Consultor Jurídico

Notícias

Nós e eles

Gilmar Mendes vota por multar Dilma por pronunciamento antes da Copa do Mundo

Comentários de leitores

8 comentários

O Brasil precisa tomar um rumo

Flávio Souza (Outros)

A atual chefe do Poder Executivo não recebeu meu voto, contudo somente ela não é responsável por tudo que o país vem atravessando. A população sabe que os entraves e situações críticas vivenciadas pelo país já vem de anos, aliás de governos e governos de outrora. Nossas leis permitem que o cenário desenhado aconteça, p.ex. reeleição de chefes do Poder Executivo e parlamentares, neste último permitido até perpetuar no Poder. A desculpa de que um projeto de governo não pode ser descontinuado é uma falácia. O projeto de governo é o projeto do POVO, e a ele somente interessa o conteúdo. A reforma política é extremamente necessária, porém ao que temos visto, não surtirá efeitos quase nenhum se aprovada nos moldes como temos visto. A reforma política tem que eliminar a figura de suplentes de Senador; eliminar a figura do foro privilegiado; eliminar a possibilidade de reeleição de parlamentares (vereadores a senador), e querendo postular nova disputa deverá renunciar ao mandato em até 180 dias do 1º turno das eleições; unificação total das eleições, o que ajudaria na diminuição de recursos públicos, principalmente nesse momento em que é mostrado a crise econômica que assola o país. Por outro lado, tem que ser pensado na reforma do judiciário, que deve estar casado a mudança no comportamento de aprovação de leis inconstitucionais e que geram dúvidas na aplicação. Se fizer isso, certamente que poderia o país diminuir o tamanho do Judiciário, com a sensivelmente diminuição na ampliação de comarcas, varas ou tribunais, e por consequencia, diminuição no quadro de recursos humanos através de concursos públicos. Nessa esteira, recursos como o pedido de vista seria eliminado e demora nos julgamentos seriam fiscalizados pelo CNJ. O Brasil precisa mudar.

Conseguiram dividir o Brasil

Miriam (Advogado Autônomo - Civil)

O PT vai nos deixar de legado mais do que inflação, juros altos e uma péssima gestão. Eles segmentação o país e criaram esta dicotomia e um abismo sepulcral entre irmãos.

Conseguiram dividir o Brasil

Miriam (Advogado Autônomo - Civil)

O PT vai nos deixar de legado mais do que inflação, juros altos e uma péssima gestão. Eles se isolaram e criaram esta dicotomia e um abismo sepulcral entre irmãos.

Nós/Eles

George Rumiatto Santos (Procurador Federal)

Na mesma dicotomia "nós x eles", o Min. Gilmar Mendes deveria se declarar suspeito para julgar ações envolvendo o Partido dos Trabalhadores, porque parece não disfarçar que adotou um lado.
-
A partir do momento em que o juiz expressa desapreço ou contrariedade a um partido, em entrevistas à imprensa, não pode mais julgar nada que envolva direitos desse mesmo partido ou de seus membros. Caso contrário, dá a impressão de agir como "juiz de oposição".

pedido de vista

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Se tem algo que precisa acabar definitivamente é tal "pedido de vista".

Nós e eles

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

\"nós, a nação ordeira e eles, os políticos bandidos"

Concordo Gabriel

Professor Edson (Professor)

Por isso com o PMDB virando as costas para o PT a coisa vai minar para o lado petista, dois partidos fortes contra, o PT não aguenta.

Essa é a politica deles

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

O Partido dos Trabalhadores, até mesmo por defender bastante a velha ideologia marxista de luta de classes (ou atualmente luta de raças), sabe como ninguém explorar o discurso do "nós contra eles".

Aliás, o PSDB hoje é um álibi petista para fomentar ainda mais esse discurso, qualquer pessoa que seja contra o Governo petista é eleitor do Aécio e do PSDB, pois assim polarizam e emburrecem o debate.

Esse é o jeito petista de fazer politica, as eleições desse ano demonstraram isso, e a tendência é apenas piorar.

Comentar

Comentários encerrados em 5/09/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.