo financeiro que isto vai criar.

Rogério Maestri (Engenheiro)

Todos estão preocupados com a não condenação dos empresários, porém eu me preocupo com algo mais grave, o passivo financeiro que uma ação como esta pode criar para a União.
Se uma empresa como a OAS ou outras entra em falência devido aos vazamentos do processo e depois não é condenada, as empresas prejudicadas poderão solicitar indenizações bilionárias aos cofres da União.
Ou seja, se o Juiz Moro agisse como juiz e não como vedete da mídia, talvez houvesse mais condenações e não ficássemos a processos da ordem dos Bilhões que são os valores destas empresas.
E neste momento quando chegar a conta provavelmente o Juiz Moro estará gozando a sua polpuda aposentadoria com auxílio moradia.

Dificil engolir

Bellbird (Funcionário público)

O que alguns advogados aqui falam. Se acham o dono da verdade, mas não sabe nada. Comentam de tudo e de todos. Sao os inteligentes e os outros são os burros. São os reis da sabedoria, mas estão mais para aquele desenho o pink e o cérebro. Um jornalista vem aqui dizer sobre nulidades e sem qualquer formação jurídica. Daqui a pouco advogado vai querer discutir cirurgias médicas e matemático vai querer discutir geografia e história. Aqui se comemorapossíveis erros. Aí sim, somos um país de terceiro mundo.

Brasil

Observador.. (Economista)

O "vírus" que deveriam neutralizar é o vírus da corrupção e dos chamados "malfeitos", utilizando a máquina estatal e o dinheiro público.
Temos que neutralizar, também, o vírus daqueles que usam seu poder, seus cargos, como se propriedade privada fossem. Não é.O homem é efêmero.O cargo é estado e pertence ao povo.
Utilizando-se mal o cargo, pode-se comprometer até gerações com (más)decisões e/ou abusos.
Acho tudo lamentável.Acredito no Juiz Moro e espero que ele se lembre das nuances que nossa legislação permite e não deixe seu trabalho ser por completo anulado ou questionado posteriormente.Pois foi graças a tal trabalho que o país soube de diversos abusos, roubos, erros e gestões temerárias usando patrimônio e dinheiro públicos.E NINGUÉM, até agora, negou tais fatos.NINGUÉM, até agora, foi a público se dizer injustiçado, dizendo que não houve o que houve, que não há dinheiro na Suíça, que a Petrobras vai muito bem, que não houve nenhum acordo espúrio entre empresas privadas e a poderosa estatal...e por aí vai.Não houve manifestação alguma neste sentido. Há questionamentos contra excessos e tais cometidos pelo Juiz.O mesmo serve para outras operações da Polícia Federal.
Não torço por esta ou por aquela pessoa.Torço pelo Brasil, algo que - costumeiramente - é esquecido no meio de tanta retórica, rapapés e salamaleques. Torço para que existam, por aí, em todas as áreas, pessoas que sintam vergonha e que se preocupem com o país de daqui a 20, 50, e 100 anos.E não apenas com o dia de amanhã ou em ficar bem com grupos, pessoas, partidos ou o que quer que seja. Países civilizados, historicamente, são países que tiveram pessoas que se preocuparam com a posteridade.Não apenas com o próprio umbigo ou com o dia seguinte.
"Bonne chance" ao Juiz Moro!

Pensamento primitivo

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O comentário do Voluntária (Administrador) reflete um pensamento corrente nos países de tradição latina, causa primária do subdesenvolvimento de muitos povos. O processo judicial NÃO É um duelo entre quem supostamente "sabe mais" ou quem "sabe menos", nem mesmo um confronto do bem contra o mal. Quando se analisa a boa ou má atuação de um juiz É COMPLETAMENTE IRRELEVANTE o que ele tenha feito antes, seus títulos acadêmicos, ou se ele foi aprovado em primeiro ou em último em concurso público. O que interessa é a economia interna do processo, o acerto ou desacerto da decisão do juiz. O mundo latino de tradição católica, notadamente pela imposição de que as pessoas comum não devem nem podem pensar ou chegar a conclusões por si próprias, remete a essa busca por uma "autoridade moral" para solucionar as mais diversas questões. Se foi "fulano" que disse, então está certo, e nenhum outro raciocínio necessita ser feito.

Discrição e competência

Voluntária (Administrador)

O juiz Sérgio Moro não deu nenhuma entrevista desde a abertura das ações penais e por sua discrição merece cumprimento. Quanto à sua competência é mestre e doutor em Direito, professor da UFPR (que tem nota máxima na avaliação da CAPES) e fez cursos no exterior sobre crimes econômicos. Na sua idade é difícil quem tenha tais títulos. Quanto aos outros dados é difícil dar opinião sem conhecer os processos. Parece-me que só ele, os procuradores e os advogados é que podem falar com segurança.

Vivemos na velocidade da luz

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Não há a menor possibilidade de se prender alguém (conhecido ou influente) nos dias atuais, sem que tal fato "vaze" imediatamente para a mídia; circule pelas redes sociais, seja objeto de matéria em jornais revistas e afins.
Se a validade das investigações depender desse sigilo, daqui em diante,e nunca mais, algum figurão será preso ou processado, porque pretender discrição total na era da informática, onde até as câmeras, aos milhares espalhadas pelas cidades, estão registrando tudo é absolutamente impossível.

Burrice ou $$$$$$$$$$$?

Gilson Raslan (Advogado Autônomo - Criminal)

Fiz comentário identico, aqui mesmo,ao aventado no post. Lá fiz a seguinte indagação: este juiz é burro ou há alguma razão que não conhecemos, para ele incorrer nos mesmos erros das duas operações aqui referidas.

Adoradores do arbítrio

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O Jornalista, embora ao que consta nem seja da área, repete o que nós já estamos dizendo há meses. O processo precisa ser conduzido com responsabilidade. Prisões espetaculosas, vazamento de dados sigilosos, e outras irregularidades graves levam à invalidação dos atos processuais e total impunidade. Os adoradores do arbítrio de ocasião, no entanto, querem de forma patética glamorizar os atos abusivos, como se violar as regras fosse a única forma possível de se punir os verdadeiros culpados.

Comentar

Comentários encerrados em 19/02/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.