Consultor Jurídico

Auxílio-reclusão

Limite econômico para concessão de benefício pode ser flexibilizado

A flexibilização do critério econômico para concessão do benefício de prestação continuada pode ser aplicada ao auxílio-reclusão, se há necessidade de proteção social. Dessa maneira, fica permitido ao julgador flexibilizar a exigência para aprovar a concessão do benefício. É o que entendeu, por unanimidade, a 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça em recurso repetitivo.

Acompanhando o voto do relator Napoleão Maia da Cunha, a turma entendeu que a semelhança do caso com a jurisprudência firmada pelo STJ em relação ao benefício de prestação continuada permite ao julgador flexibilizar também o critério econômico para deferimento do auxílio-reclusão, ainda que o salário de contribuição do segurado supere o valor legalmente fixado para configurar baixa renda.

Dessa forma, ficou mantida decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, que determinou o pagamento do auxílio a uma segurada reclusa. A última remuneração recebida por ela ultrapassava em pouco mais de R$ 10 o valor legalmente fixado como critério de baixa renda (R$ 710,08, atualizados em março de 2008)  — a última remuneração da segurada foi de R$ 720,90.

O TRF-3 havia observado que, por ser irrisório, o valor superado não impedia a concessão do benefício. O INSS recorreu ao STJ, alegando que para a concessão do auxílio-reclusão, é indispensável a prova de que o segurado recluso enquadra-se no conceito de baixa renda. Dessa forma, deve ser exigida a demonstração de que o valor do último salário de contribuição é inferior ao patamar fixado em lei e que esse é o único critério utilizado para a concessão.

Argumentou, ainda, que o valor da renda bruta mensal é o único critério utilizado para a concessão do benefício e que a segurada não se enquadra no limite previsto na legislação.

Relator
Em seu voto, o ministro Maia da Cunha ressaltou que o TRF-3 julgou procedente o pedido com o fundamento de que a renda mensal da segurada superava em muito pouco o limite legal fixado à época de seu encarceramento. “Nessas condições, é possível a flexibilização da análise do requisito de renda do instituidor do benefício, devendo ser mantida a procedência do pedido reconhecida nas instâncias ordinárias”, disse o relator.

Ele também explicou que a análise de questões previdenciárias requer do magistrado uma compreensão mais ampla, de acordo com os valores dos direitos fundamentais, para que a aplicação da norma alcance a proteção social almejada.

“Este benefício é mal compreendido pela sociedade. Não se trata de assistência social ao preso. O benefício destina-se aos dependentes de segurado que contribuía para a Previdência Social no momento de sua reclusão”, afirmou, ao destacar o valor social do auxílio, que tem o objetivo de amparar os dependentes do segurado. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

REsp 1.112.557

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de novembro de 2014, 6h08

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/12/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.