Consultor Jurídico

Retrospectiva 2015

No STJ, ano exemplificou a nova era do respeito aos precedentes judiciais

Retornar ao texto

Comentários de leitores

5 comentários

nihil

amigo de Voltaire (Advogado Autônomo - Civil)

A experiência tem mostrado que a experiência nao serve para nada. O mesmo raciocíonio aplica-se aos precedentes do STJ.

Verniz

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O cenário judiciário brasileiro é cada vez mais desanimador. Neste ano de 2015, ao contrário do que disse o Ministro, o Superior Tribunal de Justiça agonizou. A Corte não respeita sequer seus próprios precedentes, ao passo que apresenta uma baixíssima produtividade e elevado custo. Quase tudo nas fundamentações são textos prontos, no melhor estilo "recorta e cola", levando a decisões equivocadas e superficiais. A situação tenebrosa, que se quer esconder com um verniz de segunda categoria, é fruto de anos seguidos de nomeações puramente políticas, que encheu a Corte de juristas alinhados com uma estrutura de poder deturpada, inconsequente e irresponsável, aliás a mesma estrutura que levou o País à mais grave crise que se tem notícia nestas terras.

Então...

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O Min. só esqueceu de escrever que o STJ não respeita seus próprios precedentes judiciais.

Boas perspectivas

André Glatt - advogado (Advogado Autônomo - Civil)

Além do ensinamento contido na introdução dos sempre enriquecedores textos do Ministro Luis Felipe Salomão,
é animador constatar que seus pares no STJ estão dedicando sua experiência e conhecimento para criação e adoção de medidas que visam gradualmente atingir o difícil objetivo de, num ainda enorme universo numérico de recursos, acelerar a prestação jurisdicional sem perder a sua qualidade técnica.
André Glatt OAB/RJ 62.177

súmulas sem a participação popular e democratização

analucia (Bacharel - Família)

O STJ não informa que haverá súmula sobre o tema, nem permite que haja participação de interessados, logo acaba estimulado lobbies e julgamentos surpresas, com poucos argumentos e análises superficiais.

Comentar

Comentários encerrados em 6/01/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.