Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Treinamento motivacional

Empresa é condenada por obrigar trabalhador a andar sobre brasas

Uma distribuidora de medicamentos deverá indenizar em R$ 50 mil um trabalhador que foi obrigado a andar com os pés descalços num corredor de carvão em brasas durante "treinamentos motivacionais". Segundo o relator do processo, ministro Walmir Oliveira da Costa, da 1ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, não se pode conceber, “em pleno século XXI”, que o empregador submeta o empregado a situações que remetam às “trevas medievais".

O trabalhador disse que ele e outros colegas foram obrigados a caminhar em um corredor de dez metros de carvão incandescente durante evento motivacional da empresa. Alegou ainda que a iniciativa comprometeu não só sua saúde, mas a integridade física de todos que participaram da atividade. Uma das testemunhas relatou que todos, inclusive trabalhadores deficientes físicos, tiveram de participar do treinamento e que alguns tiveram queimaduras nos pés.

A empresa admitiu que fez o treinamento com a caminhada sobre brasas, mas disse que a atividade foi promovida por empresa especializada e que a participação não foi obrigatória. Segundo a distribuidora, o procedimento não teve a "conotação dramática" narrada pelo trabalhador e ocorreu em clima de descontração e alegria, sem nenhum incidente desagradável ou vexatório. Sustentou ainda que o treinamento ocorreu dois anos antes da reclamação trabalhista e que o trabalhador continuou a trabalhar para a empresa sem se manifestar.

Para o ministro, o fato de apresentar ao participante a possibilidade de caminhar por corredor de dez metros de carvão em brasa "é o bastante para constatar o desprezo do empregador pela dignidade humana do empregado". Para ele, o dano moral é consequência da conduta antijurídica da empresa.

Fusca
Ocupante do cargo de supervisor de vendas, o trabalhador também alegou que, todo mês, a empresa submetia os supervisores a um ranking de vendas, em campanha intitulada "Grande Prêmio Promoções", onde o primeiro colocado tirava uma foto ao lado de uma réplica de Ferrari, e o pior colocado ao lado de um Fusca. As fotos eram afixadas no mural da empresa e enviadas por e-mail para todos da equipe.

O funcionário com pior desempenho também era obrigado a dançar músicas constrangedoras na frente de todos, como "Eguinha Pocotó". A empresa negou as alegações, mas os depoimentos testemunhais foram aceitos pela Justiça. 

O juiz de primeira instância entendeu que a empresa ultrapassou todos os limites do bom senso, por expor o empregado ao ridículo e à chacota perante os demais colegas. "Ato repugnante, vergonhoso e humilhante e que beira ao absurdo, sendo, por óbvio, passível de indenização por dano moral," destacou. A companhia foi condenada a pagar R$ 50 mil a título de dano moral, sendo R$ 10 mil em decorrência das humilhações sofridas nas campanhas e R$ 40 mil pela caminhada sobre o carvão em brasas.

A distribuidora de medicamentos recorreu da decisão, mas o Tribunal Regional da 3ª Região manteve a condenação e negou o seguimento do recurso de revista. A empresa recorreu ao TST, mas o ministro Walmir Oliveira da Costa avaliou que a empresa pretendia reabrir o debate por meio de provas, o que é inviável de acordo com a Súmula 126 do tribunal. O caso também foi encaminhado ao Ministério Público do Trabalho. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Clique aqui para ler o acórdão.

AIRR – 92041-60.2008.5.03.0013

* Texto atualizado às 21h25 do dia 26/9/2014.

Revista Consultor Jurídico, 26 de setembro de 2014, 20h41

Comentários de leitores

3 comentários

Dupla responsabilidade

Gilberto Strapazon - Escritor. Analista de Sistemas. (Consultor)

E acrescentando ao comentário:
Muito provavelmente tal evento foi realizado por alguém contratado para isto e supostamente com experiência.
Mas aí entra a questão ética: como é que alguém que supostamente trabalha com desenvolvimento pessoal concordou em obrigar as pessoas a realizarem tal coisa?
Sabemos que em todas áreas as pessoas podem fazer qualquer coisa por dinheiro. E isto também ocorre na esfera motivacional, espiritualista, etc.
São facilmente reconhecidos pela sua popularidade que deve-se principalmente ao uso de respostas politicamente corretas e responder o que as pessoas querem ouvir.
Mas como eu vou poder fazer algum trabalho verdadeiro sendo pago para dizer o que o dono da empresa quer?
Como disse antes, o trabalho tem que começar pelos donos e diretores. E isto inclui dizer o que eles precisam ouvir e nem sempre o que eles querem ouvir.
Pagar alguém para te dizer mentiras é fácil.
Achar que estas mentiras vão trazer algum bom resultado é uma escolha.
Querer evoluir e ter consciência empresarial verdadeira significa estar disposto a ouvir e pensar realmente sobre o assunto.
Mas não existem milagres nem mudanças instantâneas assim como as famosas metodologias da moda que mudam todo ano raramente dão grandes resultados, exceto é claro, nas bonitas propagandas.
É fácil ser uma empresa grande. Difícil é ser uma grande empresa.

Treinamento Desmotivacional

Gilberto Strapazon - Escritor. Analista de Sistemas. (Consultor)

Interessante exemplo de falta de visão. Consciência empresarial significa entender que as pessoas só são motivadas se houver interesse real por elas.
Caminhar sobre brasas é possível e praticado em determinados workshops ou associado a várias linhas espiritualistas.
Porém, isto é algo que só pode ser feito voluntariamente e sómente a partir disto, a pessoa poderá ter um real ganho pessoal relacionado ao aprendizado e auto-conhecimento.
E aí vemos o que muitas empresas fazem: o dono lê numa revista qualquer que determinadas técnicas aumentam várias capacidades humanas e prontamente, acha que aquilo é um comprimido qualquer e que é só obrigar as pessoas a engolir a coisa.
Lamento, mas não adianta nada colocar as pessoas na marra num treinamento motivacional seja qual for quando as técnicas dizem primeiro que o foco é no indivíduo.
Se o foco é apenas na empresa, não existe ganho algum.
Pelo contrário. Apenas multiplica-se a visão míope da direção e as pessoas tendem a afastar-se de algo que em suas vidas particulares, sem vínculo a outra coisa, poderia ser de relevante interesse.
Não se pode obrigar ninguém a meditar ou fazer quaisquer práticas para desenvolvimento de consciência.
Não adianta nada decorar uma salinha em estilo oriental e pagar propaganda para dizer que valoriza o desenvolvimento pessoal.
Criatividade, produtividade, qualidade e portanto lucratividade começam quando a empresa participa junto e também dá reais condições de evolução.
Nunca pelo chicote que demonstra bem a total discrepância entre os tais treinamentos.
E principalmente, quem tem de fazer este trabalho pessoal, antes de quaisquer outros, são os próprios donos e diretores destas empresas.

Anotar o nome dessa empresa...

OLD MAN (Advogado Autônomo - Civil)

...Distribuidora de Medicamentos Santa Cruz, pois, tanta falta de ética com os empregados reflete também a qualidade de seus produtos e serviços. Não há mais espaço para negócios com empresas com essa mentalidade.

Comentários encerrados em 04/10/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.