Consultor Jurídico

Notícias

Suspeita de suicídio

Juíza se retrata por comentário no Facebook sobre morte de servidora no TRT-2

Comentários de leitores

13 comentários

Juíza se retrata

iranilealferreira (Advogado Sócio de Escritório - Família)

Excelência!
Só pelo fato de ter se retratado, já denota ser uma pessoa humilde e reconheceu que se excedeu.
Quem se suicida, se encontra no fundo do poço, por isso, é merecedora de "compaixão". São pessoas, que perderam até mesmo a fé em DEUS!
Vamos orar e pedir que a colega Servidora tenha paz! pois não se sabe o que ela estava passando; quais as suas angústias e sofrimentos.
Meus sentimentos aos familiares!
Irani de Souza Araújo Leal Ferreira - Advogada em Brasília-DF.

Parcimônia

JoãoFormatti (Estudante de Direito - Trabalhista)

Quem já teve a oportunidade de acompanhar alguma audiência da Juíza Elisa Andreoni pode notar a grande atenção e humanidade que ela deposita em seu trabalho. Embora eu ainda seja apenas um estudante que está engatinhando no mundo do conhecimento jurídico, são profissionais como a Dra. que fazem eu ter certeza que encontrei minha vocação.
Uma atitude isolada não pode ser parâmetro para julgar a personalidade de alguém, nem da Juíza tampouco da Servidora.

Relações sociais e humanas

Eliseu Fogaça (Administrador)

A entidade defende a juíza ao dizer que as relações sociais e humanas “não podem ser definidas ou catalogadas por um único ato”.
Tal entendimento deveria ter sido dado também a torcedora do Grêmio que fez uma manifestação infeliz no momento errado e teve toda sua vida resumida para aquele momento!!

Egoismo inato ao ser humano

seazeal (Serventuário)

Reconhecer o erro e tentar se retratar é muito bom! O problema é que a pecha do egoismo já foi lançado na rede. Não estou aqui para julgar a magistrada, pois sua consciência já o fez. O alarde que se faz é porque a sociedade espera sempre dos juízes dos juízes um equilíbrio e uma razoabilidade sem precedentes. Eu espero deles, além da lisura um comprometimento com a vida, um porto seguro em quem podemos confiar. A magistrada falhou, primeiro pelo egoísmo que é inato ao ser humano, mas que devemos reprimir; segundo por colocar em segundo plano a vida, esta indiscutivelmente não pode ser renegada por qualquer outro ideal. A atitude da magistrada nada mais foi do que a expressão do egoismo que não foi reprimido. Ela, coitada, recém titularizada numa vara, queria, com a euforia de um adolescente que arruma a primeira namorada, tinha o desejo de delimitar seu território e mostrar serviço. Nesse sentido, deduz-se de suas palavras, que nada poderia atrapalhar. Falhou ao se mostrar insensivel à dor, à morte e, essa conduta não é a esperada de uma magistrada. Que esse episódio sirva de exemplo em nossas vidas de que nem tudo é válido para atingir nossos objetivos. Que a magistrada olhe para seus servidores como seres humanos, que diga não ao assédio moral na sua Secretaria, que seja mais humana no seu cotidiano e se despoje do egoismo inato do ser humano. Saúde mental e bola para frente!

Agora falta o SINTRAJUD

Raphaella Reis de Oliveira (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Na terça-feira, nenhum servidor soube informar se este comentário era verdadeiro ou não. Vejo agora que era. Foi infeliz da juíza, sim. Mas ela se retratou, ou seja, percebeu que tinha dito uma bobagem sem precedentes.
Gostaria mesmo de ver o SINTRAJUD se retratando pelo circo armado em cima dessa tragédia, tudo pela autopromoção, na terça de manhã. Disseram que iam fazer um memorial para a servidora. Colocaram parentes dela ali sentados. E em vez de tratar dela (que sequer conheciam, ela estava ali há pouco mais de 2 meses), desandaram a falar mal da presidência do Tribunal e chegaram a insinuar que o trabalho a matou. Sem contar os tais "direitos terapêuticos" que afirmaram "buscar com muita luta diante dessa tirania".
Isso sim, achei lamentável. Pior que selfie sorrindo em velório.

