Consultor Jurídico

Briga de benefícios

TRF-4 restabelece pagamento de auxílio-moradia a defensores públicos federais

Retornar ao texto

Comentários de leitores

11 comentários

Absurdo

Alex. (Agente da Polícia Federal)

Esse situação de privilégios dispensa comentários.

Por resolução vale?

CARVALHO (Advogado da União)

LC 35/79 (Loman).
Art. 65 - Além dos vencimentos, poderão ser
outorgadas aos magistrados, nos termos da lei, as
seguintes vantagens: (...)
II - ajuda de custo, para moradia, nas localidades em
que não houver residência oficial à disposição do
Magistrado.

O que será do povo?

Otaci Martins (Administrador)

Coitado do trabalhador do setor produtivo, o único que realmente bota dinheiro na casa (erário), condenado a levar nas costas essa turma toda. Estamos perdidos. Infelizmente vivemos numa era de grande desesperança. Estamos fartos de discursos vindos das diversas instituições republicanas se dizendo defensoras da sociedade, quando na verdade imperam o egoísmo e a vaidade. Especialmente no caso da defensoria pública, tudo poderia se resolver de maneira muito mais econômica e efetiva para o povo (pagador) por meio da contratação de advogados particulares pelo Estado.

Dr.Eduardo Oliveira

Observador.. (Economista)

Obrigado por citar o programa da Glob News. Tentarei achar a reprise.
Quanto ao economista, nem cheguei a entender sua posição(dele).Até os mais pobres já entenderam que não há gratuidade em nada na vida.Alguém sempre está arcando com o custo do que é oferecido.
Em um mundo sob a sombra de graves problemas econômicos e políticos que podem surgir, caso a crise econômica chinesa se torne real e venha para ficar, devemos saber que Estados obesos terão mais dificuldades em enfrentar crises agudas na economia.
Sem incentivos à livre iniciativa, sem estímulos para que se tenha um Estado menor e ágil e não um Estado obeso voltado para si, o Brasil imporá cada vez mais sacrifícios aos mais pobres, pois são esses que sofrem com todo tipo de aumento, cujos efeitos são sentidos em cascata em toda a cadeia de produção, pesando mais naqueles que menos tem.
Uma verdadeira perversão social.Os que tem pouco sustentando diversos auxílios que não necessitam, de fato, existir.
Com grata surpresa li o comentário de um Defensor Estadual. Sobre o salário digno que todos devem ter, MPs, Magistratura, Defensoria e AGU, sem, contudo, utilizar de artifícios sem previsão legal e não tendo a sensibilidade devida para com o nosso momento econômico.
É sempre reconfortante ler e lembrar das pessoas honradas que estão , por aí, querendo apenas servir bem ao país.

Críticas corretas

GCS (Defensor Público Estadual)

Na grande maioria dos casos as críticas postas à defensoria mais parecem uma reclamação de mercado. Todavia, penso que as críticas feitas abaixo são corretas. Benefício só pode ser concedido por lei. A DPU merece um bom subsídio, mas tentar valorizar o cargo por essa via vai de encontro à bela tradição do órgão. O mesmo vale para os MPs e TJs que se deram esse auxílio sem lei. Nada mais errado...

Ao Observador.. (Economista)

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Este final de semana assisti o programa "Painel", com o Willian Waack. Eram entrevistados três economistas famosos e um deles, em certo momento, fala das tais "Jornadas de 2013" (aquela multidão contra tudo-isso-que-está-aí) e que, no fundo, no fundo queriam arrasar tudo e todos.
Em certo momento ele pondera que as manifestações não foram por uma mudança de atitude na política, mas nasceram e se avolumaram porque a população queria (MAIS) serviço público gratuito (???), começando pela tarifa-zero, mais SUS...
Então vamos lá! Para atender bem a população, os empregados do POVO OBRIGARÃO os súditos a tratá-los como REIS!!! Para economizar uma "merrequinha" com advogado particular, o erário (os impostos) arcará com vencimentos acimas dos R$ 15.000,00, auxílios variados, equiparações mil... Quanto vai custar o "adEvogado de graça"???

Puro e simples saque ao Erário, com apoio da magistratura

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Veja o monstro que criaram sob o argumento fajuto de "defesa do pobre". Os defensores públicos fazem o que querem com a verba pública, estabelecendo livremente, sem lei, quanto vão ganhar. Vale lembrar que no contexto constitucional atual É TOTALMENTE ILÍCITO O PAGAMENTO DE QUALQUER VERBA A AGENTES DO ESTADO SEM LEI ESPECÍFICA, ao passo que é TOTALMENTE VEDADO pagamento de qualquer espécie de verba a título de equiparação. Agora, há a República Federativa do Brasil e, no andar de cima a república dos defensores públicos. Lamentável!

CARVALHO (Advogado da União)

Observador.. (Economista)

E não seria o Justo? Cair por terra qualquer tipo de benefício que onere o - já combalido - caixa da união?
Como cobrar sacrifícios dos pobres, dizendo não haver dinheiro para isto e para aquilo quando, magicamente, surge dinheiro (que pertence ao contribuinte) para atender determinados grupos?
Não entendo este país.

e nada de moradia para os pobres.....

daniel (Outros - Administrativa)

o monopólio de pobre é excelente para que explora a pobreza....

Certo o juiz federal

CARVALHO (Advogado da União)

Se vingar a tese do juiz de piso, no sentido de que a reserva de lei não comporta exceções, cairá por terra o próprio auto-concedido auxílio-moradia dos magistrados e membros do MP.

Complicado

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

E dizem que a autonomia não é para aumentar os vencimentos dos defensores públicos, é só ver trecho do artigo que isso fica muito claro " A norma se justifica na autonomia funcional dada à DPU pela Emenda Constitucional 74 para equiparar a situação dos defensores públicos à dos juízes federais e membros do Ministério Público da União".

Por isso eu digo, ninguém quer acabar com os benefícios absurdos de determinados grupos, todos querem é conseguir também esses benefícios para si. Até porque o dinheiro vai sair do bolso do contribuinte, então tá tudo certo.

E assim caminha esse nosso brasilzão de deus.

Comentar

Comentários encerrados em 26/08/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.