Consultor Jurídico

Bronca em sentença

TRT-17 instaura processo contra juiz que citou “preguiça” de advogada

Retornar ao texto

Comentários de leitores

17 comentários

Juiz responde pad

iranilealferreira (Advogado Sócio de Escritório - Família)

Infelizmente, o Magistrado "pecos" por não se conter em não comentar a desídia da Advogada. Nesse caso, coitada da cliente, ficou prejudicada. Todos os nossos argumentos e provas materiais, deverão ser juntadas aos autos, senão, o Juiz não pode fazer o papel do Advogado, sob pena de ser ele penalizado.
É lamentável que esse desfecho tenha vindo a público e de forma deselegante para ambos.
Certamente essa Advogada, estará com a imagem maculada, por não tomar todos os cuidados.
Irani de Souza Araújo Leal Ferreira - Advogada em Brasília.

Cliente prejudicado

Walter Soares Barbosa Rocha (Advogado Autônomo - Civil)

O cliente do Advogado e o Patrão do Juiz saiu perdendo n nessa briga entre "o rochedo e o mar", pois ele está pagando para ter uma solução satisfatória em seu pleito.
Pagando honorários de Vitória e pagando o Salário do Juiz com os Impostos e os dois ficam em contentas de picuinhas.
Se o processo não estava sanado, para servir ao Cidadão pagante e Patrão, a gentileza seria a de se abrir prazo de 05 dias para juntar a cópia do Dissídio , OK?
Acima de tudo está o Cliente / Cidadão.
Vamos respeita-lo?
Walter Soares
Natal-RN
.

Cliente prejudicado

Walter Soares Barbosa Rocha (Advogado Autônomo - Civil)

O cliente do Advogado e o Patrão do Juiz saiu perdendo n nessa briga entre "o rochedo e o mar", pois ele está pagando para ter uma solução satisfatória em seu pleito.
Pagando honorários de Vitória e pagando o Salário do Juiz com os Impostos e os dois ficam em contentas de picuinhas.
Se o processo não estava sanado, para servir ao Cidadão pagante e Patrão, a gentileza seria a de se abrir prazo de 05 dias para juntar a cópia do Dissídio , OK?
Acima de tudo está o Cliente / Cidadão.
Vamos respeita-lo?
Walter Soares
Natal-RN
.

Ditadura dos Ofendidos

Siegfried (Advogado Autônomo - Civil)

Eu fico muito alarmado sempre que vejo notícias dessa natureza, onde ameaçam a independência do Judiciário e a liberdade de expressão em nome da tirania do "politicamente correto" e outras esquerdices histéricas que estão incutindo nas pessoas há várias décadas... Vagabundo é vagabundo e não existe meio-termo para isso. As pessoas têm que recuperar o orgulho do compromisso com a verdade e parar de aplaudir e se omitir diante desse totalitarismo ideológico que oprime e silencia os justos.

Foi infeliz ao fundamentar

Neli (Procurador do Município)

Foi infeliz ao fundamentar, mas, daí a ser processado? Não o processaria. O juiz poderia ter fundamentado do seguinte modo:compete a parte provar o alegado,trazendo ao processoo transunto do dissídio etc .Fundamentação infeliz,mas, friso-me, não o processaria. Cá para nós, leio tantos acórdãos por aí que cuja fundamentação é de uma pobreza franciscana.O juiz deve ser absolvido e minha solidariedade para a colega.

Também na TV

San Juan (Consultor)

Sendo engenheiro recebo o CONJUR apenas porque gosto de ficar informado sobre assuntos de direito e novas jurisprudências. No caso aqui posto, vejo que há interpretações discordantes sobre a atitude das partes e até mesmo sobre a participação da OAB. Todavia, desde o papel de observador, gostaria de lembrar que frequentemente assistimos na TV alguns "bate boca" entre magistrados, que certamente no se enquadram dentro dos padrões elegantes de comportamento.

