Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Propaganda da presidente

DEM pede que PGR investigue ministro Edinho Silva por crime de responsabilidade

Uma representação para apurar se houve crime de responsabilidade por parte do ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, foi encaminhada nesta sexta-feira (11/12) à Procuradoria-Geral da República. O pedido foi feito pelo líder do DEM na Câmara dos Deputados, deputado Mendonça Filho (PE). Ele alega que houve veiculação de reportagens no programa A Voz do Brasil nas quais “notou-se franca propaganda em abono a teses de defesa da presidente da República”.

Para Mendonça Filho, na edição do dia 4 de dezembro, o programa radiofônico foi “muito além da narrativa, prestando-se, muito mais, a aduzir teses em prol da presidente da República, sem em qualquer momento dar voz a quem pensasse de maneira diversa”.

A representação traz trechos do programa em que, segundo o DEM, as entrevistas e os comentários dos apresentadores trazem apenas teses de pessoas contrárias ao pedido de impeachment. No dia 2 de dezembro, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), abriu processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff ao aceitar pedido dos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr. e Janaína Conceiçõa Paschoal.

No pedido apresentado à PGR, o líder alega que o conteúdo de A Voz do Brasil é de responsabilidade da Secretaria de Comunicação Social e lembra que a Empresa Brasil de Comunicação, responsável pela produção da primeira meia hora do programa, é vinculada à secretaria.

Para o DEM, o programa radiofônico deve ser usado apenas para transmissão de informações institucionais dos poderes. A ação do partido usa como argumento os princípios da administração pública, como a impessoalidade e a moralidade, estabelecidos na Constituição. "Há, assim, mais que uma finalidade institucional do programa, existe, em verdade, clara proibição de que dele se utilize a administração a fim de promover pessoas ou fins político-partidários."

Por meio de nota, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República informou que "desconhece oficialmente a representação em questão e esclarece que todos os procedimentos jornalísticos adotados pela EBC são previstos em lei e respeitados pela atual gestão".

Revista Consultor Jurídico, 12 de dezembro de 2015, 15h22

Comentários de leitores

2 comentários

Refeição diária dos incompetentes

Macaco & Papagaio (Outros)

Esse governo se alimenta de manipulação e de manipuladores de plantão, de tudo fazendo para se sustentarem nas tetas do Estado-viúva.
O que se esperar de uma "Voz do Brasil" quando não passa de mais um instrumento a serviço do Partidão Aloprado?
OS petralhas não aprendem nem com o divã judicial !!!
E ainda dizem que impeachment é golpe.
São um escárnio à República !

máquina pública

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Como na reeleição, a "presidenta" está usando descaradamente a máquina pública para sua defesa no processo de "impeachment".

Comentários encerrados em 20/12/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.