Consultor Jurídico

Comentários de leitores

9 comentários

Democracia é onde, muitas vezes, ouvimos o que não queremos

Alexandre Ricardo Menegon (Funcionário público)

Acho que quem crítica qualquer tipo de voto, não entende o que é democracia, democracia não é “Governo do povo; soberania popular; democratismo”, como está no “Aurélio”.

Não acho que vota em branco, nulo, ou se abstém, desperdiça o voto, simplesmente não quer participar de um jogo viciado, democracia é onde, muitas vezes, escutamos o que não queremos, quando todos cantam em uma só voz, parece mais uma ditadura.

Se eu lhe disser você pode escolher a sua cor preferida; e depois falo para você escolher entre branco, preto e cinza, por exemplo, será que a maioria vai escolher a sua cor preferida? Acho que não, me parece que a primeira escolha foi minha quando selecionei as cores que eu queria que você escolhesse.

O problema maior é justamente a legitimidade, pelos números do 1º turno, vemos que mesmo com apenas três “cores” relevantes, nenhuma delas conseguiu representar a maioria do povo brasileiro; e pior, a 1ª colocada só foi aceita por 30,29% dos eleitores, se não errei a conta, ou seja, qualquer que seja o resultado, o(a) presidente será a primeira escolha de menos de um terço da população votante.

Viva a mágica dos votos válidos e a mágica do 2º turno. Afinal assim vão nos convencer que o vencedor foi a escolha da maioria.

Como dizem..., “a banca (do jogo) sempre vence”, afinal quem faz as regras?...

Uma pergunta, Juracy:

Marco 65 (Industrial)

Já que você defende a tese de que "tudo que é bom para os EUA é bom para o Brasil, me responda, SIM ou NÃO:
- O "Direito" da Alemanha é bom para o Brasil????

Votar é preciso

Rodrigo P. Barbosa (Advogado Autônomo - Criminal)

A premissa da democracia representativa necessita que se vote para haver legitimidade. Se apenas uma pequena parcela da população votar, digamos 30%, como podemos dizer que qualquer decisão tomada pelos governantes é legítima? Simplesmente cumprir os requisitos da CF e das leis a torna legal, e não necessáriamente legítima. Portanto, o voto obrigatório faz sentido, pois é só através do voto que se legitima a democracia. Ahhh, mas não funciona bem assim? Ok, sua solução é piorar o problema então, ao invés de melhorar?

Ficar dizendo que voto é obrigação é correto também, mas isso não exclui ele ser um direito. E qual o problema de ser uma obrigação? Nós não deveríamos ter obrigação nenhuma para com a sociedade? Para com a democracia?

O clamor pelo voto facultativo é o brado do oprimido que, ao invés de querer sua libertação, pede para quem pintem as grades de outra cor mais ``fashion''. Afinal, o voto é facultativo nos EUA, e o que é bom para os EUA, é bom para o Brasil. Não é, Juracy?

Voto facultativo????

Marco 65 (Industrial)

O EDSON (bacharel) tocou na casca da ferida...
A grande massa que vota em político corrupto e ostenta bandeira de partido campeão em corrupção é aquela que, efetivamente comparece às urnas por obrigação, pela falta de alfabetização e informação, apenas se importando em agradecer alguns privilégios sociais obtidos, tipo bolsa isto, bolsa aquilo, minha casa minha dívida eterna, etc. etc.
VOTO É COISA SÉRIA! Portanto, deve ser exercido por quem tem noção do que está fazendo... se hoje o voto fosse facultativo, os resultados seriam muito diferentes...
Mas, não nos iludamos... quem detém o poder hoje vai continuar fazendo ouvidos de mercador e deixar as coisas como estão.
A propósito, levanto aqui uma dúvida sobre as apurações:
COMO FISCALIZAR UMA APURAÇÃO FEITA ELETRÔNICAMENTE? Alguém já se deu conta que em computação tudo é possível? Colocar algumas variáveis dentro do programa, instruindo o processador ao bel prazer é coisa simples de fazer.... e IMPOSSIVEL de se fiscalizar...
Para o povo em geral, "computador não erra"...
Afinal, aonde está o código fonte para ser conferido?
E, se apresentado e conferido, quem vai garantir que é o mesmo que será instalado nas máquinas?
Alguém ainda acha que os EUA não informatizaram seus pleitos por falta de tecnologia???
Vamos falar sério, gente!!!

