Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fala premiada

Por delação, Barusco se sujeita a regime aberto e multa de R$ 3,2 milhões

Por 

Prisão em regime aberto, prestação de serviços à comunidade, relatórios bimestrais e multa de R$ 3,2 milhões. Essas serão as penas aplicadas ao ex-gerente de serviços da Petrobras Pedro Barusco, caso seja condenado. Ele aceitou firmar delação premiada para apontar a existência de fraudes em contratos da empresa. Os termos do acordo foram divulgados nesta quinta-feira (5/2), quando o juiz federal Sergio Fernando Moro avaliou que o sigilo não era mais necessário.

O documento, assinado em novembro de 2014, diz que qualquer condenação será substituída pela prisão em regime aberto, por período de dois anos, com recolhimento domiciliar nos finais de semana. A jornada dos serviços comunitários será de 30 horas por mês.

Se for condenado, Barusco cumprirá pena em regime aberto e pagará multa de R$ 3,2 milhões. (Foto: Reprodução)

Em troca, Barusco se comprometeu a nunca questionar o acordo nem recorrer das sentenças que forem proferidas. Também terá de colaborar “amplamente” com o Ministério Público Federal e outras autoridades públicas, sempre que convocado, e afastar-se de atividades criminosas.

Ele é defendido pela advogada Beatriz Catta Preta, que também ajudou a costurar as delações de outros dois clientes — os executivos Julio Gerin de Camargo e Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, ambos da Toyal Setal.

As declarações de Barusco basearam a nona fase da operação “lava jato”, deflagrada nesta quinta. Segundo ele, o PT arrecadou entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões de propina retirada dos 90 maiores contratos da Petrobras, entre 2003 e 2013. O tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, foi conduzido à Polícia Federal em São Paulo para explicar a origem de recursos.

Em nota, o PT negou irregularidades nas doações que recebe e afirmou que as falas “seguem a mesma linha” de outros delatores, que “não apresentam provas ou sequer indícios de irregularidades e, portanto, não merecem crédito”. Segundo o texto, “os acusadores serão obrigados a responder na Justiça pelas mentiras proferidas contra o PT”.

Clique aqui para ler os termos da delação.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 5 de fevereiro de 2015, 17h31

Comentários de leitores

4 comentários

Justiça Estadunidense

Pegorer (Funcionário público)

Bandido agora tem fé pública e faculdade de usa-la em seu favor: "...Ele aceitou firmar delação premiada para apontar a existência de fraudes em contratos da empresa...."

O PT é mesmo engraçado....

Ricardo, aposentado (Outros)

O PT é mesmo muito engraçado....
No mensalão admitia caixa 2 justificando-o como sobra de campanha.
Agora nega que receba doações à margem da lei . . .
É muita cara-de-pau...
Outra coisa: na minha opinião os "acordos de delação premiada" impor renúncia a eventuais sentenças condenatórias e/ou o questionamento dos termos do acordo são o fim-da-picada.
Totalitarismo . . .

O pt ainda vai obter indenização dos delatores

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

É piada. O PT responsabilizando os seus "mercadores" por acusações contra o partido. Só mesmo no Brasil onde tudo o que é ilícito merece e deve ser respeitado, assim como os seus autores.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/02/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.