Consultor Jurídico

Notícias

Sem bisbilhotice

Sergio Moro defende grampos e "métodos especiais de investigação"

Comentários de leitores

6 comentários

Idade das Luzes

M. R. Baltazar (Funcionário público)

Graças a Deus estamos vendo um exemplo claro de justiça funcionando, mesmo tendo no banco dos réus pessoas que até pouco tempo atrás eram intocáveis. O mais grave é que, em pleno ano de 2015, irá surgir uma infinidade de pequenos defensores desta casta de intocáveis a acusar os cumpridores da lei de inquisidores medievais.

Brasil de todos para poucos....

Wallace da Cruz Medeiros (Funcionário público)

Ora, quando aparece um Juiz que faz o que manda a lei, ou seja, aplicá-la, os defensores da casta intocável começam a ter desvario porque talvez isso seja para eles um indício de que seu corporativismo possa estar sendo ameaçado. Assim deixem o juiz trabalhar para colocar bandido de verdade na cadeia, e mais ele está aplicando o direito penal do fato eu do autor.

Idade das trevas

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Logo ele vai querer instalar um "pau de arara" já bem na entrada do fórum, e convidar quem não quer confessar ou admitir a culpa a experimentar o "apetrecho". O mais grave é que, em pleno ano de 2015, irá surgir uma infinidade de pequenos nazistas apoiando.

Cor do lacre !

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A próxima insurgência será sobre a "cor" do lacre que guarnece os sacos com as provas (normalmente azul) mas que neste caso é amarelo. É que o fornecedor, terceirizado, não tinha mais polímero (plástico granulado) azul para colocar na injetora e usou o amarelo. Se algum acusado ou seu defensor for contra o amarelo o Juiz Moro disse que manda pintar de verde, azul ou branco. O amarelo, que compõe a cor da bandeira do país, enlameada pelos asseclas da Estatal, já estará presente nos lacres. Quanto ao "vermelho", cor dos donos do país, já está por toda a parte e representa o "sangue" dos brasileiros, sem hospitais, escolas, segurança, vida digna, etc. etc. Já o "marrom" vai ficar mesmo por conta dos próprios acusados (provavelmente retido sob as calças) e, embora não se poderá vê-lo com clareza, se há de desumir pelo odor fétido delas exarado.

\"grampo"

Analista de inteligência (Outros)

Desculpem, mas como um site especializado em notícias jurídicas ainda utiliza o termo "GRAMPO"? Se de fato houvesse o "grampo" não teria nem o que se discutir; é ilegal e pronto! Os questionamento são sobre a interceptação, por isso vamos utilizar o termo correto, pois caso contrário, vai parecer que o "grampo" é lícito e serve como prova para acusação, pior, é autorizado pelo juiz.
Quanto às investigações, o juiz está certo, os métodos utilizados para colher provas deste esquema, nem de longe são as mesmas utilizadas em crimes de menor complexidade. Entretanto, não pode ser feito ao arrepio da lei.

Pois é

Bruno Kussler Marques (Advogado Autônomo - Internet e Tecnologia)

De duas uma, ou esses "métodos especiais de investigação" colocam toda a investigação abaixo o mais uma vez o processo vai chegar no STF e vão (re)criar teorias sob-medida para um caso em específico. E dizem que a CF/88 proíbe tribunal de exceção no país, mas na prática vemos que princípios básicos de direito constitucional-processual estão sendo mandados para o espaço para garantir o devido justiciamento.

Comentar

Comentários encerrados em 10/02/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.