Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ranking de Notícias

Aplicação da tese do desvio produtivo foi destaque

Por 

Geralmente tratado como mero aborrecimento pelos tribunais, o tempo gasto para se resolver um problema de consumo é indenizável. Isso é o que vêm garantindo acórdãos recentes, que representam uma mudança de rumo na jurisprudência sobre o assunto. Decisões recentes mostram que a tese Desvio Produtivo do Consumidor: o prejuízo do tempo desperdiçado, criada pelo advogado Marcos Dessaune, vem sendo aplicada pelos tribunais. “O desvio produtivo caracteriza-se quando o consumidor, diante de uma situação de mau atendimento, precisa desperdiçar o seu tempo e desviar as suas competências — de uma atividade necessária ou por ele preferida — para tentar resolver um problema criado pelo fornecedor, a um custo de oportunidade indesejado, de natureza irrecuperável”, explica o advogado. Clique aqui para ler a notícia

Projetos aprovados
A Câmara dos Deputados enfim destravou sua pauta e aprovou os projetos de lei do Marco Civil da Internet e o do novo Código de Processo Civil (CPC). O primeiro estabelece direitos e deveres para usuários e provedores de internet. Apesar da aprovação, a discussão ainda deve ser longa no Senado, onde o projeto também precisa ser aprovado. A neutralidade da rede e a responsabilização de provedores por conteúdos ofensivos postados na rede ainda geram debate entre os parlamentares. O projeto do novo CPC também segue para aprovação do Senado. A proposta tem o objetivo de atualizar os dispositivos atuais, em vigor desde 1973, e acelerar a tramitação das ações cíveis, incluindo questões de família, do consumidor e tributárias. O texto base já tinha sido aprovado em novembro, mas a redação final só foi votada após a análise de cerca de 40 destaques em diferentes sessões. Clique aqui e aqui para ler as notícias.

Porte de arma
Mesmo sem fazer o exame que comprova capacidade técnica e psicológica, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região entendeu que juízes têm direito a portar arma de fogo. Para o desembargador Cândido Alfredo Silva Leal Júnior, autor do voto vencedor, portar arma de defesa pessoal é prerrogativa do magistrado, conforme disposto na Lei Orgânica da Magistratura, artigo 33, inciso V. Em seu voto, Leal considerou que o profissional que tem por tarefa decidir sobre a vida das pessoas e seus conflitos, deve ter o discernimento necessário para preparar-se para portar arma de fogo para defesa pessoal. Clique aqui para ler a notícia.


ESPECIAIS
Entrevista de domingo
Em entrevista à revista Consultor Jurídico, o presidente eleito do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Técio Lins e Silva, critica mudanças feitas na proposta do novo Código Penal, que acabaram com as tentativas de se reduzir o encarceramento no país. Para Técio, que participou da comissão de juristas que formulou o anteprojeto, o texto, que já era “duro”, ficou “inviável”. “Se aprovado como está, o sistema penitenciário vai explodir”, resume. Na sua avaliação, ao derrubar a descriminalização do usuário de drogas e a extinção da punição para pequenos furtos — originalmente, o texto previa o ressarcimento à vítima como condição para a extinção da pena —, o projeto atende ao “pior clamor midiático, o do 'prende, mata e esfola'”. Clique aqui para ler a entrevista


Coluna da semana 
Na coluna Direito de Defesa, os advogados Heloisa Estellita e Pierpaolo Cruz Bottini explicam que a nova Lei de Lavagem dá nova dimensão ao crime tributário. “A nova redação da Lei de Lavagem de Dinheiro, e o reconhecimento dos limites da extinção de punibilidade aos crimes conexos ou relacionados, dá uma nova dimensão ao delito tributário. A limitação dos efeitos do pagamento a apenas estes últimos, deixando intocada a materialidade da lavagem de dinheiro, implica dizer que não é mais somente a “razão fiscal” que está a reger a reação punitiva à prática de crimes tributários”, afirmam. Clique aqui para ler a coluna. 


Artigo da semana 
Em artigo publicado no dia 26 de março, o advogado Luiz Augusto Sartori de Castro critica o projeto do Marco Civil da Internet, aprovado na Câmara dos Deputaso nesta semana. O artigo do advogado aborda específicamente os artigos 11 e 13 do projeto aprovado. “Os dois dispositivos legais, à luz da atual dinâmica da tecnologia da informação, não possuirão qualquer eficácia no mundo fenomênico; não serão hábeis a coibir a prática de delitos praticados por meio ou contra sistemas informáticos”, explica.  Clique aqui para ler o artigo. 


Audiência 
Medição do Google Analytics aponta que a ConJur recebeu 498 mil visitas e teve 1,1 milhão de visualizações de página de 21 a 27 de março. A quinta-feira (27/3) foi o dia com mais acessos, quando o site recebeu 92,4 mil visitas.

Com 8,4 mil de visualizações, o texto mais lido foi sobre a aprovação, na Câmara dos Deputados, do projeto do novo Código de Processo Civil (CPC), que tem o objetivo de atualizar os dispositivos atuais, em vigor desde 1973, e acelerar a tramitação das ações cíveis, incluindo questões de família, do consumidor e tributárias. O texto base já tinha sido aprovado em novembro, mas a redação final só foi votada após a análise de cerca de 40 destaques em diferentes sessões. A proposta segue agora para o Senado. Clique aqui para ler a notícia.

Com 6 mil visualizações, o segundo texto mais lido foi sobre a tese Desvio Produtivo do Consumidor: o prejuízo do tempo desperdiçado, criada pelo advogado Marcos Dessaune. A tese, que já vem sendo aplicada por tribunais brasileiros, diz que o tempo gasto para se resolver um problema de consumo é indenizável. Clique aqui para ler.


As 10 mais lidas
Novo Código de Processo Civil é aprovado na Câmara
Tempo gasto em problema de consumo deve ser indenizado
Marco Civil da Internet é aprovado na Câmara
Joaquim Barbosa garante não participar das eleições de 2014
Juízes têm direito a porte de arma, decide TRF-4
Defensor de SP terá mesmo teto de ministro do Supremo
Advogado associado não tem vínculo empregatício com banca
No site do STF, Joaquim Barbosa critica reportagem
Casais devem compreender comunhão parcial de bens
"Projeto do Código Penal inviabiliza sistema penitenciário" 


Manchetes da Semana
Site que oferece serviços jurídicos por R$ 150 é condenado
Declaração de insignificância vale para débitos de até R$ 20 mil
Novo Código de Processo Civil é aprovado na Câmara
Tempo gasto em problema de consumo deve ser indenizado
Marco Civil da Internet é aprovado na Câmara
TJ-SP regulamenta horário de juiz que mora fora da comarca
Juiz pode portar arma mesmo sem comprovar capacidade
Advogado associado não tem vínculo empregatício com banca
Enviar dados de empresa para e-mail pessoal gera dano moral
"Projeto do Código Penal inviabiliza sistema penitenciário"
Jornada de oito horas de advogado não dá direito a hora extra
Motorista não responde por fugir de local do acidente
Acidente de trabalho só prescreve após identificação de dano
Superior hierárquico não responde por erro de subordinado 

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 29 de março de 2014, 7h15

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 06/04/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.