Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Senso Incomum

A melancolia em Pindorama e por que faculdades incentivam delações

Por 

Nestes tempos em que a delação premiada assume relevância – quase como único modo de investigar – recebi e-mail de um professor universitário, professor-doutor com excelente formação e competência reconhecida, vítima de “delação não-premiada”, algo do tipo “dou o tapa e escondo a mão”, na linha de personagens já inseridos no imaginário social como “amigos-da-onça”.

Explico: descobri em 1996, em sala de aula do curso de Direito, uma prática que vige até hoje: a “avaliação” dos professores por um formulário de marcar com x e um espaço para observações escritas ao final. Ali o professor é dissecado pelos alunos. Até aí, tudo bem. Accountability é condição de possibilidade para a democracia e para a efetividade das práticas de uma profissão. Todavia, descobri que a ficha de avaliação não necessitava de assinatura. Mais ainda, garantia-se o sigilo.

Passaram-se tantos anos e tantas vezes falei disso em palestras e na sala de aula dos cursos de mestrado e doutorado, já que, ainda em 1997, afastei-me da graduação, embora a ela ficasse ligado por outros meios e modos (portanto, não sujeito à alcaguetagem).

O assunto volta à baila com o e-mail do professor, que relata ter sido vítima de ofensas do mais baixo escalão. Reclamou para a faculdade, que se negou a tomar qualquer providência. Fiz pequena pesquisa, perguntando para vários professores, que me contaram cobras e lagartos provenientes de avaliações feitas por alunos descontentes com reprovações ou discordâncias de sala de aula. Dizem que é absolutamente sintomático: o aluno que tira notas baixas se vinga do professor de forma anônima. Pior: o anonimato é assegurado pelas direções dos cursos de Direito.

Que feio é isso, não? A Constituição proíbe o anonimato. Parece óbvia a proibição do anonimato quando este envolve um ingresso na seara do direito alheio. Trata-se de uma questão ética. Uma República não se faz escondendo identidades. Cada um deve ser responsável pelo que diz e escreve, principalmente se se tratar de uma faculdade de direito, que tem a incumbência de formar futuros advogados, promotores e juízes. Ora, não parece aos milhares de leitores desta coluna que é exatamente uma faculdade de Direito que deveria dar o exemplo e coibir esse tipo de alcaguetagem? Ao contrário, penso que uma faculdade deveria dar todas as garantias aos alunos fazerem reclamações, desde que assinem. E garantir que nenhum professor faça retaliações.

Sempre defendo os alunos, mormente os de Direito. Em boa parcela são explorados no plano do conhecimento. Vendem-se-lhes gatos por lebres. E, convenhamos, lebres de cinco patas. Despiciendo repetir, aqui, minhas críticas ao modelo ultrapassado de ensino jurídico. Quem quiser saber minha opinião a fundo, leia os volumes Compreender Direito I, II e III (neste último estão as colunas sobre o aluno e o professor ideais). Mas não posso aceitar que estudantes de Direito possam fazer críticas do tipo “disque 171 para delatar o professor”.

É grave isso. Professores ofendidos, dependendo do caso, poderão ir a juízo para buscar reparação por dano moral. Fácil, fácil. Talvez assim as faculdades aprendam.  Talvez esse seja um problema de nosso país. Vivemos um individualismo descomprometido. Não assumimos nossas atitudes. Tempos de fragmentação. Claro que há uma herança patrimonialista por trás disso. Pindorama é o lugar do “você sabe com quem está falando”. Logo, o contraponto é o medo de denunciar assumindo a responsabilidade. Entendo bem isso.

Regra geral, os alunos têm medo de assinar queixas contra professores. Sei disso. Mas, se continuarmos nesse círculo vicioso, não avançaremos. Não me parece que dois erros deem um acerto. Ou dois problemas deem uma solução. Uma sociedade não se faz de indivíduos. Indivíduo é “não dividido”. E só um cidadão é o “dividido”. Ele reconhece o outro. Cidadãos fazem uma República. Indivíduos fazem... um país como o nosso, recheado de síndromes de Jeca Tatu, Caramuru e amigos-da-onça. E recheado de corrupção, porque o crime mais egoísta é a corrupção, em face do prejuízo difuso que causa.