Um quarto dos eleitores não votou para presidente neste domi

sjdefenderall (Advogado Autônomo - Civil)

Brasileiros que votam em branco e nulo, são os 'silenciosos' cuja voz jamais será ouvida e, portanto, em última análise, isso permite a leitura de que esses cidadãos não têm responsabilidade com as futuras gerações ou com os destinos do Brasil. Enquanto isso, aqueles que anularam o voto, demonstram menoscabo ao País em que nasceram, desconsiderando, por certo, o nosso passado glorioso havido com inúmeras vicissitudes e percalços, bem como, pouco se importam com a realidade universal acerca da evolução necessária para não sermos engolidos pela voracidade econômica e ideológica que vem sendo sufragada mundo afora e pela cupidez política interna. Além disso, não souberam valorizar o sentimento maior da Pátria que lhes concede, pelo esforços da grande maioria, as benesses correlatas à Liberdade e da Democracia. Ao anularem o voto, nada constroem; ao contrário, destroem aquilo que foi construído pelos outros e, acima de tudo, essa conduta não lhes aproveita sob nenhum aspecto e degeneram o direito ao voto, em holocausto às perspectivas razoáveis do progresso civilizatório que ele proporciona.

Dever e não obrigação!

Observadordejuris (Defensor Público Estadual)

O voto obrigatório é, sem embargo, um tapa na cara da democracia. Pois é!

... pela primeira vez ...

Luiz Eduardo Osse (Outros)

... concordo com esse tal de 'levandóvisqui' ... em termos práticos, já temos o voto facultativo ... agora, que tal legalizá-lo de uma vez por todas? Tá aí uma tarefa legal para o novo congresso nacional .... (ô russomano e quejandos ... vê se ceis empunham essa bandeira!)

Abstenções

EDSON (Bacharel)

Discordo da afirmativa do cientista político Hermes Zanet, quando afirma que que as abstenções eleitorais são reflexos de desencanto dos eleitores com a política, por se tratar de uma análise superficial e sem o fundamento necessário para consolidação de uma tese. Peço vênia ao Ministro Marco Aurélio para, também, discordar que a opção seja o voto facultativo, não que esteja concordando com o Ministro Levandowski, mas com a degradação do ensino brasileiro. Conclui dois cursos de nível superior (contábeis em 1974 - UFC e direito pela UNIFOR, EM 2008). Em toda minha vida estudantil foi-me ensinado o que é o voto. Apenas, conclui que se tratava de uma obrigação legal o que está explícito nos pronunciamentos deste texto. Os brasileiros não sabem o que é o VOTO, não sabem que ao votar estão passando uma procuração passada em branco, ao candidato para agir em seu nome. Porque em branco, porque após o pleito se perguntarmos em quem votou o eleitor já não se lembra mais. Votou, apenas, para cumprir a norma legal obrigatória. Talvez isto justifique este desencanto do cientista. Se o cidadão soubesse, que ao votar, está nomeando alguém para lhe representar, tanto no Executivo como no Legislativo, não agiria da maneira que age. Colocando nos poderes representantes sem ética, sem moral e muito menos pessoas respondendo processos de toda e qualquer natureza, até mesmo improbidade administrativa. Estou criando a ASSOCIAÇÃO DOS ELEITORES REPUBLICANOS, com a finalidade de levar ao cidadão todas as informações necessárias para que possa desempenhar o seu papel de cidadão escolhendo pessoas dignas para lhes representar e fiscalizar o procedimento daqueles que vierem a assumir cargos eletivos. Espero contar com vossas colaborações.

Lewandowski é pobre?

herto (Técnico de Informática)

Esquerda caviar?

Comentar

Comentários encerrados em 13/10/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.