Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prisões em excesso

Presidente do STF ataca "política do encarceramento" no Brasil

Por 

Enquanto as prisões de empresários na operação “lava jato” ganham repercussão na sociedade, a “política do encarceramento” foi duramente criticada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski (foto). Em evento no Tribunal de Justiça de São Paulo, nesta sexta-feira (6/2), o ministro foi um dos que atacou o excesso de prisões no país e a ideia de que quanto mais gente presa, mais segurança a sociedade terá. Desembargadores repetiram que o Brasil prende muito e prende mal. E coube a Lewandowski apontar os números que comprovam isso: o país tem 600 mil presos, sendo 40% deles provisórios. Isso equivale a 240 mil presos que não tiveram seus casos julgados, mas estão atrás das grades.

Na busca por diminuir o coeficiente, São Paulo lançou, na sexta-feira, o projeto da audiência de custódia. A ideia é que a cada prisão em flagrante — maioria das provisórias — abra-se o período de 24 horas para que o preso seja apresentado a um juiz, que decidirá se ele deverá ficar preso enquanto seu caso é apurado, ou não. O juiz poderá optar por outros meios de restrição de liberdade, como a prisão domiciliar ou o controle por tornozeleira eletrônica.

Presidente também do Conselho Nacional de Justiça, o ministro Ricardo Lewandowski disse que pretende levar o projeto, que será implantado em duas delegacias na capital paulista, para o Brasil inteiro. O ministro lembrou, no entanto, que apenas apresentar o preso ao juiz não muda necessariamente a situação carcerária do país, pois é preciso mudar a “cultura do encarceramento”, que também passa pela magistratura. O presidente do STF lembra que o excesso de prisões não se deve só aos delegados ou membros do Ministério Público: “temos nossa parcela de responsabilidade, com as decisões dos juízes de execução”.

“A magistratura é vulnerável à cultura da prisão. O juiz reflete o desejo da sociedade”, afirma o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, José Renato Nalini. Ele diz que a grande quantidade de penas de prisão aplicadas por juízes se dá, muitas vezes, porque os magistrados estão sujeitos à pressão popular, que exige atitudes como o aumento das penas e a redução da maioridade penal.

Desembargador da corte comandada por Nalini, Henrique Nelson Calandra concorda com o presidente do TJ-SP. “Juiz também é assaltado. É sequestrado. Juiz é gente como a gente.” No entanto, acha que isso deve ser enfrentado. As prisões da operação “lava jato”, na qual o juiz Sergio Moro decidiu por manter encarcerados empresários acusados de corrupção, são atacadas por Calandra. “Talvez a prisão cause mais dano do que proveito. Importantes empresas brasileiras estão sofrendo reveses operacionais imensos, e criam uma cadeia de insolvência que vem se resolver aqui, no TJ-SP, com cobranças”.

A própria estrutura do Judiciário faz com que o juiz esteja mais sujeito à pressão externa do que deveria, afirma o presidente do Tribunal Regional Federal da 3a Região, Fábio Prieto. “O juiz hoje é submetido a três tipos de controle: a corregedoria, a corregedoria da Justiça Federal em Brasília e a corregedoria do CNJ. A estrutura permite que o juiz seja pressionado. Pois quem tem três tipos de controle não tem a independência funcional plena”, afirma Prieto. Ele diz que isso não causa um dano necessariamente à independência do juiz, mas permite que eles sejam pressionados a atenderem interesses.

Também presente no evento, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo, Marcos da Costa, lembra que, atualmente, o preso provisório sai, em média, de 3 a 4 meses depois do flagrante, quando tem a primeira audiência com o juiz. Isso faz, segundo ele, com que a prisão sirva para alimentar a criminalidade, pois, uma vez no sistema penitenciário, o acusado “vai ter contato com a escola do crime, vai ser pressionado e cooptado”. Se tivermos menos prisões, completa, teremos o menor fornecimento de elementos para o crime organizado.

