Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Calor escaldante

OAB-BA edita norma que torna facultativo paletó e gravata para advogados

Os advogados que atuam na Bahia poderão, a partir de agora, optar entre usar ou não paletó e gravata no exercício da profissão. A decisão foi aprovada durante a 33ª sessão do Conselho Pleno da seccional baiana da Ordem dos Advogados do Brasil, última do ano, que aconteceu na manhã desta sexta-feira (4/12).

De relatoria do secretário-geral adjunto da OAB-BA, Antônio Adonias, a medida torna facultativo o uso das peças em qualquer estação do ano e em qualquer ambiente, exceto quando o advogado for fazer sustentação oral. “Nesses casos, se ele não estiver usando paletó, terá que usar vestes talares, conhecidas como beca”, explicou Adonias.

Para levar a novidade aos advogados do interior, o Conselho Pleno decidiu fazer audiências públicas sobre o tema. “Precisamos dividir a matéria com os nossos colegas de fora da capital, que são os mais interessados no assunto, visto que sofrem diariamente com o calor escaldante do sertão baiano”, destacou o presidente da OAB-BA, Luiz Viana Queiroz. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB-BA.

Revista Consultor Jurídico, 5 de dezembro de 2015, 9h21

Comentários de leitores

4 comentários

Convenção do clima

Macaco & Papagaio (Outros)

Finalmente, um medida lúcida contra esta capitania hereditária que adota uma vestimenta incompatível e desconforta ao exercício de um ofício que enfrenta o calor.

E a OAB em São Paulo?

João B. G. dos Santos (Advogado Autônomo - Criminal)

Aguardamos o mesmo por aqui. URGENTE!

Parabéns!

Raphael F. (Advogado Autônomo)

Parabéns à OAB-BA. O que se busca em um advogado é que seja ético, tenha conhecimento, seja justo, honesto e caridoso. Jamais aparência. Em muitos fóruns a sensação é estarmos em um desfile de moda (não só da parte dos advogados!). Será que seus conhecimentos estão a altura das suas vestimentas? Mais uma vez parabéns, espero que o Judiciário não expeça suas "portarias" dispondo o contrário.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/12/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.