Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Poder de legislar

Súmulas da jurisprudência extrapolam seu papel de interpretar normas vigentes

Por 

A jurisprudência, entendida como o conjunto de decisões uniformes, proferidas no exercício da jurisdição, para a solução de conflitos sociais, possui inegável relevância na esfera do Direito[1].

Os tribunais aprovam, ainda, súmulas, que enunciam de forma resumida o entendimento firmado sobre certas matérias, após terem sido objeto de decisões reiteradas no mesmo sentido.

Cabe à jurisprudência aplicar as normas jurídicas aos casos concretos, de modo a disciplinar as relações sociais discutidas nos processos judiciais em consonância com o ordenamento jurídico.

A jurisdição, portanto, tem o importante papel de interpretar e aplicar, nos casos submetidos a julgamento, as normas jurídicas já existentes.

Nesse sentido, não cabe ao juiz, ao decidir sobre os conflitos sociais, criar normas jurídicas abstratas, mas apenas interpretá-las e aplicá-las, para que a pacificação social seja concretizada segundo o disposto previamente nas leis e na Constituição, as quais são aprovadas, legitimamente, pelos representantes do povo.

Em outras palavras, como é evidente, o poder jurisdicional não deve exercer funções típicas do poder legislativo.

Logo, a jurisprudência, no exercício da função jurisdicional, deve respeitar as normas legais e constitucionais existentes, atendo-se aos seus comandos e limites, não tendo legitimidade constitucional para criar regras jurídicas abstratas, nem inovar em matéria legislativa.

Estabelecidas essas premissas, nota-se em certos casos a presença de enunciados de súmulas da jurisprudência que extrapolam o seu papel de interpretar as normas vigentes, passando a estabelecer preceitos com densidade nitidamente normativa e geral, ao disciplinar determinadas matérias até mesmo em contrariedade às leis em vigor.

Ilustrando o acima exposto, cabe fazer menção à atual redação da Súmula 277 do Tribunal Superior do Trabalho, aprovada em setembro de 2012, ao assim prever: “As cláusulas normativas dos acordos coletivos ou convenções coletivas integram os contratos individuais de trabalho e somente poderão ser modificadas ou suprimidas mediante negociação coletiva de trabalho”.

Questiona-se qual seria o fundamento legal e constitucional para essa previsão, especialmente ao prever a integração das cláusulas normativas de convenções e acordos coletivos aos contratos individuais de trabalho.

O artigo 468 da Consolidação das Leis do Trabalho, evidentemente, não tem aplicação ao caso em discussão, uma vez que trata, de forma expressa, apenas de direitos voltados à esfera do contrato individual de trabalho, na relação jurídica mantida entre empregado e empregador[2].

Vale dizer, o referido preceito legal não pode ser aplicado a hipóteses que não integram o seu comando normativo, sob pena de manifesta ilegalidade, como é o caso das relações coletivas de trabalho, mais especificamente das cláusulas estabelecidas por meio de negociação coletiva de trabalho.

O artigo 114, parágrafo 2º, da Constituição da República, por seu turno, não dispõe, em parte alguma, que as disposições previstas em acordos coletivos e convenções coletivas de trabalho integram os contratos individuais de trabalho[3].

O dispositivo constitucional apenas prevê, como regra de julgamento, para nortear o juiz na decisão de dissídio coletivo, que devem ser respeitadas as condições de trabalho convencionadas anteriormente.

Aliás, na verdade, a interpretação mais atenta do artigo 114, parágrafo 2º, da Constituição Federal de 1988, revela que as disposições pactuadas por meio de negociação coletiva não integram os contratos individuais de trabalho.

Afinal, caso elas se incorporassem aos contratos de trabalho, não haveria motivo para o preceito constitucional ter de estabelecer a referida regra para o julgamento dos dissídios coletivos.

Em outras palavras, se as cláusulas normativas de acordos coletivos e de convenções coletivas de trabalho integrassem os contratos individuais de trabalho, o juiz, automaticamente, ao julgar o dissídio coletivo, já estaria obrigado a reiterar as suas previsões.

Justamente porque essas disposições convencionadas não integram os contratos individuais de trabalho é que a Constituição precisou determinar que elas devem ser consideradas pela sentença normativa.

Essa conclusão também é confirmada, no plano infraconstitucional, com a previsão no sentido de que as convenções e acordos coletivos possuem vigência limitada no tempo, conforme os comandos expressos dos artigos 613, inciso II[4], e 614, § 3º[5], da CLT.

Nesse sentido, inclusive, estabelecia a redação original da Súmula 277 do Tribunal Superior do Trabalho: “As condições de trabalho alcançadas por força de sentença normativa vigoram no prazo assinado, não integrando, de forma definitiva, os contratos”.

Ademais, já existiu lei que previa a integração dos acordos coletivos e das convenções coletivas aos contratos individuais de trabalho, mas esse diploma legal foi expressamente revogado (Lei 8.542/1992, art. 1º, § 1º)[6].

Ora, se houve necessidade de lei estabelecer essa incorporação, isso significa que o preceito legislativo, já revogado, não pode ser restaurado pela jurisprudência, por se tratar de matéria tipicamente legislativa, fora do alcance da jurisdição.

