Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falas de delatores

Para advogado de tesoureiro do PT, prisão foi decretada sem provas

A defesa de João Vaccari Neto, tesoureiro do PT que foi alvo de nova fase da operação “lava jato”, afirma que ele foi preso com base apenas em “conjecturas e prognósticos” relatados em depoimentos de delatores. Em nota, o advogado Luiz Flávio Borges D’Urso definiu a medida como uma “injustiça” e negou que o cliente tenha cometido irregularidades.

Ao decretar a prisão preventiva, no dia 13 de abril, o juiz federal Sergio Fernando Moro disse que Vaccari foi citado em uma série de depoimentos como intermediário de relações fraudulentas entre dirigentes da Petrobras e empreiteiras. Um dos delatores — o executivo Augusto Mendonça Neto, do grupo Toyo Setal — relatou ter feito repasses de quase R$ 300 mil a uma gráfica ligada ao PT.

Vaccari foi preso na última terça (15/4), depois de ter sito citado por delatores.
Reprodução

Moro também apontou que a mulher e a filha de Vaccari movimentaram em suas contas valores sem origem identificada.

Outro problema, na avaliação do juiz, é que o tesoureiro continuava em sua função mesmo depois de ter sido acusado. “Em tal posição de poder e de influência política, poderá persistir na prática de crimes ou mesmo perturbar as investigações e a instrução da ação penal”, afirmou, citando a necessidade de manter a ordem pública.

O advogado de Vaccari, porém, diz que todas as questões poderiam ter sido resolvidas em depoimentos. Segundo D’Urso, o cliente nega ter relação com depósitos na gráfica citada e não vê irregularidade nas contas da mulher e da filha, pois todos os valores foram declarados e têm origem em atividades profissionais, afirma. Ainda conforme o advogado, manter as funções no partido não era problema, pois Vaccari vinha colaborando com a Polícia Federal e com a Justiça.

“Assim, toda a base de fundamentação para se decretar a referida prisão preventiva não encontra respaldo em nenhuma prova, tampouco nas hipóteses previstas em lei, não havendo nem mesmo indícios de autoria ou de materialidade”, declara a nota. D’Urso ainda estuda como entrar com Habeas Corpus.

Clique aqui para ler a nota do advogado.
Clique aqui para ler a decisão do juiz.

Revista Consultor Jurídico, 16 de abril de 2015, 20h39

Comentários de leitores

8 comentários

Mero estafeta

Kleberson Advogado Liberal (Advogado Autônomo)

A duvida que não quer calar é se somente serão presos os estafetas ou se chegará até os destinatários do dinheiro. Pelo que já se sabe os empresários entregavam o dinheiro ao tesoureiro e a outros operadores, os quais davam o “devido” destino ao produto. Ou alguém é ingênuo de achar que o dinheiro ficava com os carregadores de malas.

\"incoerências ideológicas"

Flávio Haddad (Advogado Autônomo)

Curioso, no mínimo, como fundador do PT e advogado militante, em face do profundo caráter ideológico decorrente da "Operação Lava-Jato", ser contratado por João Vaccari (é óbvio por indicação de líderes petistas) de um ADVERSÁRIO IDEOLÓGICO (ex-Presidente da OABSP, candidato derrotado na chapa de adversários do PT nas eleições para o governo de SP e liderança combativa contra os governos do PT em todos os níveis de governo - Dr. Luiz Flávio Borges D'Urso) para sua defesa, preterindo-se quadros competentes e comprometidos com as lutas democráticas !? Aliás, muito tem me causa "estranheza" nas decisões do PT...Lamentavelmente !

corrigindo a correção

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

"ACAREAÇÃO" - (hoje é 6ª feira) -

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/04/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.