Por isso é que vivemos sob o predomínio do solipsismo. Como já expliquei em colunas anteriores, somos viciados em nós mesmos. Essa é a tradução do sujeito solipsista da modernidade.  Sim. Por isso é que dizemos “sabe com quem está falando”; “a minha vara”; “a minha promotoria”; “o meu tribunal”; “tomei posse do meu cargo”; e assim por diante. Pronto. É nesse caldo de (in)cultura que as faculdades, em vez de ensinarem responsabilidade para os alunos, incentivam o anonimato, cuja consequência, sem tirar nem por, é a delação dos professores, “dando o tapa e escondendo a mão”. Revoguemos isso imediatamente. É inconstitucional. E comecemos a construir cidadãos e não indivíduos preocupados apenas com seu próprio umbigo.

Post scriptum 1: Como disse, escrevo esta coluna em face do e-mail que recebi do professor, que escreveu-me para falar sobre esse assunto. Mas, por favor, não há qualquer relação desta coluna com a da semana passada. Sem qualquer ironia. Não existe inconstitucionalidade no uso de apelidos ou codinomes, se é possível identificar o autor. Isso é óbvio. Minha crítica, para quem leu, era de outra cepa.

Post scriptum 2: Leio que o MEC autorizou mais de 1.800 novas vagas em Direito em Pindorama. Foram autorizados novos cursos...  Sempre achei que era isso que estava faltando nos lugares citados na Portaria do MEC. Qualquer pessoa sabe que o progresso chegará com...um curso de direito (sobre um olhar irônico acerca desse fenômeno, ver o artigo de Diego Ribeiro aqui). Aonde enfiaremos toda essa gente? Claro: no Estado. Onde mais? E quando todos forem funcionários públicos, será o nirvana. E todos estarão no Judiciário; no Ministério Público; na Defensoria; na Polícia; nos cartórios; no Banco Central; tribunais de contas dos estados e da União; na Advocacia Geral da União; e nas procuradorias em geral (esqueci alguém?). Daí a pergunta: sobrará algo não-estatal em Pindorama? Alguma atividade privada ainda terá condições de ter sucesso na área do direito? Ora, se tudo é, nada é... Como o paradoxo do queijo suíço (minha LEER me permite repetir): o melhor queijo é o suíço; é o melhor porque tem muitos furos; assim, quanto mais furos, menos queijo e, consequentemente, melhor o queijo. Moral da história: o queijo ideal-fundamental (o Grundqueijo) é o não-queijo; é o “queijo só-furos”, se me entendem a alegoria em tempos de Gelassenheit (oficialmente se traduz essa palavra por “serenidade”; para mim, ao contrário, a tradução é “deixamento” ou “melancolia”, porque terrae brasilis está melancólica, como no filme de Lars Von Trier – Melancholia -, à espera do planeta que acabará com tudo). Cartas para a coluna.

Adendo metafórico: quando vejo que todo-mundo-quer-cursar-Direito-para-ingressar-no-Estado, lembro de uma metáfora que já contei aqui. É a do povo que vivia na floresta (terrae florestalis) e só comia vegetais. Vivia feliz. Pela falta de predador, os porcos foram se multiplicando. Um dia, fortuitamente, houve um incêndio e muitos porcos foram assados. E todos sentiram, vez primeira, o cheiro de leitão-a-pururuca. E caíram de boca. Desbragadamente. No dia seguinte, queriam mais porcos assados. E o que fizeram? Incendiaram mais florestas para queimar porcos e assim comer carne assada. Houve um momento em que faltou... floresta. Solução: plantaram mais florestas para poder queimá-las. E foram criando instituições para cuidar da burocracia do plantio de árvores, regulação dos incêndios, vendas de fósforos, exame da OAF (Ordem Ardentis Florestalis), cursos para plantar florestas mais rapidamente, florestas já com tempero  etc. E mais e mais criaram estruturas. Cursinhos para treinar para o exame da OAF e para os concursos aos cargos de plantadores de florestas. E dos que cuidavam dos porcos a serem queimados. E dos incendiadores. Por vezes, havia briga pelos porcos. E, interessante: todos eram independentes. E cada setor (plantação, fogos, criação etc) tinham autonomia financeira.  Os gastos e a poluição aumentavam... Mas mesmo assim novas florestas eram queimadas e plantadas, queimadas e plantadas. Só quem era do Estado-Florestão se dava bem. Na periferia, plantavam-se pequenos arbustos... Era o que sobrava para a patuleia florestalis. Até que um dia chega alguém e diz: “Não entendo o porquê de tudo isso. Não era mais simples terem construído churrasqueiras?” Ao que um floresteiro-vestindo-terno-Hugo-Matagal, com os beiços ainda cobertos da gordura da casquinha do porco, redarguiu: “Disso já sabemos há muito tempo”. E, farfalhando, complementou: “Se construirmos churrasqueiras, o que faremos com tudo isso-que-está-aí?”

