Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Precarização de direitos

Juízes do trabalho do RS suspendem audiências contra projeto de terceirização

Os juízes trabalhistas do Rio Grande do Sul farão um ato de protesto nesta terça-feira (14/4) contra a aprovação do Projeto de Lei 4330, que traz mudanças para a terceirização de serviços no país. O PL está na pauta de votação da Câmara dos Deputados para ser apreciado nesta terça e quarta-feira (15/4).

O movimento, promovido pela Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho do RS (Amatra IV), será realizado na entrada do prédio das Varas do Trabalho de Porto Alegre, no Foro Trabalhista da Avenida Praia de Belas, 1432. A mobilização terá início às 15 horas.

Os magistrados gaúchos consideram que a aprovação do projeto representará um grande retrocesso aos direitos dos trabalhadores. "O projeto esvazia atuação de empresas de grande porte, transferindo empregados para pequenos e médios empreendimentos, os quais são detentores de benefícios fiscais. A perspectiva será de prejuízo de arrecadação previdenciária e tributária, com ampliação de problemas de custeio a diversas atividades estatais", afirma a entidade em nota.

 Leia a íntegra da nota:

A Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 4ª Região – AMATRA-IV, entidade que reúne os profissionais que guardam o ofício de conhecer os fundamentos e efeitos dos conflitos trabalhistas e a organização do mercado de trabalho, sente-se no dever republicano de franquear sua posição sobre o Projeto de Lei n. 4.330-A/2004, que trata da terceirização.

Como todo ramo da ciência jurídica, o Direito do Trabalho e seus instrumentos devem buscar renovação e avanço. Não é, todavia, admissível que o fetiche da modernização legislativa sirva à simples redução de garantias sociais, aumento de despesas previdenciárias, agravamento do déficit fiscal, retração do mercado de consumo e privilégio de específicos setores empresariais.

O PL 4.330 prevê afastamento de limites civilizatórios mínimos para a terceirização no Brasil, reduz direitos trabalhistas elementares e abre largo espaço para aumento do desemprego e da precarização do mercado de trabalho.

Historicamente, os juízes do trabalho percebem que, de um modo geral, trabalho terceirizado tem firme associação com práticas discriminatórias, amplos inadimplementos de direitos sociais básicos e todo tipo de infortúnios relacionados ao ambiente laboral. Apenas como exemplo, tem-se que quatro em cada cinco acidentes de trabalho, inclusive os que resultam em morte, envolvem empregados terceirizados. Além do projeto de lei trazer a perspectiva de aumento dos mutilados pelo trabalho, sobrecarregará ainda mais o Sistema Único de Saúde e o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

O projeto esvazia atuação de empresas de grande porte, transferindo empregados para pequenos e médios empreendimentos, os quais são detentores de benefícios fiscais. A perspectiva será de prejuízo de arrecadação previdenciária e tributária, com ampliação de problemas de custeio a diversas atividades estatais.

O inevitável rebaixamento de remuneração também afetará o mercado interno. A iniciativa de lei estimula a diminuição média de salários, medida que já a curto prazo implicará retração do mercado de consumo, com prejuízos sentidos por toda a coletividade.

A AMATRA-IV segue acreditando que o Congresso Nacional, a Presidência da República e sociedade civil não permitirão o retrocesso civilizatório representado pelo PL 4.330. 

Porto Alegre, 10 de Abril de 2015.

 Rubens Fernando Clamer dos Santos Júnior -Presidente da Amatra IV

  Rodrigo Trindade de Souza -Vice-Presidente da Amatra IV

Revista Consultor Jurídico, 13 de abril de 2015, 20h57

Comentários de leitores

9 comentários

Acho de última....

ana borssato (Outros)

Acho de última comentarem sobre a manifestação dos Juízes. Diversas contratações terceirizadas já colocam nas obrigações do contratado de ser responsável por todas as obrigações de FGTS, previdenciárias e fiscais e o que mais se vê é empresas que terceirizam enganhando os trabalhadores, fechando as portas na calada da noite ou mesmo durante o dia, deixando os trabalhadores a ver navios. Sei que existe a responsabilidade dos contratantes em fiscalizar, mas

O papel de legislar não cabe aos juízes

João Corrêa (Estagiário - Previdenciária)

Portanto, não há justificativa para tal birra. Afinal, há uma separação de poderes, e cada qual deve aceitar seu papel. Basta de juízes/legisladores!

Fim da justiça obreira!!!!

augusto1 (Outros)

Com a lei da terceirização, será impossivel as empresas sonegar: FGTS, INSS, FÉRIAS, 13º, hora extra, ETC.
A empresa contratante dos serviços terceirizados, ficará obrigada conferir mes a mes, se empresa prestadora desses serviços, está cumprindo com essas obrigações.
A terceirazação reduzirá drasticamente as demandas
na Justiça do Trabalho, além disso, a lei da terceirazação prevê a obrigatóriedadade da concilização prévia.
É o fim da Justiça do Trabalho!!! ou não!!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/04/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.