Já para o governador paulista, Geraldo Alckmin, do PSDB, no entanto, investigar e prender “é essencial para diminuir a atividade delituosa e acabar com a impunidade”. Por outro lado, continua, não pode haver demora nos julgamentos dos presos e o número de presos provisórios precisa ser reduzido.

 é chefe de redação da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 7 de fevereiro de 2015, 11h31

Comentários de leitores

53 comentários

Dra.Isabel

Observador.. (Economista)

É sempre bom debater com os que divergem.Assim aprendemos alguma coisa e (quem sabe) também fazemos o outro refletir.
Quem protege a sociedade da sanha criminosa?Com 60.000 homicídios/ano, o holocausto social brasileiro não a comove?E comove de que forma?Apenas com retórica? Em nome do bem, muitos na história da humanidade fazem vistas grossas a fatos que não combinam com os dogmas que lhes são caros. Mas, enfim, agradeço sua elegância ao se dirigir a minha pessoa.Deixo aqui um link para - caso a senhora queira - ter contato com a sanha criminosa que assola nossa sociedade fruto da impunidade e da ausência de punição (pois se prende e logo são soltos) que massacra as pessoas (os humildes são os que mais sofrem) que não tem a quem recorrer. Veja:
http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/02/moradores-se-dizem-forcados-pelo-trafico-deixar-predios-no-rio.html

Não há como responder

isabel (Advogado Assalariado)

a quem não respeita ( ironiza ) sequer o devido processo legal;
Embora a gente se pergunte em quais faculdades estudaram e quem foram os mestres de alguns profissionais, que , aparentemente, não prezam a função civilizatória do Direito, que notoriamente deve combater a selvageria e a barbárie. Medidas como noticia o senhor Daniel Almeida da Policia Militar de Assis são bem vindas, que sirvam de exemplo.
naturalmente a pena é um castigo, mas com a finalidade é ressocializar o delinquente , e não constranger , humilhar ou degradar ou que não é compatível com a dignidade da pessoa humana, ainda que seja criminoso.

Senhor observador

isabel (Advogado Assalariado)

1esclareço que minha observação sobre a política carcerária dos EUA foi colocada entre aspas indicando a transcriçãocom o devido crédito ao autor; não houve confusão, já q o próprio título indicava : "o que dizem as autoridades". 2.Não há como discutir percepções, mas os operadores do Direito vemos o quanto as leis vem amparar situações que padeciam da falta de tutela. Talvez os mais jovens por viverem em um mundo tão melhor, nem consigam imaginar o que era viver em um país sem leis ! Só para ter uma ideia, em 61 foi necessário se editar o "Estatuto da mulher casada" , para garantir algum direito a esta, que era pouco mais que um objeto dentro do lar. Hoje nossas meninas nem imaginam que algum dia alguma mulher passou por isso; eu muito pequena, observava o clima de opressão em que vivíamos. Não troco a liberdade dos tempos atuais, pela falsa paz de então . Meu pai que era um homem à frente de seu tempo, dizia : muitos adultos vagabundos que precisam apanhar, andam a bater nos filhos... 50 anos depois temos a Lei da Palmada e por aí vai. Lei do consumidor, Estatuto do Menor, leis protetivas aos mais fracos. Se há uma boa definição de justiça é " tratar cada um desigualmente, na medida da sua desigualdade ".3. Concordo que nem todo o saber estará , necessariamente, sob o domínio dos especialistas. Contudo, no caso do Direito, credito à falta de conhecimento do alcance e objetivo do Penal a celeuma sobre o assunto. Na Federal do Paraná onde estudei, os mestres Alcides Munhoz e René Dotti ensinavam que este direito foi concebido para proteger o infrator da sanha da sociedade. Ouseja, o direito deve privilegiar a justiça e não a vingança. Aqui mesmo se ve q alguns falam c a bile e não c raciocínio e o papel civilizatório do Dto é evitar isso.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/02/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.