Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Guerra de palavras

Texto de direito de resposta não precisa ser apresentado no início da ação

Em ações que pedem direito de resposta, não há exigência de apresentar o texto a ser veiculado no momento do ajuizamento do processo. Isso porque, em 2009, o Supremo Tribunal Federal derrubou a Lei de Imprensa, que listava a condição.

Assim, a 5ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo rejeitou agravo de instrumento em que o SBT questionava a ausência do conteúdo da réplica pretendida pela empresa Helibase, dona de um heliponto na região da sede da emissora, em Osasco (Grande São Paulo). Dessa forma, a condenação para publicar o direito de resposta da empresa está mantida.

A decisão é mais um capítulo de uma disputa que teve início em 2012, quando o projeto foi anunciado. No recurso analisado pela 5ª Câmara, a companhia alega que a emissora “está utilizando seus meios de comunicação para desmoralizar o empreendimento”, na tentativa de barrar a construção, ao lado da sede do SBT.

De acordo com o processo, o SBT tratava o projeto em suas reportagens como heliporto e afirmava que o impacto das obras sobre a população vizinha e a interferência ambiental “são facilmente constatáveis”. Em outro agravo, de 6 de novembro de 2013, sustentou, ainda, que as reportagens veiculadas sobre o empreendimento “se limitaram a divulgar fatos de interesse da população”.

A companhia defendia que tratava-se de um “centro de hangaragem, manutenção, conserto e reforma de helicópteros”, que necessita de um heliponto para viabilizar a operação.

Terminologia
O relator do agravo de 2013, desembargador J.L Mônaco da Silva, entendeu que “a documentação acostada aos autos permite concluir que a agravante está construindo um ‘heliponto’, cumprindo — aparentemente — as normas legais. Não está construindo um ‘heliporto’, como alardeia o agravante em suas reportagens — com equívoco ou, quem sabe, com má-fé”.

A diferenciação é prevista no Código Brasileiro de Aeronáutica em seu artigo 31: helipontos são destinados exclusivamente a helicópteros; já os heliportos são têm instalações de apoio operacional e de embarque e desembarque de pessoas ou cargas.

A prefeitura de Osasco acabou entrando na disputa e cassou o alvará das obras em janeiro de 2013, alegando “desvio do objeto inicial”, de acordo com o advogado da Helibase, Ricardo Collucci, em referência à diferença entre heliponto e heliporto. A autorização foi restituída cerca de um mês depois, ainda de acordo com Collucci. 

O entendimento do desembargador Mônaco da Silva foi seguido pela maioria da 5ª Câmara. Assim, proibiu a emissora de publicar “inverdades ou distorções, sob pena de pagar multa de R$ 50 mil”. O SBT chegou a descumprir a imposição e a multa foi aumentada para R$ 150 mil. Depois, questionou o fato de o texto do direito de resposta não ter sido apresentado no ajuizamento da ação — recurso que agora foi negado.

Processo 2142702-47.2014.8.26.0000
Clique aqui para ler a decisão.

Revista Consultor Jurídico, 1 de outubro de 2014, 14h33

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 09/10/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.