Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Presidente derrotado

Oposição obtém maioria em eleições para
a Assembleia Nacional da Venezuela

A coligação de oposição na Venezuela conquistou a maioria dos assentos que compõe a Assembleia Nacional, derrotando o partido socialista, do presidente Nicolás Maduro.

A oposição venezuelana conseguiu 99 assentos de um total de 167, obtendo uma maioria parlamentar de dois terços pela primeira vez em 16 anos.

O presidente Nicolás Maduro reconheceu a derrota de sua formação política, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV). “Vimos com a nossa moral, com a nossa ética, reconhecer estes resultados adversos, aceitá-los e dizer à Venezuela que a Constituição e a democracia triunfaram”, afirmou.

Maduro atribuiu o resultado à "guerra econômica" contra o governo venezuelano. "Na Venezuela, não triunfou a oposição", triunfou "um plano contrarrevolucionário para desmantelar o Estado social-democrático de Justiça e de direitos", destacou.

Ele disse ainda que os resultados são vistos pelos socialistas "como uma bofetada para acordar" e apelou aos venezuelanos que os reconheçam pacificamente.

Início da mudança
A Mesa da Unidade Democrática (MUD), coligação da oposição, afirmou que a vitória nas eleições parlamentares na Venezuela representa “o início da mudança” no país. “Começou a mudança, Venezuela. Hoje temos razões para celebrar, o país pedia uma mudança, essa mudança começou hoje”, comemorou o secretário executivo da MUD, Jesús Torrealba, após o anúncio do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) dos resultados oficiais.

“O povo falou de forma clara, as famílias venezuelanas estão cansadas de viver as consequências do fracasso” do programa do PSUV, disse o líder da oposição.

A oposição beneficiou-se do forte descontentamento popular na Venezuela com uma crise econômica provocada pela queda do preço do petróleo.

O país detém as maiores reservas do produto do mundo, mas está atualmente imerso a uma situação de escassez de alimentos e bens de primeira necessidade. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 7 de dezembro de 2015, 13h26

Comentários de leitores

3 comentários

Matematica

LRP (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

99 não é maioria por dois terços de 167 como diz o texto

derrota dos comunas

sytote (Advogado Autônomo - Civil)

A diretoria e todos os advogados que recebem honorários do pt advindos da corrupção estão tristes pois caiu o 2º comunista da america latina e logo logo o o deus e a rainha deles também estarão na cadeia.

Interessante,

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

como todo movimento "golpista" sempre acontece nas "democracias" de verdade: Venezuela, Brasil, Cuba, Argentina, Bolívia, Nicarágua e por aí vai. Nunca vi ações como essa ocorrerem nas "pseudas" democracias do resto do mundo como nos E.U.A. por exemplo. Chego a conclusão, por esses "dados empíricos", que seria mais seguro termos aqui uma "quase democracia" ou "quase ditadura". Certamente, seríamos menos vulneráveis a GOLPES como esse urdido contra a nossa querida e injustiçada presidente, que nada fez, nada sabe e nada de irregular praticou. Eta povinho golpista !

Comentários encerrados em 15/12/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.