Não há dolo de ofender

João Paulo M da Silva (Servidor)

O juiz se incluiu quando mencionou que a preguiça é contagiante.

Grosseria do magistrado

Alexandre (Advogado Assalariado)

Eu também entendo que foi totalmente gratuita manifestação do magistrado, mas vamos combinar que a nossa colega causídica também não atuou da forma mais profissional do mundo.

Dosimetria da bronca.

Shen Rochus Mingli (Advogado Assalariado)

Do ponto de vista lógico, esse magistrado está correto, embora ríspido. Poderia tê-lo feito de uma maneira mais branda ou elegante, quanto a mim serve de lembrete ("Quando as barbas do vizinho pegam fogo, devemos colocar as nossas de molho"). Leitura interessante, pertinente e recomendável é um artigo de uma colega que nos alerta sobre o amadorismo e a perda de prazos. Rara atuação da OAB.

Soberba !!!

Procurador do Ente Público (Procurador do Município)

Que belo exemplo em senhor Menezes ???
Infelizmente é isso aí, boa parte de nossa magistratura (estadual e federal) está tomada pela arrogância e por um orgulho desmedido !!!
Digo mais, esse PAD é pra "Inglês" ver...

Não cabe a ele avaliar

Daniela A. Correia (Advogado Autônomo - Criminal)

O Juiz deve se abster ao processo, e não ficar dando pitacos no trabalho do advogado.

Deselegância

Porphyrius (Juiz Federal de 1ª. Instância)

Deselegância do Magistrado...

Velha e boa receita

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Ainda prefiro a velha e boa receita para situações desse tipo: Vou a forra e , no mesmo patamar do juiz (sub-solo), desço o pau na verborreia. Olho por olho, dente por dente. É ignorância ? Talvez, mas.... com certeza vou continuar dormindo tranquilo, sem aumento da pressão arterial. Esse blá blá blá entre OAB e a Magistratura não leva a nada e o desgaste psicológico, já aconteceu, de forma que sempre é melhor botar tudo para fora, tal qual quando comemos algo que nos causou indigestão, do que segurar e passar a noite com azia.

Mesmo Peso

Jorge Luiz de Oliveira da Silva (Juiz Militar de 1ª. Instância)

Interessante é que há inúmeros casos de descortesia, ofensas e grosserias perpetradas por advogados contra juízes, promotores e outras partes que a OAB defende alegando imunidade. Particularmente acho um absurdo se utilizar dos autos para ofensas pessoais. ..mas ja vi inúmeros casos de advogados agirem assim e sempre sob a proteção da OAB. Assim, desejo que a OAB sempre se posicione dessa forma....qualquer que seja o detrator.

Invertendo

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Certamente que o cínico magistrado jamais aceitaria tal pecha a que atribuiu à advogada, nem deveria, porque não é o correto.

Via dupla

Prætor (Outros)

Abstenho-me de comentar o caso concreto, "sub judice". Mas devo lembrar que cortesia gera cortesia e quem busca cortesia deve antecipar-se e ser cortês. É uma via de mão dupla e espero que a OAB/ES dê o mesmo encaminhamento e tenha o mesmo entendimento que exigiu do TRT/17 se/quando tiver um caso similar em mãos praticado por advogado.

Corporativismo

Afarujo (Advogado Assalariado - Civil)

Penso que o Juiz tenha razão ao fazer a afirmação transcrita nesse artigo. De certo modo, penso que a Ordem deveria preocupar-se com situações mais sérias como a lentidão da justiça (embora essa lentidão gere lucros a alguns desocupados), com a falta de estrutura dos órgãos judiciários etc. e não perder tempo representando contra um juiz que apontou um problema que é constante e comum entre muitos advogados, a insipiência na administração da justiça e direito de seus constituintes. PENSO QUE A ORDEM DEVERIA SER MAIS PRUDENTE AO DEFENDER ESSA TAL URBANIDADE DESEJADA E PEDIDA JUNTO AO JUIZ EM CASO.

Comentar

Comentários encerrados em 30/05/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.