História contada pela metade

RRocha (Outros)

A declaração da nobre juíza foi mais insensível do que foi demonstrado nesta reportagem. O teor completo de sua declaração foi o seguinte:
"Você quer se matar, se mata!!! Mas escolha um lugar que não vai atrapalhar a vida dos que querem viver, dos que precisam viver, dos que tem que viver até para manter a vida de outras pessoas que dependem dela!!!!".
Disse isso com status de "se sentindo revoltada".
Diante disso, na Carta aberta a sociedade, em nenhum momento demonstrou solidariedade com a servidora Amanda, em nenhum momento pediu perdão aos familiares e amigos de Amanda, procurando apenas livrar-se das críticas da "sociedade".
Caberia uma segunda tentativa de desculpas, que esta não me convenceu..

Retratação digna de elogio?

Voldyriov (Outros - Trabalhista)

Conjecturar sobre os motivos que levam alguém a tomar uma decisão tão drástica, se comprovado o suicídio, sem contato direto com as provas seria no mínimo leviano, mas é notório que a tese do assédio moral nas relações de trabalho tem a sua origem na psiquiatria diretamente relacionado às estatísticas de suicídio, será que haverá alguma apuração?
Independente de retratação ou qualquer menção a trajetória profissional alegadamente humanista, espero que a juíza responda judicialmente pelo declarado.
Não posso exprimir em palavras minha indignação por tal declaração absurda e o manto de impunidade já colocado, mas observar notícias atualmente é vigiar o absurdo e a subversão da lógica, infelizmente.

Egoísmo/falta de empatia

Frolla (Outros)

Espero que ela além de pedir perdão, também saiba perdoar quando outros trabalhadores cometerem algum erro. Infelizmente a atitude dela é muito comum no Brasil: tratamos o suicida como um fraco que atrapalha o trânsito quando se atira pela janela. Essa nosso indiferença é muito comum. Por que ela não se importou com essa pessoa antes, quando ela precisava de ajuda? Acho que a juíza foi egoísta e se retratou apenas para livrar sua própria cara.

Há um projeto de lei que transforma a psicofobia em crime.

Humildade para poucos!

Maisa Severo (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Gostei muito da atitude, pois quem nunca falou alguma coisa sem pensar, que atire a primeira pedra!
Vista os juízes que conheço, não terem nenhum humildade, acredito ser bem válido sua atitude. Parabéns!

Errar é humano!

Valdecir Correia de Araujo (Assessor Técnico)

MM. Juíza.
ah! se todos tivéssemos a coragem de reconhecer o erro, e pedirmos desculpas. Li a sua carta de retratação, e confesso que me emocionei. Muitas vezes num lapso de tempo fazemos, ou dizemos alguma coisa que na verdade não queríamos, mas ter a coragem de se retratar, poucos são capazes. Errar é humano, reconhecer o erro, uma virtude. Saiba que esse erro será pequeno, em relação ao seu grande trabalho dirigido a sociedade. Tire dessa situação as coisas boas, e continue seu belíssimo trabalho.

Parabéns Juiza

Observador.. (Economista)

Acho que a senhora falhou, por ter demonstrado falta de empatia com o fim da existência de outro ser humano mas corrigiu, com humildade e de forma serena.

Pensamentos transitórios tornam-se definitivos no facebook!

Medeiros Fragoso Advocacia (Estudante de Direito - Previdenciária)

Boa Tarde Excelência.
Presto a minha solidariedade. Estamos vivendo uma era medieval, a qual é tomada por um sentimento de revolta, isto é, tudo e todos contra um, cujo fim é diminuir, ou melhor, humilhar de forma predatória qualquer cidadão ou cidadã, que por motivo de forte emoção ou simplesmente por descontração "ato sem pensar" venha proferir algum comentário numa rede social. Assim, diante dos fatos, deixe de usar essas redes-sociais, pois será o melhor para V. Exª., todavia é uma autoridade de suma importância em nossa sociedade. Reflexão. FRAGOSO, Sílvio.

Muito bem!

Roderictus (Advogado Autônomo)

A retratação foi muito boa. De fato demonstrou que errou, mas foi humana para reconhecer. Parabéns pela humildade! Qualquer um erra. E qualquer um tem que perdoar!!

Comentar

Comentários encerrados em 25/10/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.