Consultor Jurídico

Lesão à ordem

Nível cai para 3,9% e Justiça libera uso da 2ª cota do volume morto da Cantareira

Está liberado o uso da 2ª cota do volume morto do Sistema Cantareira. O Tribunal Regional Federal da 3ª Região suspendeu a liminar que impedia o uso da reserva técnica e determinava que a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (Daee) revissem a retirada feita pela Companhia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Sabesp). De ontem (16/10) para hoje (17/10), o nível do sistema caiu de 4,1% para 3,9%, de acordo com o monitoramento diário da Sabesp.

O presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, desembargador federal Fábio Prieto, suspendeu a liminar concedida pela 3ª Vara Federal de Piracicaba (SP) a pedido da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) e do Daee. “Compete ao presidente do tribunal, ao qual couber o conhecimento do respectivo recurso, suspender, em despacho fundamentado, a execução da liminar nas ações movidas contra o Poder Público ou seus agentes, a requerimento do Ministério Público ou da pessoa jurídica de direito público interessada, em caso de manifesto interesse público ou de flagrante ilegitimidade, e para evitar grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas”, declara o desembargador ao embasar a decisão. Fábio Prieto destaca ainda que a fundamentação do Juízo de primeiro grau tem caráter eminentemente local.

A liminar obtida no dia 10 deste mês foi proposta em ação dos ministérios públicos Estadual e Federal com o objetivo de garantir que o consumo da primeira parte do volume morto não se esgotasse antes de 30 de novembro e que não provocasse prejuízos às vazões para a bacia hidrográfica dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ). Determinava ainda que a ANA e o Daee definissem semanalmente as vazões a serem cumpridas com a fixação de metas de restrição ou suspensão de utilização de água pelos usuários. O documento estabelecia ainda que os órgãos adotassem medidas necessárias para que no prazo de cinco anos ocorra a recuperação do Sistema Cantareira no volume integral, com nível de segurança superior a 95% de garantia de abastecimento.

Nesta quinta-feira (16/10), a Sabesp informou que restavam apenas 40 bilhões de litros de água da primeira cota da reserva técnica do Cantareira, cuja retirada começou no dia 16 de maio. Segundo a Sabesp, a segunda cota acrescentará mais 106 bilhões de litros ao sistema.

A presidente da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp), Dilma Pena, admitiu na quarta-feira (15/10), em depoimento na Câmara dos Vereadores, que, se não chover nos próximos dias, a primeira cota de volume morto pode acabar em meados de novembro. Com informações da Agência Brasil.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de outubro de 2014, 20h09

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 25/10/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.