Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Autarquia federal

INSS é isento de recolhimento de porte de remessa e retorno dos autos

É inconstitucional a cobrança de porte de remessa e retorno dos autos de autarquias federais no âmbito de Justiça estadual. Assim entendeu o Plenário do Supremo Tribunal Federal ao atender recurso do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) contra decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo que havia declarado a deserção do órgão previdenciário por falta desses pagamentos.

A corte cassou o acórdão e determinou que o processo volte a tramitar normalmente no tribunal de origem. Como o recurso teve repercussão geral reconhecida, a decisão deve impactar mais de 3.300 casos sobrestados sobre a mesma matéria.

O Plenário, por maioria, aprovou a seguinte tese: “Aplica-se o parágrafo 1º do artigo 511 do CPC [Código de Processo Civil], para dispensa de porte de remessa e retorno, ao exonerar o seu respectivo recolhimento por parte do INSS”.  O dispositivo vale para o Ministério Público, a União, estados, municípios e as autarquias federais, como o INSS.

Segundo o relator, ministro Edson Fachin, trata-se de norma válida editada pela União, “a quem compete dispor sobre as receitas públicas oriundas da prestação do serviço público postal”.

Conceitos diferentes
O TJ-SP entendia que, conforme a Lei 11.608/2003, autarquias e os outros órgãos e entes federativas teriam direito à isenção apenas nas taxas judiciárias, enquanto despesas com o porte de remessa e de retorno dos autos não se enquadram no mesmo conceito.

Fachin reconheceu a diferença, mas afirmou que a norma é inconstitucional ao determinar que o valor será estabelecido por ato do Conselho Superior da Magistratura, que não possui competência para tratar das despesas com porte das remessa e retorno.

O ministro Marco Aurélio foi o único a divergir do relator e votou pelo desprovimento do recurso. Segundo o ministro, a lei paulista não é conflitante com a Constituição Federal. De acordo com o ministro, o artigo 24, inciso IV, da CF determina competência concorrente entre União e estados para legislar sobre custas dos serviços forenses. “O Estado de São Paulo, ao excluir da taxa o porte de remessa e de retorno, atuou autorizado pela Constituição Federal”, disse. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

RE 594.116

Revista Consultor Jurídico, 6 de dezembro de 2015, 10h23

Comentários de leitores

1 comentário

Não recolher custas

Edson Sampaio (Advogado Autônomo - Civil)

É por isso que a motivação para recorrer (muitas vezes desnecessariamente), é sem precedentes.

Comentários encerrados em 14/12/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.