Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Política tributária

Veto à correção da tabela do Imposto de Renda é injustiça tributária

Por 

O veto presidencial à correção de 6,5% na tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), por ocasião da Lei 13.097/2015, confirma o recorrente descaso do governo federal com o sobreprincípio da Justiça Tributária. Ignora-se que o Sistema Tributário Nacional deve servir como instrumento imprescindível de combate à pobreza e redução das desigualdades sociais, privilegiando, ao contrário, a arrecadação voraz e o confisco da renda.

Essa lamentável constatação decorre da patética justificativa dada ao veto presidencial, segundo a qual “a proposta levaria à renúncia fiscal na ordem de R$ 7 bilhões”. Na verdade esse enganoso fundamento na renúncia fiscal reconhece o montante do confisco praticado, em especial contra o trabalhador que aufere menor renda.

Desde 1996 os contribuintes vêm recolhendo o IRPF com base na Lei 9.250/1995, diploma legal este que alterou a legislação do Imposto, notadamente quando converteu os valores da tabela progressiva referente à tributação das pessoas físicas (até então em UFIR) para o padrão monetário atual.

Em seguida, com a Lei 9.532/1997, a alíquota do IRPF foi majorada para 27,5%, mantendo-se as mesmas faixas de rendimentos. A tabela do IRPF, desde então, permaneceu sem reajuste até 2001. Posteriormente, entre 2002 e 2006, a média de correção da mesma atingiu 3,35%, diluída entre os mencionados anos, sendo que, a partir do ano de 2007 até os dias atuais, aplicou-se o percentual de 4,5%. A última correção deu-se pela Lei 12.469/2011, que manteve este mesmo índice para os anos-calendário de 2011 a 2014.

É notório que, com o decorrer dos anos, o valor tido como mínimo existencial para satisfação das obrigações do cidadão e os limites das faixas de incidência do IRPF foram corrigidos de forma substancialmente inferior à inflação do período, utilizando-se índice ilusório e maquiado. Segundo o IBGE, entre janeiro de 1996 e dezembro de 2013, já descontadas todas as correções da tabela do IRPF, ainda resta uma perda do poder aquisitivo da moeda brasileira da ordem de aproximadamente 62%.

Essa brecha se amplia e muito se considerada a inflação média anual de 7% no ano de 2014. Em suma, mantida a correção da tabela do IRPF em percentual discrepante e inferior à inflação, restam ofendidos diversos princípios da Constituição Federal de 1988, tais como o conceito de renda (art. 153, III), a capacidade contributiva (art. 145, §1º), o não-confisco tributário (art. 150, IV) e, também, a dignidade da pessoa humana (art. 1º, III), em face da tributação do mínimo existencial.

Válido recordar que, de modo populista e na véspera do Dia Mundial do Trabalho, editou-se a Medida Provisória 644/2014, corrigindo a tabela do IRPF em 4,5% para o ano-calendário de 2015 em diante. No entanto, essa MP não foi convertida em lei ordinária pelo Congresso Nacional, caducando e confirmando o descaso governamental quanto ao tema.

A resposta dessa inconsistente política tributária deverá ser dada com urgência pelo Supremo Tribunal Federal, a quem, na qualidade de guardião da Constituição, cabe a missão de preservar os mencionados pilares da Justiça Tributária.

Com efeito, em defesa dos contribuintes, a Ordem dos Advogados do Brasil ajuizou em 2014 perante o STF a ADI 5.096-DF, objetivando a imediata correção da tabela do IRPF proporcionalmente à inflação registrada. O esperado julgamento de procedência da mesma urge em face da proximidade da data-limite para a entrega das declarações do IRPF 2014/2015, em 30 de abril próximo. Cabe à sociedade brasileira cobrar e seguir alerta em relação ao problema e sua iminente solução pelo STF, na forma prescrita pelo texto constitucional.

Fabio Artigas Grillo é advogado da Hapner Kroetz Advogados, doutor em Direito do Estado pela UFPR, presidente da Comissão de Direito Tributário da OAB-PR e do Instituto de Direito Tributário do Paraná (IDTPR).

Revista Consultor Jurídico, 1 de fevereiro de 2015, 10h24

Comentários de leitores

1 comentário

Pior para aposentados

Luiz Fernando Vieira Caldas (Contabilista)

Tive um aumento em torno de R$200,00 na minha aposentadoria. Por incrível que parece, essa "renda" é tributada na fonte, que consequentemente, terá um desconto maior de IR, face ao "substancial" aumento concedido a partir de 01/01/2015. Portanto, aposentados que( por enquanto, visto que a tendência é nivelar por baixo) ganham mais de um salario mínimo, são prejudicados de diversas formas. Primeiro, por não receberem as mesmas correções dadas ao mínimo e agora, a não correção da tabela do IR. Resultado, tenho que continuar trabalhando para sustentar aposentadorias vitalícias dadas aos nossos Príncipes da Republicas, travestidos de POLITICOS. Alias, o único representante do povo brasileiro no congresso é o Tiririca, visto ter sido PALHAÇO.

Comentários encerrados em 09/02/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.