Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Escolha de Dilma

Juízes federais manifestam apoio à indicação de Fachin

Por 

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) divulgou nesta quarta-feira (15/4) nota de apoio à indicação de Luiz Edson Fachin para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal.

Segundo a Ajufe, a indicação do advogado e professor paranaense “irá contribuir para o aperfeiçoamento e a renovação da jurisprudência da Suprema Corte brasileira, principalmente na seara do direito civil constitucional”. A associação destacou o currículo acadêmico e a experiência profissionais do advogado nos tribunais.

A Associação dos Paranaense dos Juízes Federais também comemorou a indicação a escolha da presidente Dilma Roussseff por Fachin.

Em nota divulgada, a entidade destacou o conhecimento jurídico, visão humanista, honradez e humildade do advogado. O documento ressaltou ainda que a experiência do jurista está acima de qualquer convicção política e ideológica.

“Sua experiência como professor, advogado e jurista, assim como seu exemplo como cidadão e ser humano, fazem o nome do professor Luiz Edson Fachin pairar acima de convicções políticas e ideológicas, pois é inegável que tem a estatura moral e jurídica para engrandecer o principal tribunal do país.”

O nome de Fachin já havia sido cogitado anteriormente, para a vaga hoje ocupada pelo ministro Luís Roberto Barroso. Na ocasião, apontava-se que ele sofreria resistência da oposição, por ser visto como próximo ao PT e a movimentos sociais. Ministros e advogados já manifestaram apoio à indicação.

Leia a nota divulgada pela Ajufe:

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), entidade de classe de âmbito nacional da magistratura federal, vem manifestar-se publicamente sobre a indicação do jurista Luiz Edson Fachin para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). 

A Ajufe considera que a indicação do professor Luiz Edson Fachin irá contribuir para o aperfeiçoamento e a renovação da jurisprudência da Suprema Corte brasileira, principalmente na seara do direito civil constitucional. O vasto currículo acadêmico e a larga experiência de atuação junto aos tribunais do país o credenciam para o exercício do mais elevado cargo da magistratura nacional. 

A Ajufe manifesta apoio e confiança no trabalho do futuro ministro do Supremo Tribunal Federal.

Antônio César Bochenek
Presidete da Ajufe

Leia a nota divulgada pela Apajufe:

A Associação dos Paranaense dos Juízes Federais (APAJUFE) vem a público se manifestar sobre a indicação do Professor Luiz Edson Fachin para  a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

A APAJUFE comemora a indicação, com a certeza de que o Professor Luiz Edson Fachin levará para o Supremo Tribunal Federal seu profundo conhecimento jurídico, sua visão humanista, honradez e humildade, atuando decisivamente para a evolução da jurisprudência brasileira, sempre em sintonia com os valores e princípios constitucionais, nomeadamente para concretizar o desiderato constituinte de se construir um país mais justo e solidário.

Sua experiência como professor, advogado e jurista, assim como seu exemplo como cidadão e ser humano, fazem o nome do Professor Luiz Edson Fachin pairar acima de convicções políticas e ideológicas, pois é inegável que tem a estatura moral e jurídica para engrandecer o principal tribunal do país. Sua indicação pela Presidente da República orgulha a sociedade jurídica paranaense como um todo e, em especial, os juízes federais paranaenses.

A APAJUFE confia na aprovação do nome do Professor Luiz Edson Fachin pelo Senado Federal e lhe rende votos de uma profícua e exitosa atuação como ministro do Supremo Tribunal Federal.

ANDERSON FURLAN

Presidente da APAJUFE

RICARDO RACHID DE OLIVEIRA

Vice-presidente da APAJUFE

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 15 de abril de 2015, 18h58

Comentários de leitores

9 comentários

Tudo isso é pró-forma?

Roberto MP (Funcionário público)

Apresento algumas questões hipotéticas que gostaria que os doutos que comentaram se posicionassem. Estabelece o art. 52 da CF: “Compete privativamente ao Senado Federal:...III - aprovar previamente, por voto secreto, após arguição pública a escolha de: ...a) magistrados, nos casos estabelecidos nesta Constituição”. O que deve e o que não deve (assunto, tema, matéria etc) constar dessa arguição pública? E se no voto secreto o candidato do governo não for aprovado? Volta a estaca zero? Ou tudo isso “é para inglês ver”? Seja qual for a arguição, seja qual for o resultado, tudo e pró-forma, e o candidato passa?

Lamentável

Zaca (Juiz Federal de 1ª. Instância)

Como já não sou associado da AJUFE faz anos, posso manifestar aqui total discordância com a nota apresentada. E indignação com a indicação, já que o excelso jurista estava vinculado politicamente ao PT, de forma muito clara. Aquele vídeo onde mostra o discurso do futuro ministro criticando o PSDB, só por só, já bastaria para um país sério vetar sua indicação. Mas estados no Brasilzinho, onde reina a podridão na política, e tudo que está ruim pode virar muito pior... Infelizmente, este não é um país governado por um "estadista", mas por algúem que não se preocupa em enriquecer o STF com pessoas realmente ilustres, mas sim em colocar aliados em posições estratégicas. Que imparcialidade terá este ministro de julgar os réus do Petrolão?É triste.

É...

JA Advogado (Advogado Autônomo)

O que não caiu bem para o prof. Fachin, realmente, foi vê-lo discursando no palanque eleitoral da então candidata Dilma em 2010 (Jornal Nacional de ontem), como um militante petista. Não precisava chegar a tanto.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/04/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.