Consultor Jurídico

Fiscal da lei

Promotora do Paraná é presa em Londrina por dirigir bêbada e causar acidente

Retornar ao texto

Comentários de leitores

25 comentários

sem perspectivas...

frank_rj (Outro)

por que a sociedade se espanta com corrupção e escândalos? são meras consequências das regras que aceitamos como legítimas.
deveríamos estranhar é o fato de aqueles que não necessitam ou não deveriam, ser justamente os que mais tem prerrogativas.
fosse outro e seria espancado e ridicula e ilegalmente exposto às câmeras.

Desrespeito à Lei e aos cidadãos

Antonio Grando da Silva (Professor)

Embora seja uma prerrogativa legal (a de não produzir provas contra si mesmo), na prática, eximir-se de realizar o teste do "bafômetro" trata-se se apenas de uma 'chicana' jurídica.
A promotora deveria, por atributos da função, ser a 1ª a respeitar a lei. Agindo desta forma, demonstra que o respeito à lei pode ser flexível, de acordo com as conveniências. Dois pesos e duas medidas. Triste...

Certeza da impunidade?

MACUNAÍMA 001 (Outros)

Aguardemos a devida punição à acusadora !!! O deputado que dirigindo a quase 180km por hora e assassinou dois rapazes até hoje não foi punido. Esse MP do Paraná perde cada ação na justiça .....

Absurdos!

JUSTIÇA VIVA (Advogado Autônomo - Criminal)

Penso que há vários absurdos na situação. Mas o maior deles é o representante do MP não ser preso em flagrante e ser submetido, por lei, ao manto protetor e classista, pasmem, do próprio Ministério Público. Isto é inaceitável. Em nenhum lugar do planeta há tanto protecionismo a uma instituição. Chega!!!

Não é bem assim!!!

edudds (Policial Militar)

Quem é que nunca tomou um bom pileque?
Penso também, que não é para tanto espalhafato assim, já que é direito de todos os cidadãos obterem os serviços públicos de acordo com as normas legais.
A douta Promotora errou, sim!!! errou feito. Porém, veja que não se promoveu diante dos populares e dos policiais que atendiam a ocorrência, o qual já não saberia dizer quanto aos seus colegas que ali se encontravam, seja em solidariedade para com a colega, seja "talvez" no afã de intimidação aos policiais titulares da ocorrência, a qual terminou na delegacia conforme determina a lei.
Vejo esta situação em Londrina-PR, totalmente espalhafatosa, desproporcional e, desnecessária, pois quem é que nunca tomou um pileque, basta vermos as festanças e balburdias Universitárias, que ocorrem coisas do genero e até pior. Então, entendo que a Dra Leila é uma ser humana e cidadã como todos os demais mortais, e terá que responder por seus atos, no alcance de sua conduta, mas não vejo motivos para tanto escárnio, por parte da população e pior ainda, nacionalmente por parte de toda a imprensa.
Agora senhores(as) da imprensa, vislumbrem eventual situação desta, não ser condenada pela acusação de embriaguez..... O que não será impossível, diante dos recursos normativos e valores probantes, haja vista que ao final quem vai bater o martelo, será um outro ser mortal, sujeitos aos mesmo erros e acertos de nós serem humanos.
então senhores, prendam suas línguas e aguardem o desenrolar dos fatos, pois já tivemos ha quase 10 anos, exemplos piores com duas ou três mortes por um bêbado deputado estadual, voando com a sua aeronave nas ruas da Capital Paranaense e, até agora senhores da Imprensa. NADA!!! NADICA DE NADA!!!

Por que será ?

Gaquino (Funcionário público)

À vcs que estão expondo à público a promotora eu pergunto o seguinte:
Será que vcs estão sabendo que ela está apresentando ao público muitas mazelas da operação publicano e, por isso, vcs estão querendo denegri-la ?
Gostaria de que me convencessem do contrário. É possível ?

Parabéns ao Estado do Paraná. Faltam os ao MP.

AC-RJ (Advogado Autônomo)

Parabéns à Polícia Militar e às demais instituições do Paraná. Aqui no Rio de Janeiro, infelizmente isto não seria possível. Provavelmente quem estaria preso seria o policial que abordou a promotora por perturbar o estado etílico dela.
.
Mudando de assunto, para complementar os meus parabéns ao exemplar Estado do Paraná, falta apenas aplicar os rigores da lei aos promotores que foram proteger o delito da colega. A conduta deles claramente se mostra como abuso de autoridade. Pela reportagem, não se mostraram solidários com ela, o que seria compreensível, mas ilegalmente exerceram os cargos que ocupam com propósito claramente intimidatório. Com a palavra o MP do Paraná.

Quando o Brasil irá "crescer"?

