Consultor Jurídico

Comentários de leitores

10 comentários

A César o que é de César

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

O artigo reflete uma justa preocupação do cidadão comum. A interpretação da lei vem sendo, há muito tempo, acomodada às simpatias e antipatias pessoais, não à justa aplicação da lei ao caso concreto. Justiça não é só punir, é, principalmente, garantir o direito de quem tem direito.Quando a Justiça prende um culpado, tudo se justifica aos olhos da sociedade. Quando um inocente é preso, só lhe resta amargar a provação.Eu também acho que as palavras dos princípios jurídicos, as palavras da lei e as palavras das provas tem sido deturpadas. Só acredito em legitimidade dos juízes quando eles forem eleitos pelo voto direto e secreto dos cidadãos.

Fantàstico

Luis Feitosa (Advogado Associado a Escritório - Criminal)

RSRSRSRS Doutor Lênio, o fechamento foi FANTÁSTICO.
Ilustra bem o que vivemos.

Situação Não Nova

CesarMello (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Eu percebo esta mesma situação desde que iniciei minha Advocacia, há 10 anos.

Por este mesmo motivo, migrei minha atividade para a fase pré processual, onde o Jurista ainda tem alguma dose de controle da situação.

Mas é interessante ver que este fato só passou a ser notado e à incomodar agora, em que o feitiço dos grandes se voltou contra os feiticeiros.

Assim, o "timing" do texto denota uma irritação não com a situação, mas com os personagens que sofrem.

Basta retirar os personagens e provavelmente o articulista voltará a ignorar a situação tão duramente só agora criticada...

A prodigalização da falácia do Leito de Procusto

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Virou moda, lugar comum nas decisões judiciais de todas as instâncias, sem exclusão de nenhuma, o expediente malsinado pelos articulistas: antes de tudo, o juiz decide conforme sua subjetividade e depois “arruma um argumento a fim de justificar sua decisão”. É a prodigalização da moda do “ajustamento”, que os lógicos há muito classificam como falácia do Leito de Procusto.

Como todos sabem, Procusto era o dono psicopata de uma estalagem de beira de estrada, na qual só havia dois tipos de leito: um curto e outro longo, alugados conforme o porte (altura) do hóspede. Se fosse baixo, era colocado no leito longo; se fosse alto, no leito curto. À noite, enquanto o hóspede dormia, Procusto ajustava seu corpo ao leito, esticando-o até o esquartejamento para ajustá-lo ao leito longo, ou cortando as extremidades de seus membros para ajustá-lo ao leito curto.

É assim que o juízes de hoje decidem. A lei? Que lei? Para eles vale a máxima chicoanysiana parafraseada do personagem político Justo Veríssimo: a lei que se exploda!

(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – Mestre em Direito pela USP – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

no caso específico

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Que não seja apenas um sintoma, mas sim uma doença.

Outras Cartilhas.

Estrupício Hermenêutico (Outros)

Se as autoridades da Lava Jato seguissem a cartilha do Sr. Streck e companhia, a turma do Pixuleco estaria toda na praia, tomando bebida importada e dando uma BANANA para todos os brasileiros. Felizmente para o Brasil, aquelas autoridades estão seguindo outras cartilhas, e até o momento parecem estar merecendo o abalizado respaldo do Supremo Tribunal Federal. O Sr. Streck é que precisa atualizar seu manualzinho.

Pixuleco!

Estrupício Hermenêutico (Outros)

Essa palavra vale: PIXULECO! E como vale!

O principal não está dito

Voluntária (Administrador)

Qual a razão do atraso? Se é por culpa do Judiciário é uma coisa. Se é por culpa do réu, é outra. Se não fosse assim, bastaria, por exemplo, arrolar uma testemunha no interior da Colômbia, esperar passar uns meses e pedir a soltura. Pode haver atraso também se o réu pede perícia complexa. Ou se seus advogados renunciarem sucessivamente. É preciso saber o fato para criticar o direito.

Garantia

Professor Edson (Professor)

A única garantia individual conquistada nesse país, é a garantia a impunidade, não existe uma nação do mundo que pratica o garantismo absoluto como no Brasil, desde criança aprendemos que rico não pode ser preso, mas pra sorte do Brasil tem gente tentando mudar essa triste realidade Brasileira.

"Ibis ad crucem"

Sersilva (Advogado Associado a Escritório - Administrativa)

Em tempos midiáticos cuida-se para não contrariar o "modus vivendi" estabelecido entre a mídia e uma elite reacionária - manipuladores do politicamente correto, caso contrário, irás para a cruz, num ritual pragmático de flagelação em redes sociais.

Comentar

Comentários encerrados em 23/08/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.