Se a lei que previa essa integração das cláusulas normativas de acordos coletivos e convenções coletivas foi expressamente revogada, é evidente que, não mais havendo previsão normativa no sentido dessa incorporação, os referidos instrumentos normativos negociados, por terem vigência limitada no tempo, não mais integram os contratos individuais de trabalho.

Tanto é assim que a redação anterior da mencionada Súmula 277 do TST, aprovada em novembro de 2009, dispunha que: “I - As condições de trabalho alcançadas por força de sentença normativa, convenção ou acordos coletivos vigoram no prazo assinado, não integrando, de forma definitiva, os contratos individuais de trabalho. II - Ressalva-se da regra enunciado no item I o período compreendido entre 23.12.1992 e 28.07.1995, em que vigorou a Lei 8.542, revogada pela Medida Provisória 1.709, convertida na Lei 10.192, de 14.02.2001”.

Logo, não há como se admitir que a jurisprudência legisle a respeito da matéria, de manifesta importância para as relações sociais, em exercício de atividade completamente estranha à jurisdição, por ser inerente a outros poderes constitucionais, e em sentido contrário ao que decorre do ordenamento jurídico em vigor.

Como é evidente, se o preceito legal foi revogado, no Estado Democrático de Direito, no qual a harmonia entre os poderes deve ser respeitada, não cabe à jurisprudência exercer função nitidamente legislativa, passando a dispor no sentido de lei que já foi revogada.

Mesmo porque a noticiada modificação do entendimento jurisprudencial sumulado, quando comparado com o que prevalecia anteriormente, se bem examinarmos, não foi antecedida de qualquer alteração constitucional ou legislativa, nem mesmo havendo precedentes que fundamentem a atual redação da Súmula 277 do TST.

No exercício da jurisdição, não se admite que, a pretexto de decidir de forma supostamente mais justa, imponha-se a vontade e o sentimento pessoal do julgador, em manifesta contrariedade aos comandos do ordenamento jurídico.

Nota-se, portanto, que o papel a ser exercido pela jurisprudência merece efetivo e maior debate, levando em consideração as premissas constitucionais relativas à legitimidade democrática para o exercício da função legislativa.


[1] Cf. GARCIA, Gustavo Filipe Barbosa. Introdução ao estudo do direito: teoria geral do direito. 2. ed . São Paulo: Método, 2013. p. 113-117.

[2] “Art. 468. Nos contratos individuais de trabalho só é lícita a alteração das respectivas condições por mútuo consentimento, e ainda assim desde que não resultem, direta ou indiretamente, prejuízos ao empregado, sob pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia”.

[3] “§ 2º Recusando-se qualquer das partes à negociação coletiva ou à arbitragem, é facultado às mesmas, de comum acordo, ajuizar dissídio coletivo de natureza econômica, podendo a Justiça do Trabalho decidir o conflito, respeitadas as disposições mínimas legais de proteção ao trabalho, bem como as convencionadas anteriormente”.

[4] “Art. 613. As Convenções e os Acordos deverão conter obrigatoriamente: [...] II - Prazo de vigência”.

[5] “§ 3º Não será permitido estipular duração de Convenção ou Acordo superior a 2 (dois) anos”.

[6] “§ 1° As cláusulas dos acordos, convenções ou contratos coletivos de trabalho integram os contratos individuais de trabalho e somente poderão ser reduzidas ou suprimidas por posterior acordo, convenção ou contrato coletivo de trabalho” (revogado pela Lei 10.192, de 14.2.2001).

 é livre-Docente pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Doutor em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Especialista em Direito pela Universidad de Sevilla.

Revista Consultor Jurídico, 3 de setembro de 2014, 8h33

Comentários de leitores

1 comentário

A revolta já virou projeto de lei

Amelia Mismas (Administrador)

A interpretação conferida pelo TST à ultratividade das normas coletivas não encontra qualquer amparo na Constituição ou na CLT. Se as normas coletivas estabelecem que irão ter vigência no prazo ali determinado, (art. 614 da CLT), qualquer interpretação que diga o contrário está literalmente afrontando a Constituição (art. 7º, XXVI). Felizmente, a revolta da sociedade com a nova redação da Súmula 277 conferida pelo TST já chegou à Câmara dos Deputados, e existe um projeto de Lei 6.411/2013, do Dep. Carlos Bezerra, com a seguinte redação ao art. 614 da CLT: "Não será permitido estipular duração de Convenção ou Acordo coletivos superior a quatro anos , sendo inaplicável o princípio da ultratividade das cláusulas normativas, cujas condições de trabalho vigoram no prazo assinado, sem integrar, de forma definitiva, os contratos".
SRS. CONGRESSISTAS A SOCIEDADE ESPERA QUE ESTE PROJETO SEJA APROVADO COM URGÊNCIA, VISTO QUE O ART. 7, XXVI DA CONSTITUIÇÃO FOI DESCONSIDERADO PELO TST. CHEGA DE DESPOTISMO JUDICIAL, O PAPEL DA MAGISTRATURA NÃO É REFORMAR A CONSTITUIÇÃO E A CLT.

Comentários encerrados em 11/09/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.