Consultor Jurídico

Doutrina da mutiparentalidade

Criança terá duas mães e um pai em seu registro de nascimento

Uma criança da comarca de Nova Lima (MG) terá em seu registro o nome de duas mães e de um pai: a mãe biológica e os pais adotivos. A decisão foi possível a partir da aplicação da moderna doutrina da mutiparentalidade, que consiste basicamente na possibilidade de uma pessoa possuir mais de um pai e/ou mais de uma mãe simultaneamente, produzindo efeitos jurídicos em relação a todos eles. De acordo com o juiz Juarez Morais de Azevedo, titular da Vara Criminal e da Infância e da Juventude de Nova Lima, a multiparentalidade privilegia o melhor interesse da criança.

O pedido de adoção foi feito por um casal de Nova Lima, pois a criança vive com ele desde o nascimento, pelo fato de a mãe ter morrido em abril de 2011, em virtude de complicações pós-parto. O pai biológico da criança é desconhecido. Os pais adotantes, o irmão da mãe biológica e sua esposa, alegaram ter condições de oferecer ao menor boas condições para o seu sustento e educação, bem como para o seu desenvolvimento físico, mental e social.

A Defensoria Pública foi nomeada curadora do menor e não concordou com a adoção por entender que a criança não foi abandonada por sua mãe e, portanto, não era razoável a perda dos vínculos com a mãe biológica. Assim, para a Defensoria Pública, o casal deveria ter apenas a guarda definitiva da criança.

O Ministério Público manifestou-se favorável aos pedidos do casal, ressalvando a manutenção do nome da mãe biológica no registro, prevalecendo-se os princípios que regem o direito em detrimento à legislação engessada.

Proteção integral
Para o juiz Juarez Morais de Azevedo, no caso em questão, não há que se cogitar na destituição do poder familiar, como normalmente ocorre nos casos de adoção, pois a mãe não abandonou o menor. “Qualquer decisão deve orientar-se pelo melhor interesse e proteção integral, o que, no presente caso, impõe a adoção pelos requerentes, que têm todas as provas constantes nos autos favoráveis”, disse o magistrado.

O juiz citou ainda o parecer constante no estudo social, que deixou claro que a adoção irá regulamentar uma situação que ocorre de fato desde o nascimento da criança, além de tratar do seu melhor interesse.

Azevedo levou em conta também a oposição da Defensoria Pública em relação ao pedido de adoção. O defensor salientou que uma das consequências da adoção é o rompimento do vínculo com os pais biológicos, “medida extremamente gravosa”, uma vez que a mãe não abandonou o menor.

Parao juiz, a sugestão do Ministério Público de que a adoção seja deferida, sem a perda do vínculo com a mãe biológica, traz à baila debate interessante em relação aos novos arranjos familiares da atualidade, que têm refletido no direito de família. “Com amparo constitucional, o conceito de família tem se alargado para abranger as mais diversas formas de núcleos familiares, dando especial relevo ao afeto entre os conviventes e às situações de fato, ainda não amparadas expressamente pelo ordenamento jurídico”, destacou o magistrado.

Multiparentalidade
Juarez Morais de Azevedo afirmou que a multiparentalidade privilegia o melhor interesse da criança, que tem direito ao conhecimento de suas raízes biológicas, mas também de reconhecer como seus pais aqueles que a criam.

“Desta feita, o menor será o mais privilegiado com a situação, eis que, além de possuir em seu registro todas aquelas pessoas que contribuíram na sua formação e história de vida, fará jus a alimentos, benefícios previdenciários e sucessórios de todos eles”, disse o magistrado. Para ele, “a manutenção do nome da mãe no registro protege não só a memória da falecida, que trouxe em seu ventre o menor e certamente o amou, mas também o melhor interesse da criança, que terá conhecimento de seu passado, não passando pelos traumas advindos pela suposição de que foi rejeitado pela mãe”, pontuou.

Com essa fundamentação, o juiz entendeu ser possível o deferimento da adoção sem o rompimento dos vínculos biológicos. Com informações da Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de setembro de 2014, 7h21

Comentários de leitores

6 comentários

Sérgio Niemeyer (Advogado Autônomo)

Observador.. (Economista)

Pois é Professor. Gosto de ler seus escritos porque o senhor traduz, na linguagem do Direito, certas "doutrinas" e "princípios" que procuram alijar o povo de suas escolhas democráticas.
Um Zeitgeist lamentável, este que se abateu sobre o Brasil.

Multiparentalidade,parentalidade afetiva.Aonde vamos parar?1

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A cada dia surgem doutrinas e decisões que impregnam o sistema de contradições, o que para mim é o prenúncio perigoso de esgotamento do sistema vigente.

Primeiro, a parentalidade afetiva, que prega o surgimento de deveres e obrigações a partir da afeição, do sentimento que leva alguém a praticar liberalidades em relação a outra pessoa que não é seu filho, seja sanguíneo, seja por adoção. Na verdade, a parentalidade afetiva constitui a imposição de deveres e obrigações a uma pessoa sem que haja lei instituindo tais deveres e obrigações, o que viola pela proa a garantia fundamental de que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei.

Agora vem a doutrina da multiparentalidade, que prega a inoculação de uma Hidra parental, já que ter vários pais (em sentido estrito) e/ou várias mães é equivalente a ter um pais e/ou uma mães de várias cabeças, diversas origens, derivando uma genealogia multifulcral.

Essas doutrinas contradizem a vedação da poligamia e da promiscuidade parental e, antes as incentiva e dá azo a uma parentalidade monstruosa, teratológica, deformada a pretexto de que isso é melhor para a criança. Há também contradição com o direito de saber a origem biológica, pois se se admite a uma pessoa ter uma pluralidade de pais e/ou mães, que sentido pode haver na investigação da origem biológica ou de paternidade?

(continua)...

Multiparentalidade,parentalidade afetiva.Aonde vamos parar?2

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

(continuação)...

Assistimos, portanto, com tais doutrinas, a ruptura de valores que sempre foram encarecidamente cultivados pelas mais diversas sociedades ao longo de milênios e que sempre figuraram na base da organização social constituindo a pedra de toque da disciplina do direito de família. Agora é a promiscuidade parental que se insinua como pedra angular. O resultado dessa teratologia parental é incerto e pode desaguar na perda total das referências familiares verdadeiras, rumo a um sistema em que a pessoa não tem pai nem mãe certos, mas será filha da sociedade, do Estado. Platão excogitou algo parecido, mas que nunca vingou por ser contrário tanto à natureza primeira quanto à natureza segunda da humanidade.

(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – Mestre em Direito pela USP – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/09/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.