Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Poder de investigar

Operadoras reclamam de pedidos de delegados para quebra de sigilo telefônico

Por 

As operadoras de telecomunicações brasileiras estão preocupadas com os superpoderes que os delegados de polícia ganharam com a Lei 12.830/2013 e com a nova lei que trata de organizações criminosas. As empresas afirmam que, com base nesses dispositivos, os delegados de Polícia Civil as têm intimado em busca de informações que, em tese, só poderiam ser concedidas por meio de ordem judicial.

O artigo 2º da Lei 12.830/2013, do dia 30 de junho de 2013, diz que as atividades de polícia judiciária e “apuração de infrações criminais” são “essenciais e exclusivas de Estado”. O parágrafo 2º desse dispositivo diz que “durante a investigação criminal, cabe ao delegado de polícia a requisição de perícia, informações, documentos e dados que interessem à apuração dos fatos”.

Até aí, nenhuma novidade. Só que um mês depois da Lei 12.830 veio a Lei 12.850. Foi esse dispositivo que redefiniu a organização criminosa no ordenamento jurídico brasileiro. A reclamação das empresas de telecom está nos artigos 15 e 17 da lei da organização criminosa.

O artigo 15 autoriza o delegado de polícia e o Ministério Público, “independentemente de autorização judicial”, a ter acesso aos dados cadastrais de investigados. Já o artigo 17 obriga as operadoras a manter os registros de identificação dos números de telefone que fizeram e receberam ligações pelo prazo de cinco anos.

Com base nessa combinação de leis, delegados de Polícia Civil do Brasil inteiro estão intimando operadoras em busca de informações como “bilhetagens das últimas chamadas efetuadas e recebidas, com as respectivas ERBs [Estações Rádio-Base]”, de celulares roubados para que se localizem os suspeitos pelo roubo, conforme diz intimação recebida pela Tim em Londrina (PR).

Outras intimações são menos específicas. Uma recebida também pela Tim, mas em Recife, pede “os dados cadastrais das pessoas titulares que tenham algum número cadastrado com esta operadora sob o Imei” — Imei é um código instalado pelas operadoras em celulares para rastreá-los em caso de perdas ou roubos.

Em João Pessoa, a Polícia Civil pergunta à Tim quem é o usuário que responde por um determinado IP e pede que a operadora informe o número do celular dessa pessoa, o CPF, endereço e o histórico de ligações dos últimos seis meses. Nenhuma das duas intimações explica por que são necessárias essas informações.

Inconstitucionalidade
Por causa dessas intimações é que a Associação Nacional das Operadoras Celulares (Acel) pediu para que o Supremo suspenda a eficácia da lei. A entidade é autora de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade em que questiona a Lei 12.830. Essa ADI tramita junto com outra Ação Direta de Inconstitucionalidade, proposta pela Procuradoria-Geral da República. Ambas são de relatoria do ministro Luiz Fux. 

A Acel é representada nos autos pelos advogados Rodrigo Mudrovitsch, Leandro Dias Porto Batista e Lucas Faber de Almeida Rosa, do Mudrovitsch Advogados. De acordo com a petição enviada ao Supremo, “a norma impugnada vem sendo largamente utilizada para a requisição de informações, documentos e dados que, quando muito, podem ser violados apenas mediante decisão judicial, gerando inaceitável situação de insegurança jurídica”.

Segundo a entidade, como as operadoras se recusam a cumprir as intimações “por impossibilidade constitucional”, elas ficam submetidas a “litígios judiciais e à possibilidade de indiciamento de seus representantes por crime de desobediência”. A ameaça de responder por desobediência está, de fato, em uma intimação.

Atividade privativa
Na inicial da ADI proposta pela PGR, o órgão afirma que a lei permite a interpretação de que a investigação criminal é função exclusiva da polícia, o que é inconstitucional.

De acordo com a PGR, a lei viola o artigo 129 da Constituição Federal, que descreve as funções do Ministério Público. Isso porque, segundo a inicial da ADI, a doutrina entende que o inciso VI do artigo dá ao MP o poder concorrente ao da polícia de conduzir investigações criminais.

A PGR também alega que, embora o inquérito policial seja exclusivo da polícia, existem outros meios de investigação, como os conduzidos por agências reguladoras do mercado financeiro, ou pela Receita Federal.

Clique aqui para ler a petição da Acel na ADI 5.059.
Clique aqui para ler as intimações recebidas por operadoras de delegados de Polícia Civil.

 é editor da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 29 de outubro de 2014, 17h57

Comentários de leitores

9 comentários

País da possibilidades impossíveis

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

Você tem sua privacidade invadida porque seu sigilo do cadastro de telefonia foi quebrado. Essas operadoras bandidas vendem seus dados e você começa receber ligações de vendedores de serviços, estelionatários, bandidos de todos os tipos, cobranças abusivas de dividas inexistentes, serviços de download de filmes pornôs e mensagens messiânicas mesmo quando não se têm smartphone. Daí você ligar para a operadora querendo identificar quem está te ligando e recebe como resposta que se tem de pedir a quebra do seu próprio sigilo telefonico! Notícias dão conta que a Oi e outras querem comprar a TIM. Outra notícia diz que a Oi está sendo investigada pela CVM por manipulação, estelionato e fraude no preço de ações na frustradas venda para Portugal Telecom. Vão ver fortun aqu o BNDES enterrou lá para viabilizar a fusão com a BRASIL Telecom. Quando da privatria do Sistema Telebras um dos objetivos decatados pelo Tucanato goela, era acabar com o monopólio. Com a venda da TIM para a Claro que é da Embratel, Vivo que é da Telefonica e Oi que não se sabe se têm dono, estamos assistindo a formação de um oligopólio organizado ou Cartel ou Máfia como quase toda a economia Brasileira e que se dane o mercado, o consumidor que paga as tarifas mais caras da Galáxia. Chamem o ladrão. Sim, transferiram o SAC para os Juizados Especiais.

Desfaçatez

Alan Souza (Delegado de Polícia Federal)

É incrível a desfaçatez das operadoras telefônicas. São concessionárias de serviço público. Ao invés de empregar suas energias ajudando as autoridades no fornecimento de dados úteis nas investigações, preferem plantar reportagens que tentam desqualificar a atividade policial, que é feita com muita dedicação.

A verdade: não querem se estruturar para atender às requisições.

E vêm com esse mimimi...

Dados cadastrais não se confundem com sigilo das comunicações telefônicas. Os dados não se sujeitam à clausula de reserva de jurisdição. O resto é conversa fiada

Engôdo

GLAYSTON (Delegado de Polícia Federal)

O título da matéria já leva a um erro primário, não há quebra de sigilo telefônico, há simplesmente acesso aos dados cadastrais do usuário do telefone celular, e no outro caso, a possível localização do usuário do telefone celular.
O que ocorre é que aumentaram os custos das operadoras em razão da quantidade de pedidos. Se o serviço fosse pago, com certeza as Operadoras não estariam reclamando disso, e com certeza ainda agregariam outros serviços para faturar mais.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/11/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.