 é jurista, professor, doutor e pós-Doutor em Direito. Assine o Facebook.

Revista Consultor Jurídico, 23 de abril de 2015, 8h00

Comentários de leitores

21 comentários

Fora da salas de aula

João Estagirita (Outros)

Li, sem espanto, que o colunista não ministra aulas para a graduação desde 1996! 19 anos!
Primeiro, notava que o colunista desconhece o perfil médio dos alunos que frequentam os cursos de Direito.
Segundo, notava que o colunista não consegue ir além da denúncia espalhafatosa e retórica. Não se encontra nos textos do colunista alternativas, propostas exequíveis, realistas, factíveis, criativas.
Terceiro, os textos são longos e repetitivos. Neles não se consegue identificar um plano de exposição ordenado e uma argumentação limpa, clara e distinta (Descartes). É próprio de quem não está em sala de aula. Com o nível de formação da maioria dos alunos que temos hoje (mal sabem ler, mal sabem escrever, não sabem argumentar, são apáticos), um professor precisa ser ao mesmo tempo denso, problematizador, claro, preciso e conciso, sem ser simplificador. Quem escreve sobre qualquer tema uma coluna quilométrica é porque não conhece seu público-alvo, especialmente os alunos de graduação.

Aqui confundimos

Oswaldo Gonçalves de Castro Neto (Advogado Assalariado - Criminal)

com alguma facilidade liberdade com libertinagem. Liberdade pressupõe responsabilidade, isto é, estar disposto a sofrer a consequência de seus atos. Quer achincalhar o professor sem fundamento? Sem problema. Apenas entenda que a consequência pode ser responsabilização por danos morais.

Eu me lembro que na PUC fazíamos a avaliação online, dentro do site do aluno. O professor recebia a avaliação sem identificação mas a Universidade tinha como saber quem disse o que...

De outro lado, é fato que estamos demasiado sensíveis...

Sinceramente, não entendi a relevância do tema...

J.Koffler - Cientista Jurídico-Social (Professor)

Minha experiência em sala de aula e, atualmente, como orientador de mestrado e doutorado, me permitiram fundamentar uma convicção inarredável: substancial número de docentes dão aula como autômatas, e mais substancial ainda é o número de acadêmicos que sequer sabem que estão em sala de aula. Diante desta constatação, não há lugar para avaliação de professor, seja anônima ou não.
Os sistemas de avaliação, tanto de um estrato quanto do outro, devem ser sempre independentes, i.e., por indivíduos externos ao ambiente e que sopesam o desempenho desses estratos por meios técnico-científicos estranhos à relação docente-aluno-docente.
A meu humilde observar, são pouquíssimas as instituições que efetivamente ditam aulas educativo-formadoras, e ainda menores são os alunos comprometidos com o aprendizado - alguns até involuntariamente, porque assoberbados por um conjunto de atividades que não coaduna com a mínima necessidade de concentração em aulas, ao passo que outros por pura displicência e/ou desinteresse na relação ensino x aprendizado.
Mais. Acredito apenas num modelo didático-pedagógico para a relação educativa (nomeadamente na formação jurídica): o método de caso (como em Harvard, a pioneira nesta metodologia). Ou o aluno possui capacidade e formação para analisar de maneira racional e lógica e discernir objetivamente, ou nunca sairá da confortável posição de mero observador das perorações do professor, enquanto sua mente divaga sobre incontáveis outros assuntos de uma escala variadíssima de relevâncias.
Não estou menosprezando o sempre didático texto do Prof. Lênio, apenas não me parece que seja um tema que deva ser sobrevalorizado - com a devida vênia -.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/05/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.