Observador.. (Economista)

Espero viver um dia (acho pouco provável) em um país onde todos, de fato, sejam iguais perante a lei.
Onde ninguém considere "linchamento" os questionamentos quanto a conduta irrepreensível que autoridades precisam ter.
Espero vivem em uma nação onde o cidadão, fora do seu serviço, se despe do seu cargo e se comporta como o que é.Um cidadão. Como qualquer outro cidadão brasileiro.Sem precisar ser magnânimo, dizendo que cumprirá os rituais legais, pois é o esperado e o que naturalmente ocorre em países desenvolvidos e civilizados.
Enquanto não mudarmos nossa mentalidade, o Brasil continuará com a pecha de periférico e subdesenvolvido.
Pois exemplos, como em uma família, devem "vir de cima".
E, no fundo, todos sabemos disso.Que agindo assim, viveríamos em um país mais ordeiro, democrático e civilizado.
A vida é feita de escolhas.Nossa nação tem feito muitas escolhas erradas.

Conduta incompatível com a profissão.

Vladimir de Amorim silveira (Advogado Autônomo - Criminal)

Só falta agora absolverem a promotora , e condenarem os policiais, não duvidem ! Lembram do caso em que uma guarda de trânsito ter dito que um juiz não era Deus? O que aconteceu com a guarda de trânsito? A guarda de trânsito foi condenada a pagar indenização para o juiz.

Conduta incompatível com a profissão.

Vladimir de Amorim silveira (Advogado Autônomo - Criminal)

É lamentável essa cena de uma promotora bêbada, só falta agora punir os policiais que a prenderam, pois naquele caso em que agentes de trânsito disseram que juiz não é Deus

Quem quer muito prender, na verdade que é cometer um crime.

Vladimir de Amorim silveira (Advogado Autônomo - Criminal)

A mulher de Cesar não basta ser honesta; ela tem que parecer ser honesta.

Lamentável essa situação.

Visão de um advogado

J.TANIOS HAJJAR (Advogado Assalariado - Civil)

Percebi que tem muitos advogados comemorando o incidente pelo fato dela ser promotora.
Advogado que se preze não aceita linchamento público com quem quer que seja.
Errar é humano e exercer o contraditório e ampla defesa é um direito sagrado.
Conte comigo dra. Leila.
Tenho muito apreço pela senhorita.

Excelente profissional

Valdecir Trindade (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Não conheço pessoalmente a doutora Leila, mas a tenho como excelente profissional. Tem prestado relevantes serviços à sociedade há anos. Daí que acho desproporcional a exposição dessa mulher a irrisão como está ocorrendo. Todos estamos sujeitos à incidentes dessa natureza, razão pela qual devemos ponderar os fatos recentes e atentar para a folha de serviços que ela possui. Concordo com o doutor Luciano. Seja forte Dra. Leila. Dê a volta por cima. A senhora pode e deve.

Mudaram o texto.

Fernando Amorim Lavieri (Procurador da República de 1ª. Instância)

Já que vocês mudaram o texto, podiam fazer a gentileza de retirar meu comentário.

Não há presunção de inocência, alardeada pelos advogados?

Stanislaw (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Se os fatos forem comprovados, que se aplique o art. 306 do CTB, que estabelece pena entre seis meses a 3 anos, para qualquer cidadão brasileiro. Acontece que já há comentários comparando com o famoso caso ocorrido em 2004 no Estado de SP, cujo promotor foi julgado pelo TJ/SP e absolvido. Quem dera se todos os acusados de homicídio fossem julgados no Brasil! Ora, o que fazem os advogados senão prestigiar o Estado de Inocência. Quando o autor do fato é promotor a presunção, tão alardeada pelos causídicos, se inverte, não existe? Quanta hipocrisia nesta terra.

Mal menor

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Costumam matar "em legítima defesa", com 12 tiros, em festas a beira mar e tudo bem. Tomar um pileque de vez em quando, dirigir e causar acidentes é apenas mais uma espinha num rosto todo berebento.

Linchamento moral

Luciano Godoi (Outros)

Que se apure, puna e tudo mais, mas o linchamento moral que estão fazendo com o moça é vergonhoso.
Acontece isso todo santo dia, mas dado o cargo ocupado, está aí, sendo vítima do escracho.

"estava rigorosamente bêbada"

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Atuando na "operação publicano", ou bebe de vez em quando ou fica louca.

Pão e circo

Pedro MPE (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Se a referida promotora realmente dirigiu embriagada, deve ser punida como qualquer outro cidadão. E como qualquer cidadão, tem direito ao devido processo legal antes da aplicação da sanção penal. Mas o Conjur publicar um vídeo dessa natureza é algo lamentável. Um site que se diz tão defensor dos direitos humanos atuar dessa forma, expondo uma cidadã presumidamente inocente é algo deplorável. Diariamente advogados, delegados, defensores, juízes etc. são parados em blitz e o Conjur não publica nada a respeito. Em verdade, só me recordo de um outro episódio envolvendo um magistrado. Enfim, política do pão e circo desde o título da reportagem ao conteúdo, desserviço e desinformação por parte do Conjur.

Parece piada

JUNIOR - CONSULTOR NEGÓCIOS (Professor)

Fica flagrante a imoralidade no caso em tela, a promotora não pode ser presa como os demais cidadãos, nem mesmo foi lavrado o auto de prisão em flagrante delito, nem fiança-crime foi recolhida. Salvo-conduto imoral que fica difícil justificar. Pior, outros promotores irem lá para "carteirar".

Comentar

Comentários encerrados em 18/08/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.